Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

TCU aponta indícios de fraude em fornecimento de insumo para produzir cloroquina
Foto: Marcelo Casal / Agencia Brasil

Um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) aponta “indícios robustos” de fraudes em licitações pela empresa que forneceu insumo de cloroquina para o Exército. Segundo a Folha, no documento obtido pelo jornal, a suposta fraude teria ocorrido em 26 licitações feitas entre 2018 e 2021, o que incluiria o período da pandemia, como consta do relatório técnico do dia 3 de fevereiro deste ano.

 

Das 26 licitações, 24 ocorreram de 2019 em diante, já na presidência de Jair Bolsonaro. Conforme o jornal, em um dos pregões houve a compra de insumos para produzir cloroquina pelo Laboratório Químico Farmacêutico do Exército. O aumento significativo se deu a partir de um desejo expresso de Bolsonaro, que insistia no medicamento sem comprovação científica para combate à Covid-19.

 

Os indícios de fraude foram identificados por auditores durante um processo aberto no TCU. O procedimento visava apurar um superfaturamento na produção de cloroquina pelo laboratório do Exército e a responsabilidade direta de Bolsonaro na produção.

 

Ainda segundo o relatório, a empresa Sulminas Suplementos e Nutrição, contratada pelo Exército para o fornecimento de sal difosfato, participou de licitações voltadas exclusivamente a empresas de pequeno porte. No entanto, indícios apontam que o grupo do interior de Minas Gerais não se enquadraria nessa condição.

 

Em resposta, o grupo Sulminas afirmou que as licitações em que participou foram de amplo conhecimento e participação pública. Os valores praticados também seriam compatíveis aos de mercado. 

Histórico de Conteúdo