Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Mais de 60% dos russos não querem se vacinar com a Sputnik V
Foto: Reprodução / Pixabay

Pouco mais de 4 milhões de russos receberam até agora uma dose da Sputnik V, vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Centro de Pesquisas Gamaleya de Moscou. O número está abaixo da meta do Ministério da Saúde da Rússia, que pretendia vacinar 60% de todos os adultos em 6 meses.

 

O país, de cerca de 145 milhões de habitantes, lançou a campanha de vacinação em massa em dezembro de 2020, de acordo com o Poder 360.

 

Segundo uma pesquisa realizada por sociólogos no Levada Centre, o motivo pode ser a desconfiança da população com o imunizante. O estudo revelou que apenas 30% dos russos estão dispostos a se vacinar com a Sputnik V, apesar da eficácia de 91,6%. Outros 62% disseram que não querem receber as doses do imunizante.

 

Os jovens são os menos propensos a se vacinar com a Sputnik V. Entre os entrevistados de 18 a 24 anos, 19% querem receber o imunizante e 75%, não. Entre o grupo de 25 a 39 anos, 22% disseram que aceitam a vacina e 73%, não. Entre as pessoas com 55 anos ou mais, os números são de 40% e 49%, respectivamente.

 

A pesquisa foi realizada de 18 a 24 de fevereiro de 2021, com amostra representativa de todos os residentes urbanos e rurais russos. Foram feitas entrevistas presenciais com 1.601 pessoas acima dos 18 anos em 137 municípios de 50 regiões da Rússia.

 

Sobre os motivos para não querer a vacina russa, 37% dos entrevistados disseram que têm medo de efeitos colaterais; 30% preferem esperar o fim dos testes; 16% não veem sentido em se vacinar; 12% têm alguma contraindicação; 10% são contra qualquer vacina; 6% citaram outros motivos e 2% não souberam precisar a razão para não se imunizar com a Sputnik V.

 

Quando os dados da Sputnik V foram publicados na revista científica The Lancet, em fevereiro de 2021, os professores Ian Jones e Polly Roy resumiram o debate por trás da vacina. “O desenvolvimento da vacina Sputnik V foi criticado por ter ocorrido às pressas e pela ausência de transparência”, afirmaram.

 

Mas há também outra questão que impulsiona a desconfiança dos russos. Muitos acreditam que a vacina é apenas uma ferramenta política. “Você pode dizer que é armamento russo, ou a vacina é apenas uma vítima do fundo político, mas definitivamente a política está mais explicitamente representada no caso da vacina russa do que qualquer outra produzida no mundo hoje”, observou Andrei Kortunov, do Conselho de Assuntos Internacionais russo.

 

Tatiana Stanovaya, da empresa de análise R.Politik, também disse acreditar que a vacina foi uma questão importante para a promoção do presidente russo, Vladimir Putin. “Para Putin, criar a vacina foi uma maneira de provar ao mundo que a Rússia é um país desenvolvido e importante, que é capaz de alcançar grande sucesso em esferas que exigem muita habilidade e tecnologia”, declarou.

 

“Quando você decide comprar a vacina russa, parece que você investe ou aprova as conquistas do regime de Putin ou do próprio Putin", comentou. O RDIF, fundo estatal que apoiou o desenvolvimento da Sputnik, diz que 39 países já registraram sua vacina e até mesmo a União Europeia está considerando comprar unidades.

 

Mas a aprovação na UE continua incerta. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que o bloco não recebeu qualquer pedido de autorização de comercialização da Sputnik V.

Histórico de Conteúdo