Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marcell diz que processará associação protetora dos animais e sugere ‘cunho político’ de críticas
Foto: Tiago Melo / Bahia Notícias
Irritado com as críticas ferozes que recebeu nesta quinta-feira (19) da seção baiana da Associação Brasileira Protetora dos Animais (ABPA/BA), o vereador ecológico de Salvador, Marcell Moraes (PV), classificou como “oportunista” a posição da entidade ao criticar seu projeto de indicação, que prevê a criação de abrigos municipais para cães e gatos abandonados. Segundo ele, o texto, veiculado através do Facebook, é de autoria de Patrusca Barreiro, ex-assessora de sua colega de Câmara e legenda, Ana Rita Tavares, com quem mantém relações estremecidas. “Ficou claro que o objetivo foi me ridicularizar com cunho político. Foi uma atitude sensacionalista e reincidente causada pela inveja, por eu ter 300 projetos apresentados e 30 aprovados”, gabou-se. Possível candidata a uma cadeira na Casa federal em 2014, a auxiliar se manteve ao lado da vereadora pevista de janeiro a agosto deste ano, quando foi exonerada do cargo, e, graças às declarações, deve se tornar alvo de um processo ajuizado por Marcell, que alega improbidade administrativa. “A associação ou qualquer indivíduo têm todo o direito de discordar de militâncias, mas jamais pode tomar partido contra quem quer que seja, pautado apenas na opção eleitoral. Essa conduta de interesse político fica escancarada porque a própria ABPA é responsável por um abrigo de animais”, repreendeu o edil, ao defender a efetividade da proposta que desagradou a associação. “A ABPA quer ver os animais nas ruas? Todas as ONGs da cidade estão lotadas. Há 100 mil animais abandonados em Salvador e os abrigos não têm mais espaço”, argumentou. 

Histórico de Conteúdo