Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Isidório aguarda Wagner ou 'sinal divino' para trocar PSB por PSC: 'Não quero eleger ativista gay'
Foto: Tiago Melo/ Bahia Notícias
Após ter o pedido de criação de um núcleo hétero – devido ao ingresso do presidente do Grupo Gay da Bahia, Marcelo Cerqueiranegado pela presidente do PSB baiano, a senadora Lídice da Mata, o deputado estadual Pastor Sargento Isidório decidiu pegar o botijão de gás e a bíblia e migrar para o PSC. Ele já assinou o pedido de desfiliação da sigla e espera, neste sábado (5) – último dia para troca partidária de políticos que disputarão a eleição de 2014 –, sacramentar a ida para a legenda social-cristã. No entanto, o parlamentar ponderou que ainda aguarda um posicionamento do governador Jaques Wagner (PT) ou um "sinal divino" para bater o martelo. Ele teme que, apesar da discordância ideológica, a sua mudança signifique um processo de perda de mandato por infidelidade partidária. "Estou em processo de saída. Minha vontade primeira era ficar, mas, apesar de eu gostar muito dela [Lídice] e respeitar, ela fortaleceu o homossexual. Eu não quero ajudar a eleger um ativista gay", considerou o parlamentar, em conversa com o Bahia Notícias. No entendimento de Isidório, ele sofreu um processo de "constrangimento da fé" depois de a senadora ser "pressionada" pelo GGB a ampliar o espaço ao ativismo gay. "Não posso estar em uma legenda em que não posso ir de encontro ao homossexualismo. Quero ter liberdade para defender o que eu acredito. Não que eu seja discípulo do pastor Marco Feliciano, mas tinha ativista gay que não queria que ele descesse no aeroporto. Que democracia é essa? Temos que respeitar a área de culto. Se tem tendência de gay, tem que ter tendência de preservação da espécie", pontuou. Alvo de um processo disciplinar interno por ter feito declarações consideradas homofóbicas em entrevista ao BN (ver aqui, aqui e aqui), a senadora chegou a pedir que ele "moderasse" a sua fala para evitar novas polêmicas. "Não tenho como recuar. Homem é homem e mulher é mulher. Não tem conversa. Quero ver homem menstruar. Tem preservação de macaco, tartaruga, baleia, por que não criar a defesa da preservação da espécie? Não vou deixar homem montar em homem e mulher roçar em mulher sem defender a minha tese. Se tiver de perder o mandato, perco o mandato, mas não perco minha dignidade", protestou. Pelo PSC ou PSB, caso não tenha a garantia de que o mandato não será contestado na Justiça Eleitoral, o deputado pretende concorrer a uma vaga na Câmara Federal em 2014.

Histórico de Conteúdo