Domingo, 01 de Dezembro de 2019 - 10:05

O mês é de alerta: Dezembro Laranja!

por por Iga Bastianelli / @bahianoticiasmulher

O mês é de alerta: Dezembro Laranja!

 

A dermatologista Angélica Pessanha é daquelas médicas reconhecidas por ter um olhar humanizado que não cuida do paciente por partes, e sim como um todo, entende que alguns quadros clínicos podem ser desencadeados por ansiedade, depressão e outros aspectos psicológicos e alguns desses problemas se refletem na pele. Há 14 anos exercendo a profissão, não lhe falta experiência e muito menos sensibilidade e um olhar humano.

 

Agora em dezembro, marcado como o “Mês Laranja”, quando o câncer de pele torna-se um dos principais assuntos em pauta na área de Bem Estar e Saúde, o BN Mulher convida Dra Angélica para orientar e alertar sobre esta doença. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), 30% de todos os tumores malignos do Brasil correspondem ao câncer de pele, o tipo da doença mais incidente no Brasil com 176 mil novos casos por ano.

 

Com uma rotina puxada, atendendo em dois consultórios, seu maior desafio sempre foi conciliar a família, a profissão e ser mulher. Dra Angélica revela que nunca gostou de delegar a função de mãe, acredita na presença de qualidade com os filhos e também na quantidade de contato com eles. Gosta mesmo de estar presente, de ouvir e conversar. Dra Angélica integra a equipe da Clínica Osmilton Brandão e também trabalha na Clínica Newton Guimarães.

BN Mulher: Por que no mês de dezembro foi instituído o “mês laranja” de alerta a prevenção do câncer de pele?

Em 2014 a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) deu início ao movimento de combate ao câncer da pele batizado como "Dezembro Laranja".  O propósito é chamar a atenção da população na prevenção e no diagnóstico deste tipo de câncer. Como dermatologista estimulo a campanha e encorajo você leitor a compartilhar nas redes sociais uma foto sua vestindo uma roupa laranja, e não esqueça de publicar com a hashtag #dezembrolaranja!

 

BN Mulher: Como é feito o diagnóstico do câncer de pele e quais os principais sintomas?

O diagnóstico do câncer de pele é na maioria das vezes feito por um dermatologista através de exame clínico. Quando necessário usamos o exame conhecido como dermatoscopia, que consiste em examinar a pele com o uso de um aparelho que permite visualizar as suas camadas  que não conseguimos enxergar a olho nu.

Vale lembrar que as áreas do corpo com maior incidência do câncer são as mais expostas ao sol, tais como o rosto, orelhas e pescoço, e os principais sintomas do câncer de pele são:

  • Manchas pruriginosas (que coçam), descamativas ou que sangram;
  • Sinais ou pintas que mudam de tamanho, forma ou côr;
  • Feridas que não cicatrizam em 4 semanas.

 

BN Mulher: Muitas pessoas ainda não se protegem adequadamente e até desconhecem que o efeito do sol é cumulativo, poderia explicar?

Hoje em dia as pessoas estão mais bem informadas, mas mesmo assim aqui no Brasil a exposição ao sol ainda é muito prolongada e em horários perigosos, principalmente na região Nordeste a mais quente do país.

 

Deve haver, também, uma preocupação maior com as crianças, pois o câncer de pele geralmente só aparecedepois de 20 anos da exposição excessiva.  A radiação ultravioleta, oriunda da exposição ao sol, tem sim efeito cumulativo. Os raios UV danificam o DNA das células e podem surgir lesões na pele. Vale alertar que uma lesão que sangra, cresce e que apresenta mais de uma coloração pode ser ou se tornar um câncer de pele.

 

BN Mulher: Quais são os tipos de câncer de pele?

O câncer de pele pode ser não melanoma e melanoma. O não melanoma é o tumor mais frequente no Brasil e o menos agressivo, com alto índice de cura. Os carcinomas (câncer de pele não melanoma) se manifestam como nódulos ou feridas que não cicatrizam.

Já o melanoma é mais agressivo e tem possibilidade de metástase. Sinais ou pintas diferentes das demais, com bordas irregulares, que mudam de tamanho e aspecto em semanas podem indicar a presença da doença.

A regra ABCD auxilia na identificação de lesões. Se a lesão for Assimétrica, com Bordas irregulares, a Cor tiver dois tons ou mais e a Dimensão for de mais de 6 milímetros, pode ser sinal de câncer de pele. Sempre oriento meus pacientes a ficarem atentos a estes sinais.

 

BN Mulher: Quais as orientações para a prevenção do câncer de pele?

A exposição solar deve ser consciente evitando-se os horários de maior índice de radiação ultravioleta. Nunca é demais lembrar que deve-se evitar a exposição solar no período das 10h às 16h, a utilização correta do protetor solar, chapéus e camisetas que protejam dos raios ultravioleta. Depois destes primeiros cuidados, ainda reforço:

  • Reaplique o protetor a cada 2-3h,  até mesmo para aqueles que são “à prova d’água”;  
  • Aplique o protetor solar cerca de 30 minutos antes da exposição ao sol;
  • Evite as câmaras de bronzeamento artificial;
  • Uso de óculos escuros com lentes de qualidade

 

BN Mulher: Então como beleza tem a ver com se cuidar e o sol, além de poder causar o câncer de pele pode também ser um vilão do envelhecimento precoce, quais são hoje os procedimentos mais procurados em seu consultório?

Sim o sol tem um papel devastador na pele quando o assunto é envelhecimento. Então, agora falando de estética, os procedimentos mais procurados são: toxina botulínica, preenchimentos, tratamentos para flacidez, diversos tipos de lasers, tratamento de papada e tratamento de melasma.

 

BN Mulher: Existe uma preocupação geral das pessoas envelhecerem, há exageros?

Não considero exagero a atenção em se cuidar, fazer alguns procedimentos. Falamos sempre em exagero, mas não é comportamento da maioria. Obviamente existem pacientes que extrapolam e até mesmo apresentam sinais de compulsão. Vale o médico não ceder, tentar explicar o que de fato é necessário se fazer. Se percebo compulsão, eu desaconselho. Não me utilizo da fragilidade dos outros.

 

BN Mulher: Como somos uma editoria voltada para a Mulher e abordamos muito aqui o crescimento profissional, não poderíamos deixar de perguntar: quais orientações a Drª poderia dar para jovens médicas que vão escolher a dermatologia como profissão?

Um ponto muito frágil da minha geração é que não tivemos quase nenhuma noção sobre empreendedorismo e gestão do tempo. Hoje eu busco estas especializações por meio de cursos, mas para quem está começando esta é uma boa dica: faça matérias opcionais em Administração e Marketing e por fim não seja apenas técnica, mas deixe o dom da medicina de cuidar do outro fluir, e num mundo cada vez mais robotizado e tecnológico se humanize!

 

Conheça um pouco mais sobre a Dra Angélica Pessanha:

Formada pela Universidade Federal da Bahia, com estágio em São Paulo, Dra Angélica é especialista em cirurgia dermatológica pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e também em tricologia.

 

Histórico de Conteúdo