Em entrevista para o BN Mulher: 'Se fosse dirigente esportivo apostaria mais nas meninas'

 

Um dos atletas brasileiros que mais acumula vitórias, Robert Scheidt já ganhou cinco medalhas olímpicas na vela sendo duas de ouro.

 

Confira os títulos de Scheidt:


Cinco medalhas:
Ouro : Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na Classe Laser)
Prata : Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze : Londres/2012 (Star) 

181 títulos - 89 internacionais e 92 nacionais.

A editora do Bahia Noticias Mulher, Iga Bastianelli, acompanhou a 48o Campeonato Brasileiro de Optmist em Porto Alegre no Clube Veleiros do Sul e conseguiu entrevistar Robert Scheidt. Confira:

Eventos como este são importantes pois fortalecem a vela, certo? E para quem não conhece ainda muito sobre este esporte poderíamos comparar o Campeonato Brasileiro de Optmist com as divisões de base do futebol, aqui está o futuro da vela?

 

Sem dúvida a classe Optmist é a classe formadora, a classe mais numerosa do Brasil nos campeonatos regionais, estaduais e brasileiro, temos cerca de 170 jovens velejadores aqui de diversos estados. É a geração que vai estar disputando os jogos olímpicos e diversas competições importantes mundiais daqui a 6 e 10 anos. Então incentivar esta modalidade, esta classe é essencial para atrair cada vez mais gente. Estimular o esporte não só para competição e sim contribuir com a formação do caráter desta juventude, é um esporte extremamente educador pois interagimos o tempo todo com a natureza, é um esporte onde usamos a força do vento e a natureza.

 

 

O que precisa ser feito para incentivar mais ainda a Vela no país?

Eu acho que uma das coisas importantes a se falar não é só do esporte olímpico, mas a vela como meio de inserção social. Dar a chance da criança praticar uma atividade física é fortalecer o esporte na escola, acho que a é na escola onde pode ser plantada a semente ... não são todas as crianças que tem a chance de frequentar os clubes, que hoje em dia são os maiores formadores do esporte nacional, o esporte na escola tem que ter mais estrutura, mais profissionais, é preciso incentivar a pratica esportiva nas escolas.

 

Como tornar o esporte Vela mais acessível? É um esporte caro?

Acho que é caro em termos de competição, quando a criança começa a participar de campeonatos fora do Brasil ... mas para aprender não é tão caro ... existem escolas de vela no Brasil inteiro. Eu falo de São Paulo, por que sou de São Paulo, a gente tem na represa Guarapiranga diversas escolas de vela, onde você pode, sem ser sócio fazer um curso e aprender a velejar com 12 horas de treinamento. A partir deste momento você já pode comprar um barco usado e praticar este esporte, caro é o alto nível técnico, a formação de base não.

 

Como avalia o esporte Vela hoje no Brasil?

A Vela hoje depende muito do esforço que tem sido feito nos clubes e da CB Velas, e o apoio do Comitê Olímpico Brasileiro. Eu mesmo tenho muita gratidão de empresas que apostaram em mim, me deram a chance de ter o esporte da Vela como atividade fim na minha vida. No meu caso hoje tenho o apoio do Banco do Brasil e da Rolex.

Acho que para a Vela como um todo, atitudes como a entrada da CBC é muito saudável e ajuda na compra de equipamentos, contratação de profissionais, investe no nível técnico, é um fortalecimento para os clubes e para as escolas de Vela. Importante cada vez mais as crianças terem a chance de velejar. É o que acontece muito em Ilhabela.  Hoje em dia a gente tem a Escola de Vela de Ilhabela, numa escola municipal, que deu a chance para crianças do ensino público ... temos aqui nesta competição 10 crianças da EVI – Escol ade Vela de Ilhabela, com total apoio do município participando deste campeonato Brasileiro.

 

Em campeonatos como este podemos ver a participação ativa dos pais ... como atleta, que conselhos você poderia dar aos pais?

Até uma certa idade a presença dos pais faz a criança se sentir segura, ela está num local diferente, temperatura diferente, ajudar ela a se sentir segura e tranquila. Ponto muito importante. Meu filho Érick está competindo e no meu caso eu procuro não interferir na parte técnica ... é difícil, pois existe um envolvimento emocional forte, mas deixo na mão do técnico e confio nele, acho que no final o atleta aprende muito é através dos seus próprios erros.

 

Como de fato os pais podem contribuir? 

Dedicação, disciplina, acima de tudo gostar, ter prazer ... me deixa feliz ver meu filho ir para água com um sorriso no rosto, não é uma atividade pesada para ele, tendo esta visão, a criança vai evoluir e naturalmente os resultados vão aparecer.

Acho que o excesso de informação vindo dos pais atrapalha. A criança tem capacidade de acompanhar alguns pontos, não consegue assimilar muita informação. Com meu filho  tento não encher ele de informações, porque na verdade mais atrapalha do que ajuda, estou tranquilo que ele está em ótimas mãos. O técnico dele aqui é o Alexandre Paradeda, um companheiro meu da época que velejei de Optimist, ele é qualificado e sei que está em ótimas mãos.

 

O que diferencia um campeão olímpico? Como se tornar um campeão olímpico?

O ponto inicial é a criança ter este sonho, eu despertei este sonho dentro de mim quando comecei a velejar melhor com 13 ou 14 anos, quando comecei a assistir aos jogos olímpicos pela televisão daí eu vi o Joaquim Cruz, o Torben Grael ganhar uma medalha olímpica! O sonho não era do meu pai, da minha mãe, nem do meu irmão, era meu o sonho ...um desejo forte dentro de mim e comecei a persegui-lo, ter um propósito, disciplina dedicação ... sem um objetivo claro fica difícil alcançar, uma pitadinha de sorte também é muito importante para alavancar resultados. Ter prazer e a vontade de ser melhor a cada dia ... não se contentar, sempre buscar evoluir ... ser humilde não se achar melhor, mas ao mesmo tempo não se achar pior, acreditar, ter auto confiança, um aspecto muito importante para um atleta. Ele precisa saber que é capaz de superar qualquer barreira ... é um processo longo e árduo, mas se não fosse tão longo e árduo não seria tão gratificante!

 

Fale um pouco sobre a equipe brasileira de Vela que irá para olimpíadas este ano:

Acho que é uma equipe forte, as preferidas são Martina e Kaiena como grande favoritas. A Fernanda Oliveira e a Ana no 470 também. O Samuel e Gabriela aqui no Nakra, Jorginho, Patrícia e eu no Laser, uma equipe forte, uma mistura de gerações com jovens que estão participando da segunda olimpíada. Mas nas olimpíadas nunca temos certeza de coisa nenhuma, é a execução daquela semana que vai valer !

 

As meninas vem supreendendo? As vagas para meninas ainda são poucas comparadas com as dos meninos?

De uns anos para cá, cerca de 10 a 15 anos atrás, era 70 % das vagas para os homens e 30 % para as mulheres. Hoje em dia o Comitê Olímpico Internacional está buscando a paridade de 50%. E vamos ter esta paridade de novo nos jogos de Tóquio.

Existe muito mais possibilidade hoje das meninas participarem e fazerem parte da equipe olímpica. A gente tem classes mistas, como é o caso do Nakra o 470 que vai virar misto em 2024.

Então se eu fosse um dirigente esportivo apostaria muito nas meninas, nicho importante para conseguir formar uma geração de medalhistas no futuro!

Leia mais

Domingo, 01 de Dezembro de 2019 - 10:05

O mês é de alerta: Dezembro Laranja!

por por Iga Bastianelli / @bahianoticiasmulher

O mês é de alerta: Dezembro Laranja!
A editora do Bahia Notícias Mulher Iga Bastianelli entrevistou a dermatologista Angélica Pessanha sobre os efeitos cumulativos do sol e como prevenir o câncer de pele. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), 30% de todos os tumores malignos do Brasil correspondem ao câncer de pele, o tipo da doença mais incidente no Brasil com 176 mil novos casos por ano.

Leia mais

Domingo, 26 de Maio de 2019 - 08:40

Vera Pontes no Comando da Moda na Bahia há 28 anos

por Iga Bastianelli

Vera Pontes no Comando da Moda na Bahia há 28 anos
Ela já foi estilista, dona de confecção criava coleções para mulheres e crianças e até os 53 anos praticou ballet, era “bailarina profissional”. Foi uma das primeiras mulheres e continua até hoje a comandar a Moda na Bahia. Aos 68 anos, cheia de energia, Vera Pontes ( ‘não minto a idade’  falou sorrindo) está há 28 anos à frente de dois eventos que acontecem todos os anos em Salvador: a Expo de Moda com foco no outono e inverno e Made in Bahia com produtos para o alto verão. Vera chegou para o nosso bate papo dizendo estar “sentida por ter deixado a equipe” (apenas por alguns minutos),  mas disposta a falar sobre o que ama fazer.

Leia mais

Domingo, 12 de Agosto de 2018 - 10:05

Há 30 anos, Andrea Velame empreende sonhos de decoração

por Iga Bastianelli

Há 30 anos, Andrea Velame empreende sonhos de decoração
Cheia de garra, empreendedora sempre disposta a superar desafios, para Andrea Velame o maior deles foi criar a própria marca. “Quando as pessoas me perguntam de onde vem o nome Andrea Velame, eu dou muita risada ... porque sou filha de caminhoneiro, não vim de nenhuma família tradicional e esse nome foi construído com muito trabalho e dedicação”.

Leia mais

Domingo, 20 de Maio de 2018 - 08:05

Miss Bahia concorre com outras 26 candidatas ao título de Miss Brasil

por Iga Bastianelli

Miss Bahia concorre com outras 26 candidatas ao título de Miss Brasil
A Miss Bahia 2018 já foi consultora de vendas e é moradora do bairro Santa Cruz, em Salvador. Maria Isabel de Jesus Santos, tem19 anos, começou seu trabalho como modelo em 2014 e participou do Afro Fashion Day por dois anos consecutivos. Em 2018 se tornou Miss Salvador e a última conquista foi, em abril, quando recebeu a coroa de Miss Bahia.

Leia mais

Domingo, 11 de Março de 2018 - 08:05

"De Olho na Band", olho no olho com Zuleica Andrade

por Iga Bastianelli

Zuleica Andrade, diretora de Jornalismo da TV BandBahia e da Rádio Bandnews FM, é jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia e museóloga também pela UFBA. Começou na função de produtora, foi redatora, editora de texto local, editora nacional, editora chefe e chefe de redação. Trabalhou na equipe do Jornal da Band com Paulo Henrique Amorim, Carlos Nascimento e Ricardo Boechat. Ganhou prêmios de jornalismo, junto com a equipe, editando séries como Infância Ferida, 450 anos de Salvador, reportagens especiais sobre a seca e a invasão da UFBA pela Polícia Militar. Zuca, como é chamada pelos mais próximos, é reconhecida no jornalismo de TV por revelar talentos da Bahia para a rede nacional, como Rosana Jatobá, Mariana Monteiro, Jéssica Senra, Ticiana Villas Boas, Natália Boere e outros. Com o apoio de Zuca conseguimos falar com algumas destas jornalistas.

Leia mais

Sábado, 28 de Outubro de 2017 - 08:05

Elíbia Portela representa a gastronomia baiana e há 35 anos à frente de um programa de Tv

por Iga Bastianelli e Ana Oliveira

Elíbia Portela representa a gastronomia baiana e há 35 anos à frente de um programa de Tv
Quando o assunto é gastronomia Elíbia Portela é uma das grandes representantes da Bahia. Há mais de 30 anos à frente do programa Prato da Casa veiculado na Tv Bandeirantes, muito mais que uma chef de cozinha e apresentadora, Elíbia também é professora e já escreveu dezoito livros. Entre as diversas receitas que inventou destaque para o salgadinho Boliviano que marca presença em quase todas as festas e o Pãozinho Delícia da Bahia receita que se popularizou e foi criada como uma solução para o antigo pãozinho de aniversário que apenas poucas pessoas conseguiam fazer.

Leia mais

Sábado, 30 de Setembro de 2017 - 08:05

Goya Lopes referência criativa da moda afro-brasileira

por Iga Bastianelli

Goya Lopes referência criativa da moda afro-brasileira
Goya Lopes é uma das pioneiras a trabalhar de maneira criativa com a moda afro-brasileira e com isso se tornou uma referência. Formada em artes plásticas pela UFBA, com especialização em design pela Universitá Internazionale Dell Arte di Firenze, formada em Design de Moda pelo Instituto Brasileiro de Moda, o IBMODA de São Paulo, e com especialização em gestão, mais do que designer de moda ela diz ser uma contadora de história por meio da estamparia.

Leia mais

Sábado, 16 de Setembro de 2017 - 08:05

Vai começar a Casacor Bahia! Confira aqui no BN Mulher a entrevista com Luizinha Brandão

por Iga Bastianelli

Vai começar a Casacor Bahia! Confira aqui no BN Mulher a entrevista com Luizinha Brandão
A partir de quarta feira (20) até o dia 29 de outubro a Bahia irá respirar decoração, design e arquitetura! Vai começar a 22a Edição da Casacor Bahia seguindo a tendência nacional da Casacor São Paulo cujo tema foi “Foco no Essencial”. O BN Mulher entrevistou a franqueada Luizinha Brandão que contou detalhes da Casacor e relembrou o início deste evento que tanto contribuiu para a profissionalização do setor. Há 23 anos Luizinha Brandão está à frente da Casacor e relembra que naquela época as pessoas compravam os móveis em São Paulo. A história do evento na Bahia começou quando a empresária resolveu se realizar profissionalmente na área em que se formou, daí foi até São Paulo participar de uma feira de franquias, na verdade não gostou das opções apresentadas pela feira, mas ficou sabendo que a Casacor, que ela tanto admirava e costumava visitar, disponibilizava franquias.

Leia mais

 Dra Annete Oliveira, a anfitriã do Congresso da Sociedade Brasileira de Dermatologia
Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia-Regional Bahia, Dra Annete tem uma história de superação e recomeço. Em 1978 ela se formou em pediatria , mas 21 anos depois, quando já estava estabelecida na profissão, resolveu recomeçar, voltou a estudar e aplicou para outra residência médica, a dermatologia, que era seu grande sonho. Prova de persistência e força de vontade. Dra Annete será a anfitriã na próxima semana do Congresso da Sociedade Brasileira de Dermatologia que será sediado aqui na Bahia, em Sauípe.

Leia mais

Histórico de Conteúdo