Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Entretenimento

Notícia

Geraldo Azevedo defende São Francisco e Comissão da Verdade: 'Os militares são covardes'

Geraldo Azevedo defende São Francisco e Comissão da Verdade: 'Os militares são covardes'
Nascido nas margens pernambucanas do Rio São Francisco, o cantor Geraldo Azevedo traz a Salvador, em comemoração ao dia dos namorados, um show ainda mais intimista. As apresentações acontecem nos dias 12 e 13 de junho, às 21h, no Teatro Sesc Casa do Comércio, e abarcarão alguns dos seus muitos sucessos, a exemplo de "Dia Branco" e "Taxi Lunar". Aos 40 anos de carreira, o músico já realizou parcerias inesquecíveis, como a dupla com Alceu Valença e “O Grande Encontro”, com Alceu, Zé Ramalho e Elba Ramalho, e apresenta uma grande versatilidade de repertório, que vai de Luiz Gonzaga a Bob Dylan. Autodidata, o pernambucano revelou ao Bahia Notícias as novidades que o público pode esperar dos shows, a sua relação afetiva com o álbum “Salve São Francisco” e os novos discos que prepara. Torturado na ditadura militar, ele também criticou a declaração do cantor Amado Batista ao programa de Marília Gabriela, de que o período na prisão teria sido como "castigo de criança dado pela mãe". "Ele deve tido um pai e mãe muito ruins, porque meus pais nunca fizeram o que os militares fizeram comigo na ditadura. Os militares são covardes", afirmou. Confira a entrevista na íntegra na Coluna Cultura