Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Caso Flordelis: Relator apresenta parecer por cassação de mandato da deputada na Câmara
Foto: Reprodução / Câmara dos Deputados

O deputado federal Alexandre Leite (DEM-SP) apresentou, nesta terça-feira (1), parecer pela cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD-RJ) no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Os deputados devem fazer um pedido de vista coletiva e a votação do parecer será adiada para a próxima terça-feira (8).

 

Caso seja aprovado no colegiado, o processo seguirá para o plenário da Casa, onde será decidido por maioria absoluta – ao menos, 257 votos – e votação aberta.

 

De acordo com o Metrópoles, o advogado de defesa da deputada, Jader Marques, apelou para a origem humilde dela e para o fato de ser mãe adotiva de dezenas de crianças. A defesa afirmou ainda que não há provas materiais de que a deputada cometeu o crime e, portanto, os deputados, ao cassarem ela, estariam cometendo uma injustiça.

 

“Se tirar o delegado e a delegada, não há um caso. Não estamos diante de elementos materiais, mas conclusões de pessoas, que atribuem a ela suposições”, disse o advogado, acrescentando que vai apresentar as provas ao júri. “Deixem o júri julgar”, finalizou. A deputada, porém, só vai se manifestar na comissão na sessão da próxima sessão.

 

Durante o processo, o colegiado ouviu os delegados Allan Lacerda e Bárbara Bueno, responsáveis pelo caso, além de testemunhas de defesa, como a filha biológica Simone Rodrigues e a filha adotiva, Erika Dias. Flordelis também prestou depoimento à comissão.

 

Flordelis é acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 16 de junho de 2019.

 

No parecer, o relator aponta os quatro crimes de denunciados pelo MPRJ – tentativa de homicídio, homicídio consumado, uso de documento falso e associação criminosa. A deputada, todavia, alega inocência.

Histórico de Conteúdo