Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 16 de Outubro de 2021 - 10:35

Wagner reconhece dificuldade da Bahia na segurança e ressalta investimentos no setor

por Jade Coelho / Mauricio Leiro

Wagner reconhece dificuldade da Bahia na segurança e ressalta investimentos no setor
Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

O senador Jaques Wagner (PT) reconheceu a dificuldade da Bahia no setor de segurança pública, porém apontou que investimentos têm sido feitos para o setor. Apesar disso, Wagner rebateu as críticas feitas sobre o tema pelo ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, durante entrevista coletiva neste sábado (16), ao lado do presidente do PT, Éden Valladares.

 

"Eu não vejo muita credencial nesse ex-prefeito [ACM Neto] para falar em segurança. Quando assumi em 2006 e eles governavam, só perguntava para os policiais. Não tinha arma, os carros caindo pelas tabelas, compara a estrutura de inteligência. Rui fez uma licitação de R$ 800 milhões, e estamos apostando em tecnologia, com reconhecimento facial. É um sistema que avisa, que uma face está passando em tal lugar. Não está bem, eu não conheço nenhum lugar. As armas continuam, os grandes produtores não aceitam colocar chip, gps. A Cocaína você faz num fundo de quintal, um fuzil não. Para bandido tem arma, comprou em algum lugar. A questão é muito maior. Ninguém vem com uma varinha de condão. Eu não sei qual a proposta dele, quando cheguei a estrutura estava no chão", disse. 

 

Já sobre o atual secretário de segurança do estado, Ricardo Mandarino, Wagner preferiu não aprofundar a análise sobre a gestão. "Não acompanho de perto o trabalho dele. Ele foi trazido por ter uma visão mais ampla", disse. 

 

O senador comentou também que não acredita que o tema será "o principal da eleição". "Eu não conheço ninguém que tenha uma forma. Criamos o pacto pela vida, que faz premiação para regiões que tenham reduções. Estamos investindo em tecnologia", finalizou.

Histórico de Conteúdo