Queiroz usou apartamento de ex-mulher de Wassef em São Paulo, indicam mensagens
Foto: Igo Estrela / Metrópoles

Além de morar em imóvel pertencente ao advogado Frederick Wassef, o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz também usou um apartamento da ex-mulher do advogado, a empresária Maria Cristina Boner Leo, em São Paulo. Isso é o que mostram mensagens encontradas nos celulares apreendidos da família do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro.

 

Segundo informações do jornal O Globo, que teve acesso às mensagens, Queiroz e seu filho usaram o imóvel na capital paulista. A primeira conversa que indica isso ocorreu na madrugada de 24 de novembro do ano passado, quando Queiroz disse a esposa, Márcia Oliveira Aguiar, que estava indo "para a casa do Anjo". O codinome é atribuído a Wassef, segundo as investigações.

 

Com isso, a mulher responde: "Felipe também? Tomara que tenha boas notícias". Na sequência, Queiroz respondeu com uma foto do filho, sentado em um sofá branco com uma sala grande ao fundo.

 

A beleza do imóvel empolgou Felipe, que tirou uma série de cinco fotos suas na sala e a enviou para um amigo, elogiando o apartamento. Com isso, foi possível identificar o endereço das fotos.

 

De acordo com a publicação, o celular registrou que as imagens foram feitas na Rua Jerônimo da Veiga, esquina com a Rua Emanuel Kant, no bairro Chácara Itaim, exatamente o local onde Maria Cristina possui um imóvel.

 

Além da relação com Wassef, que hoje é ex-advogado de Flávio Bolsonaro, o nome da empresária tem sido associado aos Bolsonaro porque ela é fundadora da Globalweb Outsourcing. De acordo com o UOL, a empresa fechou novos contratos com o governo no ano passado, em um total de R$ 53 milhões.

 

Procurada pelo jornal, ela não contestou a titularidade do imóvel, mas disse que mora em Brasília, que não estava em São Paulo, que desconhece os fatos apontados e que só vai se manifestar após ter acesso aos autos do procedimento através de seu advogado. Sua empresa informa que "os valores recebidos por serviços regularmente prestados a órgãos federais durante o governo Bolsonaro são 70% menores ao totalizado nas gestões Dilma e Temer".

 

A publicação também procurou a defesa de Queiroz que indicou que os questionamentos deveriam ser feitos a Wassef. O advogado, por sua vez, frisou que não mora no local. “Jamais abriguei Queiroz ou qualquer pessoa de sua família em qualquer propriedade minha ou de conhecidos meus na cidade de São Paulo”, justificou (saiba mais aqui).

 

Além do imóvel em Atibaia, onde Queiroz foi detido, o Jornal da Band revelou que Wassef também abrigou o ex-assessor de Flávio em um apartamento no Guarujá, litoral de São Paulo.

Histórico de Conteúdo