Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 02 de Fevereiro de 2021 - 13:40

Silvio Humberto cobra regulamentação do Estatuto da Igualdade Racial de Salvador

por Jade Coelho

Silvio Humberto cobra regulamentação do Estatuto da Igualdade Racial de Salvador
Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

O vereador de Salvador Silvio Humberto (PSB) voltou a cobrar a regulamentação do Estatuto da Igualdade Racial e Combate a Intolerância Religiosa, nesta terça-feira (2), dia em que foi aberto o ano legislativo na Câmara Municipal. 

 

O projeto foi aprovado em maio de 2019 (lembre aqui), 10 anos após ser protocolado pela então vereadora Olivia Santana (PCdoB). A aprovação aconteceu por aclamação após longas discussões e sessões derrubadas. 

 

O ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), sancionou o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa em junho daquele ano (veja aqui), mas até o momento não houve regulamentação. 

 

O vereador Silvio Humberto teve papel importante durante a tramitação do Estatuto na Câmara Municipal de Salvador e ressalta que essa é uma bandeira importante para o mandato dele. 

 

"A gente vai continuar fazendo aquilo que nós acreditamos, muita energia para lutar, defender os mais vulneráveis, lutar por justiça social, racial. A gente tem o Estatuto da Igualdade Racial que está aí e precisa ser regulamentado. Essa é uma das lutas nossas", disse o vereador.

 

ATUAÇÃO DA OPOSIÇÃO

O vereador também comentou sobre a redução do número de vereadores no bloco da oposição ao prefeito Bruno Reis (DEM). Nesta legislatura o grupo conta com oito vereadores. 

 

Na visão de Silvio Humberto é que o grupo se mantenha "propositivo" e fazendo o papel com qualidade. "O que a gente espera é uma oposição propositiva, que tem sido nossa característica nesse oito anos. É propor, agora o governo tem maioria e nem sempre o que a gente propõe, procurando fazer as emendas devidas, o governo aceita", ponderou o edil.

Histórico de Conteúdo