EUA espionaram pelo menos 35 líderes mundiais, afirma jornal britânico
Chanceler alemã, Angela Merkel, pode ter sido espionada
Os Estados Unidos monitoraram pelo menos 35 líderes mundiais pelo serviço de inteligência do país, informou uma reportagem do The Guardian desta quinta-feira (25). De acordo com a pulbicação, a Agência de Segurança Nacional americana (NSA, na sigla em inglês) começou as espionagens após receber números de telefones de um funcionário do governo. A relação dos líderes estaria entre 200 contatos entregues à NSA. Segundo o governo alemão, há indícios de que o telefone celular da chanceler Angela Merkel tenha sido monitorado. Com a repercussão do caso, o embaixador americano na Alemanha foi chamado nesta quinta para dar explicações ao ministro de Relações Exteriores, Guido Westerwelle. Pelas circunstâncias, o caso é o primeiro desde a 2ª Guerra Mundial em que o embaixador de um país aliado é convocado. Merkel disse que a boa relação entre as duas nações foi quebrada pela suspeita de que também foi alvo da ação de inteligência do EUA. "Nós precisamos ter confiança entre aliados e parceiros e essa confiança (entre EUA e Alemanha) precisa ser restaurada", afirmou, em Bruxelas, durante encontro da cúpula dos líderes da União Europeia. A declaração de Merkel vem um dia depois de ela telefonar para o presidente americano, Barack Obama, para protestar contra a suposta espionagem. A Alemanha é mais um país que teria sido investigado pelos EUA, após Brasil, França e México. Informações da Folha.

Histórico de Conteúdo