Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Geral

Notícia

Jovem que organizou jantar para 'mensaleiros' tenta liderar protestos em Brasília

Jovem que organizou jantar para 'mensaleiros' tenta liderar protestos em Brasília
Partidário foi hostilizado e expulso pelos manifestantes |Foto: Divulgação
Um dirigente da Juventude do PT responsável por dois atos de defesa dos condenados no caso do “mensalão” tenta assumir a liderança das manifestações que tomaram as ruas de Brasília e o Congresso Nacional. Pedro Henrichs, que integra a diretoria do movimento petista, foi um dos organizadores de um jantar em janeiro deste ano para arrecadar dinheiro para o pagamento de multas impostas a quatro petistas condenados: o ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu; o deputado federal José Genoino (PT-SP); o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares; e o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP). Além disso, Henrichs entregou uma carta a Organização dos Estados Americanos (OEA) em que contesta o resultado do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). O dirigente viajou a Washington, nos Estados Unidos, para apresentar o recurso, também em janeiro deste ano. Segundo reportagem do jornal O Globo, apesar da tentativa, Henrichs foi hostilizado pelos manifestantes que ocuparam o Congresso na noite desta segunda-feira (17). Com a camiseta do PT, Henrichs assumiu a liderança das negociações com a direção e a Polícia Legislativa da Câmara e do Senado. Chegou a apresentar uma pauta de reinvidicações dentro do Congresso. Quando se dirigiu para a frente das duas Casas, onde estavam os ativistas que forçavam uma entrada na Chapelaria (por onde entram deputados e senadores), Henrichs recebeu fortes vaias e foi desautorizado a continuar as negociações por centenas de participantes. “Tira essa camisa, você não nos representa!” gritaram os ativistas. Um pouco antes, ainda na passeata até a chegada ao Congresso, os manifestantes já haviam expulso militantes do PSTU.