Servidores do Ibama dizem ter sofrido 'assédio moral coletivo' do ministro Ricardo Salles
Foto: Reprodução / G1

Servidores do Ibama que trabalham em seis Estados e no Distrito Federal encaminharam representação ao Ministério Público Federal (DF) onde pedem que o órgão apure a conduta do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles por práticas de "assédio moral coletivo". As denúncias foram enviadas pelas associações de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Pará, Mato Grosso, Distrito Federal e Tocantins.

 

Procurado, Salles disse que preferia não comentar o caso. O MPF também não se manifestou sobre o assunto até o momento, segundo contato do Estadão.

 

Nas representações, as regionais da Associação dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente e do Ibama (Asibama) pedem ao MPF que apure responsabilidades cível, penal e administrativa relacionadas ao ministro. 

 

Os servidores também acusam Salles de adotar políticas de "retrocesso ambiental" e de criar "entraves ao bom funcionamento dos órgãos". Nas representações, declaram que o ministro utiliza uma "conduta atentatória contra os princípios da administração pública federal". 

 

No Ibama e no ICMBio, funcionários afirmam que não podem mais se manifestar sem antes submeterem ao MMA. As áreas de comunicações dos dois órgãos foram desmontadas e centralizadas no ministério.

Histórico de Conteúdo