Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Domingo, 04 de Novembro de 2012 - 10:20

Coluna A Tarde: O perigo da delação

por Samuel Celestino

Coluna A Tarde: O perigo da delação
Muito antes de o Supremo Tribunal Federal iniciar o julgamento dos mensaleiros, corria nos bastidores políticos a possibilidade de um dos principais participantes do crime, Marcos Valério, entregasse à Justiça informações preciosas. A possível delação premiada rondava a mídia, mas em momento algum se comprovou que houvesse alguma verdade. Somente com o julgamento já no seu final surgiu, aqui e ali, a hipótese factível diante de uma pesada pena reservada a Valério (acima de 40 anos de prisão). Presume-se que pena semelhante alcançará José Dirceu, sobre quem pairava dúvida de condenação diante dos arroubos do PT, sempre negando (ainda continua) a existência do mensalão. Agora, o jornal “Estado de S. Paulo” divulga que, no final de setembro, Valério fez uma proposta ao procurador geral da Justiça, Roberto Gurgel, com o conhecimento também do Supremo Tribunal Federal. Marcos Valério quer fazer uma troca: derrubar a sua pena e oferecer, em contrapartida, informações valiosas, demonstrando que o mensalão foi mais profundo do que se imagina. Alcançaria o ex-presidente Lula e o ex-ministro Antônio Palocci, que caiu duas vezes do ministério (com Lula e Dilma) em consequência de procedimentos irregulares, ou malfeitos, como a presidente prefere chamar. A proposta chegou tarde. Clique aqui e leia a coluna na íntegra.

Histórico de Conteúdo