Rui diz não temer investigação e defende 'transparência absoluta, doa quem doer'
Foto: Camila Souza/GOVBA

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), respondeu questionamentos sobre a Operação Ragnarok, que investiga suposta fraude na aquisição de respiradores pelo Consórcio Nordeste, neste sábado (13) em entrevista à CNN. Questionado sobre o fato do processo ter deixado o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) e passado para as mãos do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que julga acusados com prerrogativa de foro, e por isso o foco poderia ser ele, Rui disse ter "absoluta tranquilidade".

 

O governador baiano destacou que partiu dele a determinação para que a investigação ocorra, e que cehgou a enviar uma carta ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras, solicitando a retomada da ação. 

 

O Bahia Notícias teve acesso com exclusivadade ao depoimento de duas pessoas presas por envolvimento na fraude dos respiradores, a CEO da Hempcare Cristiana Prestes, e o presidente da Biogeoenergy Paulo de Tarso. Os dois acusados citaram pessoas ligadas ao governo da Bahia durante os depoimentos, como o ex-secretário da Casa Civil Bruno Dauster e o vice-governador João Leão (PP) (lembre aqui, aqui, aqui e aqui). 

 

Durante a entrevista o governador baiano defendeu "apuração absoluta e total, doa quem doer e alcance quem alcançar". Segundo ele, se a investigação apontar como culpado algum integrante ou ex-integrante do governo estado, eles devem ser responsabilizados pelos erros.

 

O ex-secretário da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, foi exonerado do cargo na última sexta-feira (5), após ter o nome citado nos depoimentos. A justificativa dada por Dauster foi de que optou por sair da gestão a fim de evitar politização do caso (leia aqui e aqui).

Histórico de Conteúdo