Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Ex-comodoro do Yatch atribui suspensão a auditoria 'discutível' e 'encomendada'
Marcelo Sacramento, Comodoro do Yacht Clube da Bahia / Foto: Auremar Santos

Ex-comodoro do Yacht Clube da Bahia, Marcelo Sacramento revelou estar sendo "vítima de uma perseguição política sem precedentes na história do clube". Os bastidores políticos do local vem sofrendo com denúncias constantes (reveja aqui). 

 

"Começou com a reprovação das contas do último ano da gestão 18/19, sem nenhum embasamento técnico, com recomendação de aprovação pela auditoria e Conselho Fiscal. As contas foram aprovadas depois, com modificações irrelevantes e foi dado início a processos administrativos visando punições", comentou Sacramento.

 

Marcelo sofreu uma suspensão por 90 dias, e segundo ele, "decorre inacreditavelmente do Acordo Trabalhista com o ex-superintendente Antônio Fernandes, devidamente fundamentado em pareceres credenciados, e que pouparam o clube de um indefensável passivo, em valor muitas vezes superior àquele desembolsado ao fim da nossa gestão". 

 

Outra suspensão recebida pelo ex-comodoro, desta vez por 180 dias, também já foi confirmada. "[A suspensão] vem lastreada por uma “discutível” e “encomendada” auditoria de processos nunca antes realizada na instituição, de mais de 120 páginas, que inclui atos simplórios do cotidiano, até a realização de importantes eventos, a qual levou 4 meses para ser realizada, mais 3 meses para ser analisada por uma inventada 'Comissão Processante' e, para a defesa ficaram reservados para mim, apenas 10 dias. Tal não pode ser aceito, por ser inexequível. A própria auditoria declarou que o relatório final “carecia de documentos e que o mesmo não era independente”, além de conter inúmeros erros", disse.

 

"A esta altura, já se fala que o próximo passo será a minha Expulsão dos Quadros Sociais. Claro que, em face do arbítrio e do abuso de poder que ora ali se pratica, só resta recorrer à Justiça para fazer valer direitos. Mas os passos nesta área são lentos, exigem muito trabalho, paciência e geram custos.  Porém, o que mais me sensibiliza são possíveis reflexos do 'linchamento moral' que os meus algozes intentam. Razão maior deste comunicado que faço em respeito aos Associados, que um dia me confiaram a honrosa missão de conduzir os destinos do nosso querido Yacht Clube da Bahia", finalizou Marcelo.

Histórico de Conteúdo