Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Benito Gama assume cargo no Banco do Brasil, diz que PTB quer ministério e vai apoiar Wagner
Foto: Reprodução
O ex-secretário estadual Benito Gama (PTB) vai assumir em breve a vice-presidência de governo do Banco do Brasil, posição que estava vaga desde que o também baiano César Borges (PR) deixou o cargo para assumir o Ministério dos Transportes, em abril deste ano. “Ela me convidou ontem”, disse Benito Gama, em entrevista ao Bahia Notícias, ao se referir à presidente Dilma Rousseff. A escolha da chefe do Executivo foi comunicada ao governador Jaques Wagner (PT). O futuro vice-presidente do BB se reúne na tarde desta quinta-feira (6), em São Paulo, com o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine. Ele relatou ao BN que foi recebido na manhã desta quinta pelo ministro Guido Mantega (Planejamento) para tratar de questões relativas a seu trabalho na instituição financeira. “O PTB vai apoiar o candidato de Wagner: isso já está fechado”, garante Benito, presidente nacional em exercício do partido. “A partir de agora estamos articulando uma possibilidade de ministério”, declarou, ao explicitar parte das pretensões da legenda para o porvir. Benito Gama admitiu que o PTB não estava satisfeito com a falta de espaço no governo e revelou a intenção da legenda de ampliar sua representação no Congresso, que conta hoje com seis senadores e 22 deputados federais. O ex-secretário de Indústria, Comércio e Mineração no governo de Paulo Souto (DEM) afirmou ainda que a relação entre o governo e o presidente licenciado do PTB, o ex-deputado federal Roberto Jefferson, é a melhor possível. “Ele [Jefferson] não tem nenhum problema com a presidente Dilma. Eles são amigos. O problema dele é com José Dirceu”, disse Benito, ao descartar que o fato de Jefferson ter sido o delator do esquema de corrupção chamado mensalão tenha deixado ranhuras no relacionamento com o governo petista. 

Histórico de Conteúdo