Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quinta, 08 de Junho de 2017 - 07:20

Oposição fraca, governo forte: como Rui e ACM Neto se beneficiam desse paradigma

por Fernando Duarte

Oposição fraca, governo forte: como Rui e ACM Neto se beneficiam desse paradigma
Foto: Montagem/ Bahia Notícias

A oposição “arregou” na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e, apesar do jogo de cenas, permitiu que a base do governo, ligeiramente desgastada, aprovasse matérias de interesse do Executivo na última terça-feira (6). Na avaliação de um antigo parlamentar, que acompanha o Legislativo estadual há mais tempo que uma parcela expressiva dos nossos leitores, a minoria se deixou vencer por pouco – tanto quanto a base aliada, diga-se. Após mais de 60 dias, o governo conseguiu aprovar projetos com uma “promessa”, frise-se, de uma ambulância como parte das emendas impositivas. A execução da promessa, todavia, acontecerá apenas em julho. “Isso se acontecer”, como ironizou um deputado. Esse é apenas um exemplo de como uma oposição fraca fortalece o governo. Até mesmo instrumentos típicos da minoria, a exemplo das CPIs, ficam quase sempre no quase. Logicamente, essa é uma crítica bem generalista. Existem deputados que, pontualmente, conseguem ocupar espaços. É como se, depois de 11 anos de governo petista, os partidos que se opõem a ele ainda não tivessem aprendido a fazer barulho mesmo sendo numericamente inferior no Legislativo baiano. Resultado: o governo Rui Costa, assim como o de Jaques Wagner, passeia na maioria das matérias remetidas à AL-BA. Situação idêntica à vivenciada pelo prefeito ACM Neto na Câmara de Vereadores de Salvador. A cada nova matéria remetida pelo Executivo, a oposição a ele no Legislativo soteropolitano facilmente é driblada pelo poderio de negociação da maioria. O que é natural, sabe-se. O trator que age na AL-BA aparece com mesma intensidade na Câmara. E olha que, nos últimos tempos, até que o grupo minoritário tem conseguido fazer mais barulho do que o correlato no estado. Talvez pela experiência de longas datas de PT e PCdoB em fazer oposição no plano nacional, que acaba por transferir o know-how para os vereadores. Ainda assim, tal qual siri na lata, a minoria da Câmara de Salvador tem muito pouco a apresentar de resultado prático, o que deixa ACM Neto tão forte quanto Rui Costa.



Histórico de Conteúdo