Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 12 de Junho de 2012 - 10:07

Professores comemoram decisão do STF e cobram pagamento de salários

por Patrícia Conceição / Rodrigo Aguiar

Professores comemoram decisão do STF e cobram pagamento de salários
Foto: Tiago Melo / Bahia Notícias
Reunidos em mais uma assembleia nesta terça-feira (12), os professores estaduais grevistas avaliam os rumos do movimento e decidem se continuam com a paralisação, iniciada há dois meses. Logo no início da reunião, o presidente da APLB, sindicato que comanda a categoria, já falou em dar seguimento à paralisação. “Se o governo não der o que nós estamos pedindo, a greve vai continuar”, avisou Rui Oliveira para um número de docentes menor do que o observado em encontros anteriores. Já Marilene Betros, diretora da entidade sindical, comemorou o fato de o Supremo Tribunal Federal (STF) não ter aceitado o pedido feito pelo Estado para que uma liminar deferida pela desembargadora Lícia Laranjeira, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), fosse suspensa. No dia 29 de maio, ela determinou o pagamento dos salários cortados dos professores e a liberação do atendimento ao Planserv, o que levou o governo a recorrer. Em sua decisão, o ministro Ayres Britto explicou que o pedido de suspensão não merecia seguimento porque a deliberação da desembargadora não era de única ou última instância. “E o fato é que, no caso dos autos, está-se diante de liminar deferida monocraticamente por desembargadora de tribunal estadual. Liminar contra a qual ou não foi interposto agravo regimental ou tal recurso pende de julgamento no âmbito do próprio tribunal local”, escreveu o presidente do STF. “A decisão da desembargadora foi mantida e o governo tem que pagar nossos salários imediatamente”, cobrou a diretora da APLB. Marilene pediu ainda que os professores encaminhassem seus contracheques ao sindicato para comprovar que não têm recebido seus vencimentos.

Histórico de Conteúdo