Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Geral

Notícia

R$ 100 mil roubados de assessor de Eduardo Alves pagariam parte de apartamento de R$ 1 milhão

R$ 100 mil roubados de assessor de Eduardo Alves pagariam parte de apartamento de R$ 1 milhão
Deputado comprou apartamento na Avenida Beira-Mar, em Natal |Foto: Divulgação
Os R$ 100 mil em espécie roubados no último dia 13 de junho de um assessor do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), seriam utilizados para saldar parte da compra de um apartamento de R$ 1 milhão feita pelo peemedebista. Alves admitiu em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que a quantia levada em uma maleta guardada no carro dirigido por Wellington Ferreira da Costa era seu, proveniente de um empréstimo do Banco do Brasil. O parlamentar afirmou que o dinheiro seria usado para compromissos pessoais e não quis entrar em detalhes sobre a destinação. O assalto aconteceu no Setor de Clubes Sul, na capital federal. O inquérito instaurado na Polícia Civil de Brasília corre em segredo e, passado mais de um mês do roubo, o boletim de ocorrência e os depoimentos não podem ser consultados na Delegacia de Repressão de Roubos e Furtos da Polícia Civil do DF. Segundo o diário paulista, na delegacia não é normal haver sigilo em casos de roubo, a não ser que haja pedido feito por alguma autoridade. O delegado do caso, Fernando César Costa, recebeu ordens expressas para não falar sobre o caso. Ele está em férias e, nas palavras de um integrante da polícia, "colocou o caso debaixo do braço''. O dinheiro foi sacado dois dias antes no banco público, onde Alves contraiu empréstimo para amortizar a compra de um apartamento na Avenida Beira-Mar, em Natal, adquirido do também deputado João Maia (PR-RN). Maia confirmou a venda do imóvel no ano passado à reportagem e, segundo ele, o deputado lhe deu R$ 500 mil à vista e ficou de pagar outros R$ 500 mil em parcelas. Os R$ 100 mil subtraídos seriam a primeira dessas amortizações.