Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Política

Notícia

Revista de turismo critica degradação de Salvador e ironiza metrô: 'não tem hora para acabar'

Por Bárbara Souza

Revista de turismo critica degradação de Salvador e ironiza metrô: 'não tem hora para acabar'
Foto: Reprodução
“O trânsito parado, o metrô que não estreia, a orla degradada. Salvador já viveu dias melhores”. A descrição é feita na abertura da matéria intitulada “Sorria, você está na Bahia”, publicada pela revista Viagem e Turismo (edição nº 211), da editora Abril. No entanto, o texto assinado por Mônica Pileggi faz logo a ressalva redentora para a capital baiana. “Mas coisa boa vem aí. E, mesmo se não viesse, poucas cidades conseguem ser tão especiais [quanto Salvador]”. A reportagem descreve o crescimento rápido da cidade – “raras capitais brasileiras mudaram de rosto tão velozmente como Salvador” ,  e menciona como faces visíveis da transformação fatores como o “boom imobiliário”, o aumento populacional e o incremento da frota particular de 77% em dez anos, segundo a publicação mensal. O sistema metroviário é tratado com ironia em diferentes trechos da matéria. Em um deles, a repórter afirma que o Centro de Salvador é “atravessado por obras de um metrô de superfície que cresce com irritante lentidão” e se refere de forma jocosa à ”novela das obras do metrô, que começaram há 13 anos e, como o Carnaval, não têm hora para acabar”. A reportagem cita a falta de balneabilidade das praias soteropolitanas, a insegurança no Pelourinho, opina que a acessibilidade “é uma piada” e aponta que o índice de homicídios por arma de fogo é um dos maiores do Brasil. Por outro lado, ressalta que “o turismo de Salvador é negócio sério – 80% da atividade econômica vem da área de serviços” e que “o governo tenta não correr o risco de ver incidentes que levem a uma fuga dos visitantes”. A matéria alterna fatos que desabonam Salvador como destino turístico com referências positivas. “Salvador vive um momento de transição, e o futuro à frente é uma incógnita”, conclui a reportagem.