Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

A presidente Dilma Rosseff (PT) sinalizou na manhã desta quarta-feira (5) que está disposta a bancar a redução de 20,2% da tarifa de energia. A líder nacional atacou ainda o que chamou de "falta de sensibilidade" dos governos tucanos. "Reduzir o preço da energia é uma decisão da qual o governo federal não recuará apesar de lamentar a imensa falta de sensibilidade daqueles que não percebem a importância disso", disse durante discurso no Encontro Nacional de Indústrias, em Brasília. "Somos a favor da redução de custos e faremos isso". Tanto a Cemig quanto a Cesp, companhias energética de Minas Gerais e São Paulo, respectivamente, se recusaram a renovar a concessão de todas as suas geradoras. Ambos os estados são governados pelo PSDB. Sem a adesão das elétricas para atingir a meta estipulada por Dilma, a queda da conta de luz nas residências será de aproximadamente 10%. O ataque aos tucanos foi velado. Sem citar nomes, a mandatária brasileira disse que vai fazer "aquilo que os outros não tiveram sensibilidade de fazer". Ela, contudo, não explicou como vai custear sozinha a redução das tarifas de energia. Na segunda (3), a Cesp também havia deixado três usinas de fora. Juntas, elas representam mais de um quarto da energia que poderia ser barateada, o que torna impossível ao governo chegar aos 20,2% de redução na média previstos, a não ser com novas medidas. Pelos cálculos do próprio governo, a queda agora será de 16,7%. No caso das residências, porém, o alívio será ainda menor, por causa da necessidade de ligar usinas térmicas, cujo custo é até cinco vezes maior que o das hidrelétricas.


Histórico de Conteúdo