Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 27 de Julho de 2021 - 10:50

Bruno Reis cobra regularidade no envio de vacinas contra Covid-19: 'Juntar atrapalha'

por Jade Coelho / Fernando Duarte

Bruno Reis cobra regularidade no envio de vacinas contra Covid-19: 'Juntar atrapalha'
Foto: Jade Coelho/ Bahia Notícias

Após cobrar alterações nos critérios de distribuição de doses de vacinas contra a Covid-19, o prefeito de Salvador, Bruno Reis, reclamou da logística adotada pelo Ministério da Saúde, que tem represado o envio de imunizantes para a remessa em um menor número de viagens. “Juntar para distribuir atrapalha ainda mais a vida dos prefeitos aqui na ponta. Se nós tivéssemos uma regularidade no envio das doses, estaríamos mesclando hoje segunda e primeira doses”, afirmou o gestor, na manhã desta terça-feira (27), durante a apresentação do Road Show Salvador 2021.

 

Segundo Bruno Reis, em encontro com o ministro Marcelo Queiroga há 15 dias não havia mudança nessa logística de distribuição, com o represamento de lotes dos imunizantes, então o pleito ficou restrito à restituição de doses que Salvador não recebeu. “O critério adotado pelo ministério era com base nos grupos prioritários, pessoas com comorbidades, indígenas, quilombolas... Só que todas as cidades do Brasil já estão no critério por idade. Então é o critério do número de habitantes. Esse deveria ser o critério para distribuição das doses. O ministro ficou de avaliar. Até então, não deu uma posição”, explicou.

 

“Na visão da prefeitura, é melhor aplicar logo do que ficar segurando essas doses. Até porque quanto mais gente a gente imuniza mais a gente vai ficando livre do risco de novas variantes, principalmente da variante delta, que está circulando nas ruas”, ponderou Reis. Por isso, o prefeito reiterou que “o ideal é que as vacinas à medida que fossem encaminhadas para o PNI fossem de imediato distribuídas”. “Isso facilitaria a logística dos prefeitos que, como eu disse, ficam com a parte mais delicada e complexa do processo”, completou.

Histórico de Conteúdo