Após impasse na eleição, Renan Calheiros retira candidatura ao Senado
Foto: Reprodução / EBC

O senador Renan Calheiros (MDB) retirou candidatura à presidência do Senado durante eleição neste sábado (2). A primeira tentativa de votação na Casa registrou fraude com 82 votos na urna mesmo na presença de 81 senadores (veja aqui). 

 

Com a possibilidade de fraude, uma nova eleição se iniciou, causando discussões no Senado. "Não vou me submeter", bradou Renan ao afirmar que ali se configurava uma tentativa de dar a vitória a Davi Alcolumbre (DEM). 

 

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou na madrugada deste sábado (2) que a eleição fosse feita por meio de votação secreta, a pedido do Solidariedade e do MDB (saiba mais aqui). No plenário, o Senado aprovou votação aberta na sexta-feira (2), o que segundo os bastidores prejudicaria a eleição de Calheiros. 

 

A decisão de votação aberta foi aprovada em sessão comandada por Davi Alcolumbre (DEM), também candidato, o que causou questionamentos de apoiadores de Renan. “Eu não sou o Jean Wyllys. Eu não vou renunciar ao meu mandato, mas o Brasil é testemunha do que desde ontem acontece nesta Casa. Se eles podem tudo, não serei eu o cavalo do cão”, disse Renan ao fazer o seu anúncio de que iria se retirar da eleição.

 

Com a ação, o senador Angelo Coronel (PSD) foi até a mesa e pediu votos que iriam para o emedebista. Os senadores discutem agora se um terceiro processo de eleição deve ser feito.  

Histórico de Conteúdo