Bolivianos que confeccionavam roupas das marcas Emme e Luigi Bertolli em regime de trabalho escravo em São Paulo foram indenizados e receberam carteiras de trabalho. Cada um saiu do prédio do Ministério do Trabalho na capital paulista com R$ 25 mil, em média, segundo a Folha. Aliciado em La Paz, o grupo de 28 trabalhadores ilegais ficava em uma oficina de costura de fundo de quintal, no bairro do Belenzinho, zona leste da cidade. A situação foi flagrada na última terça-feira (19) pelo Ministério do Trabalho, Ministério Público do Trabalho e Receita Federal.

Histórico de Conteúdo