Rio Real: Município ganhará 18 policiais; major acusado de tortura comandará tropa
Acusado irá comandar tropa
Após as denúncias publicadas de que policiais militares são investigados por abusos, torturas e também homicídios na cidade de Rio Real (veja aqui e aqui), o município terá o policiamento reforçado por PMs. Segundo o Correio, um total de 18 policiais militares lotados em uma Companhia de Policiamento Especializado (Cipe) não especificada e no Esquadrão Águia de Feira de Santana será deslocado para Rio Real, que fica na divisa com Sergipe. A informação é do próprio comandante-geral da PM, Alfredo Castro, que nesta terça-feira (26) esteve no município em um encontro com autoridades locais. Até o final dessa semana, os policiais já irão atuar no município, garante Castro. Eles ficarão lotados na 6ª Companhia Independente da PM, comandada pelo major Florisvaldo Ribeiro, acusado de ser conivente e até de participar dos abusos. “Será um policiamento ostensivo com policiais fardados, que circularão também por cidades vizinhas”, afirmou o comandante-geral, que se disse satisfeito com a audiência. “Viemos aqui para dizer à sociedade que vamos trabalhar para que tudo seja esclarecido o mais rápido possível”, afirmou Castro. O juiz da comarca de Rio Real, Josemar Dias, ficou dividido em relação à chegada de mais policiais. “A companhia estava com déficit de homens, logo, seria bom. A questão é a filosofia de trabalho e a relação com a população”, declarou. Sobre as investigações referentes à atuação de grupos de extermínio, espancamentos e abordagens violentas na cidade, o comandante-geral da corporação não quis adiantar nenhum detalhe. “Por lei, são 30 dias para o comando se manifestar. Estamos ouvindo várias pessoas. Encontramos gente elogiando o trabalho do comandante (Ribeiro), como encontramos quem falasse o contrário, conforme a denúncia de vocês”, informou.

Histórico de Conteúdo