Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Rio Real: Dez PMs respondem por homicídios; juiz retira família da cidade após denúncias
Permanência do major Florisvaldo Ribeiro está nas mãos do Comando da PM da Bahia
Dez policiais militares que atuam ou atuaram em Rio Real sob o comando do major Florisvaldo Ribeiro, responsável pela 6ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), respondem a processos na Justiça por crimes de homicídio, tentativa de homicídio e tortura praticados no município do nordeste baiano. Reportagem do Correio mostrou que os rio-realenses vivem um clima de medo, com diversos relatos de abusos cometidos por policiais, suspeitos até de integrar um grupo de extermínio. Conforme nova denúncia, os dez PMs respondem a sete processos no Fórum da cidade. Os soldados Lenildo José da Silva, Valney de Jesus Silva e Anderson Clay Batista dos Santos respondem por homicídio. Apesar dos processos, segundo o juiz da comarca local Josemar Dias Cerqueira, os três continuam no trabalho ostensivo. O soldado Edval Nepomuceno Santana é acusado de tentativa de homicídio e também estaria trabalhando normalmente em Rio Real. Respondendo a duas acusações, por homicídio e tortura, o soldado Gildásio João Barbosa da Silva é outro profissional queainda exerce o ofício na região. Quanto aos casos de tortura, estão sob investigação o soldado Genildo Oliveira de Lima, lotado na 6ª CIPM, os soldados reformados Evandro de Souza Alves e Ramon Rodrigues de Lima, além dos tenentes Leanderson Antônio dos Santos e Marcus Vinícius Pereira Bastos. Nesta quinta-feira (21), o juiz decidiu retirar sua família de Rio Real. A mulher e o filho foram levados para outro município. O magistrado teme represálias após tornar públicos os relatos formais e informais sobre abusos do grupo liderado pelo major. “Com família, nós não temos segunda chance. Enquanto a Secretaria da Segurança Pública não der uma solução ao problema, minha família não fica em Rio Real”, justificou em entrevista ao diário baiano. O comando da Polícia Militar da Bahia informou que o major Florisvaldo Ribeiro já foi ouvido e seu destino será decidido nesta sexta (22).


Histórico de Conteúdo