Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 13 de Janeiro de 2021 - 09:05

Futuro do trabalho: 2020 foi o ano da digitalização e 2021 é o ano da humanização

por Por Natasha de Caiado Castro

Futuro do trabalho: 2020 foi o ano da digitalização e 2021 é o ano da humanização

 

Antes da pandemia, o senso comum acreditava que os escritórios eram essenciais para a produtividade e, por isso, grandes empresas investiam em locais de primeira linha nos principais centros urbanos do mundo. Muitas, inclusive, se concentravam em soluções que promoviam a integração entre as pessoas com espaços para que os funcionários pudessem relaxar durante suas pausas e com projetos de escritórios abertos. 

Quando a pandemia se instalou, muitas pessoas ficaram surpresas com a rapidez e eficácia com que foram adotadas tecnologias para videoconferência e outras formas de colaboração digital. Para muitos, os resultados foram melhores do que se imaginava, pois a produtividade ganhou bastante sem a necessidade de locomoção. 

Agora, mais de oito meses se passaram desde que a Organização Mundial da Saúde declarou a Covid-19 uma pandemia, trabalhar em casa se tornou algo corriqueiro para muitos e, cada vez mais, um número crescente de empresas vem estudando a possibilidade de manter este formato indefinidamente. Do ponto de vista do funcionário, a mudança também foi enorme: as pessoas estão fazendo novas escolhas sobre onde querem viver e criando novas expectativas sobre flexibilidade, condições de trabalho e de qualidade de vida que, muito provavelmente, não poderão mais ser desfeitas. 

Portanto, se 2020 foi o ano em que percebemos ser possível trabalhar de qualquer lugar graças à digitalização dos processos, 2021 será pautado pela forma com que as corporações acolhem seus funcionários para muito além das ferramentas que os permite serem produtivos e alcançarem bons resultados. O próximo ano será focado na humanização das relações de trabalho. 

Nestes tempos de incerteza, a forma como as empresas estão agindo terá um impacto duradouro no comportamento dos funcionários, incluindo em seu engajamento, produtividade, lealdade e ainda: sua saúde e bem-estar. 

Eis alguns pontos de partida que ajudarão a sua empresa a se comprometer com seus colaboradores de forma mais humanizada: 

Ofereça flexibilidade de horários 

Alguns de seus funcionários podem ter responsabilidades adicionais durante esse período já que escolas e creches fecharam em muitos locais, sendo assim, está mais difícil conciliar as tarefas pessoais com as profissionais. Se a função do colaborador permitir, considere oferecer horários flexíveis. Esta mudança pode ajudar a reduzir o nível de estresse de seus funcionários, permitindo que cuidem de suas necessidades, agendando horas de trabalho em horários compatíveis com suas responsabilidades pessoais. Esta atitude sinaliza que a empresa respeita suas vidas pessoais tanto quanto valoriza suas contribuições profissionais. 

Mantenha as linhas de comunicação abertas com as equipes 

É possível que muitos funcionários remotos não se sintam envolvidos com a empresa devido a uma cultura de comunicação apenas por e-mail. Essa ideologia torna a interação complicada e muito menos pessoal do que mensagens diretas e bate-papo por vídeo. Considere iniciar um grupo de bate-papo para que todos possam falar livremente a qualquer momento. Você também pode se comunicar com sua equipe por vídeo pelo menos uma vez por semana.

Ofereça feedbacks 

Pesquisadores do Instituto Gallup estudaram o comportamento humano por décadas e descobriram que valorizar os pontos fortes dos funcionários dando-lhes feedbacks positivos é uma abordagem muito mais eficaz do que se fixar nos pontos fracos. Infelizmente, a maioria dos gestores se concentra em dar feedbacks apenas dentro do contexto corretivo. Ao contrário do que a maioria acredita, o feedback positivo não significa apenas reconhecer o seu esforço para fazê-los sentir-se bem. Embora esses sejam fatores importantes, há muito mais do que isso: funcionários que recebem feedback positivo e eficaz regularmente são mais engajados, produtivos, permanecem mais tempo na empresa e apresentam maior lucratividade. 

Incentive a colaboração e um senso de comunidade 

Uma das melhores maneiras de humanizar seu local de trabalho é construindo um senso de comunidade. Se as pessoas sentem que pertencem a algo maior, é mais provável que se envolvam na colaboração da equipe e nas atividades coletivas e, às vezes, coisas simples também funcionam muito bem. Por exemplo: você pode começar criando um calendário de aniversários nos documentos da empresa e reunindo a equipe em uma rápida chamada por vídeo para cantar parabéns para o aniversariante do dia. 


Se preocupe com saúde mental dos colaboradores 

Em um mundo que se tornou virtual da noite para o dia, muitas vezes a ansiedade toma conta e, por isso, pensamentos e sentimentos negativos podem acontecer com frequência. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, globalmente, estima-se que 264 milhões de pessoas sofrem de depressão e, muitas delas, também possuem sintomas de ansiedade. Os locais de trabalho que promovem a saúde mental e apoiam as pessoas com transtornos mentais têm maior probabilidade de reduzir o absenteísmo, aumentar a produtividade e se beneficiar dos ganhos econômicos associados. 

*Natasha de Caiado Castro é CEO da Wish International, empresa especializada nos segmentos de MICE - Meetings, Incentives, Conventions and Exhibitions - e IDX - Innovation and Disruptive Experience 

Terça, 29 de Dezembro de 2020 - 11:05

9 dicas para começar 2021 com as contas no azul!

9 dicas para começar 2021 com as contas no azul!

 

O ano de 2020 não foi nada fácil para as finanças da maioria dos brasileiros. Com as contas no vermelho, é preciso planejamento para que 2021 entre no azul. De acordo com dados de um estudo realizado pela QuiteJá, plataforma de renegociação de dívidas, com a participação de 1.400 usuários da plataforma, de todos os estados brasileiros, 47,7% dos respondentes possuem dívidas entre R$ 1.000,00 e R$ 5.000,00. Dentre elas, 24,7% têm entre 25 a 54 anos e 34,8% possuem idade entre 35 a 44 anos. Outro dado levantado pela pesquisa é que 81,4% dos respondentes possuem renda mensal entre R$ 1.000 e R$ 3.000. 

 

Com a chegada do ano novo é comum a criação de metas e objetivos para colocar em prática no próximo ano, entre elas uma das mais comuns é ser mais organizado com as finanças. No início do ano, uma pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostrava que guardar dinheiro era a principal meta financeira do brasileiro para 2020 (49%), mas a pandemia tirou esse foco. 
 

Para colocar em prática a organização financeira em 2021, Larissa Brioso, educadora financeira da Mobills startup de gestão de finanças pessoais, dá as 9 dicas abaixo. 
 

1 - Limite seu orçamento 
 

Estabelecer um teto de gastos para as categorias de despesas mensais ajuda a economizar e evitar desperdícios. As áreas da saúde, moradia, transporte e alimentação são essenciais, então devem ser priorizadas. Com isso, separar uma quantia específica para usar com os gastos extras evita o consumo exagerado com itens desnecessários. 
 

2- Necessidade 
 

Fazer uma lista do que deseja comprar é um passo fundamental para a organização. Dividir os itens nas categorias: "quero" e "necessito", faz com que os produtos da segunda categoria tenham prioridade em relação aos da primeira. 
 

"Usar a técnica chamada "3 Ps e 1 Q" pode ser uma ótima opção. O consumidor tem que perguntar a si mesmo se realmente PRECISA do que ele quer adquirir, se ele pode PAGAR por aquilo, se o PREÇO está bom e se ele realmente QUER, evitando o impulso", afirma Larissa. 
 

3 - Organização 
 

Um dos maiores problemas dos gastos com compras excessivas é a perda de controle por falta de organização. Roupas, calçados, livros e tudo aquilo que leva ao desejo do consumo, sempre devem estar muito bem organizados e visivelmente dispostos, assim você não esquecerá daquilo que já tem e não precisa comprar. 
 

4 - Cuidado com o cartão de crédito 
 

Inicialmente, uma compra de valor baixo pode parecer inofensiva, mas o acúmulo de pequenos gastos pode comprometer o orçamento dos meses seguintes. Ao optar por pagamentos parcelados, inclua o valor da fatura no seu planejamento de compras. Mas, dê preferência por opções à vista, e evite ao máximo recorrer ao cheque especial. 
 

5 - Comparação de preços 
 

Atualmente, com a ajuda da internet, pesquisar sobre a variação de preços de um mesmo produto pode render uma boa economia. Os valores podem variar das lojas físicas e online, além das multimarcas. Ficar atento aos cupons de desconto pode ser interessante também, pois um grande número de sites de compras, de quase todos os segmentos, oferece vouchers de descontos. 
 

6 - Corte de gastos 
 

Em casos em que a renda mensal é menor ou próxima do total de gastos, a verificação de possíveis cortes é a melhor alternativa para evitar situações sufocantes em que a única saída seriam os empréstimos. Atividades de lazer e entretenimento de alto custo podem ser substituídas por opções mais baratas e até mesmo gratuitas. Além disso, conhecer e colocar em prática suas habilidades de forma criativa pode te ajudar a ganhar mais dinheiro. 
 

7 - Poupança 
 

Guardar mensalmente uma parcela da renda total traz grandes benefícios, principalmente a longo prazo. A construção de uma poupança gera uma segurança maior dentro do planejamento financeiro. Uma maneira para estimular essa poupança é estabelecer metas e aplicar o dinheiro em algum investimento que proporcione rendimentos. 
 

8 - Reserva para emergências 
 

Imprevistos acontecem a qualquer hora, por isso é primordial ter uma quantia guardada para situações extremas. A reserva de emergência pode variar dependendo de cada pessoa, porém, normalmente ela representa seis vezes o valor do custo médio mensal e é essencial para alcançar a tranquilidade financeira. 
 

9 - Anote tudo que entra e sai da sua conta 
 

O valor de um cafézinho pode parecer que não vai impactar as suas finanças, mas se você não tiver controle sobre os pequenos gastos que são feitos no dia a dia, pode ser que você não saiba como está gastando o seu dinheiro. Por isso, é importante encontrar uma maneira de se adaptar melhor para criar o hábito de registrar cada ganho e gasto que tem em seu cotidiano. 
 

 
   











ResponderEncaminhar

   
Domingo, 13 de Dezembro de 2020 - 09:05

Case de Sucesso: conheça a trajetória desta médica baiana

por Iga Bastianelli

Case de Sucesso: conheça a trajetória desta médica baiana



Baiana do interior do estado, Jane Greice Santana Silva nasceu e mora em Conceição de Coité. Ela é médica. Aos 17 anos foi morar na Bolívia para estudar. Com 23 anos concluiu o curso de medicina e retornou para o Brasil, aqui fez pós graduação em psiquiatria, área que escolheu motivada em ajudar o irmão que tinha sido diagnosticado com esquizofrenia. Até conseguir abrir duas clinicas os desafio foram enfrentados com persistência até o tão esperado sucesso.

“Fui muito jovem, não falava espanhol, sentia falta da família e tive que trabalhar vendendo roupas, maquiagens, perfumes para custear parte dos meus estudos”, disse Jane. Mas a dificuldade maior foi revalidar o diploma, pois segundo ela muitos olhavam fazendo julgamentos e com dúvidas da sua capacidade. Com a determinação que é característica dela Jane Greice continuou se dedicando ao que amava e tinha vocação: ajudar pessoas! Há três anos realizou o sonho de abrir uma clínica na cidade de Santa Luz e recentemente outra na cidade dela, Conceição de Coité. Realizada a médica agora se dedica “full time”  nos atendimentos.


“Meu proposito de vida hoje é tratar as pessoas no âmbito da saúde mental, precisamos priorizar nossa sanidade mental, somos seres limitados, tudo começa quando entendemos que o cérebro comanda o corpo. Precisamos de ajuda e reconhecer fragilidade, meu foco é mesmo saúde mental”, Reafirmou ela.



Pandemia x Saúde Mental

Segundo a médica estamos enfrentando  uma verdadeira “pandemia psiquiátrica, nunca foram registrados tantos casos. Fica a reflexão: será que as pessoas só adoeceram agora ou a pandemia foi um gatilho para revelar esta realidade que as pessoas encobertavam na correria do dia a dia?

A própria médica responde: “A pandemia provocou a conexão com a gente, o quanto a gente andava fugindo de nós mesmos com a correria e compromissos. Diante da pandemia fomos obrigados a estar isolados conosco e as pessoas não estão familiarizadas com isso.  A pandemia revelou uma sociedade adoecida, ansiosa, deprimida ... Veio também para evidenciar como é importante estarmos bem e que existem tratamentos, soluções e saídas”, explicou .

Segundo Jane Greice hoje a psiquiatria tem passado por mudanças e o cuidado com a saúde mental é cada vez mais valorizado. Para ela a psiquiatria está crescendo, conseguimos reduzir o preconceito, as pessoas estão aceitando e buscando de fato ajuda médica”, concluiu a médica. 

Conheça mais o trabalho dela nas redes sociais:
Instagram: @drajanegreice 
Facebook:  Dra Jane Greice 
 

 

Empreendedoras indicam obras que foram importantes em suas trajetórias 

 

Carolina Dassie - Hisnek 

Carolina Dassie é CEO e fundadora da Hisnek, startup de saúde que usa a tecnologia a favor da vida. A Hisnek desenvolveu a Ivi, uma assistente virtual que apoio às empresas no cuidado com os colaboradores. A Ivi é uma Inteligência artificial que consegue identificar qual colaborador pode potencialmente desenvolver transtornos psicológicos. Baseado em protocolos clínicos a IvI seleciona ferramentas personalizadas para o usuário melhorar sua saúde emocional. 

A empreendedora indica a leitura do livro "Aonde quer que você vá, é você que está lá" do Jon Kabat-Zinn. A obra tem como tema o mindfulness, uma técnica importante para cultivar a atenção plena na vida diária. Isso ajuda a manter a calma e a saúde mental.

 

Dani Junco - B2Mamy 
 

Dani Junco, além de fundadora e CEO da B2Mamy, primeira empresa que capacita e conecta mães ao ecossistema de inovação e tecnologia para que elas sejam líderes e livres economicamente, também dirige um sarau virtual da B2Mamy com a leitura de livros sobre negócios, comunidade e nova economias. Alguns livros que a empreendedora recomenda e que serão discutidos em futuras edições são: "Liderança Shakti: O Equilíbrio do Poder Feminino e Masculino nos Negócios" das autoras Nilima Bhat e Raj Sisodia, "O jogo infinito' Simon Sinek e "Dar e Receber" de Adam Grant. 
 

Alline Goulart, Sócia e Diretora de Operações da Semente Negócios 

Entusiasta de um mundo mais sustentável, justo e feminista, Alline Goulart é jornalista por formação e, acreditando que poderia oferecer bem mais a sociedade, caiu de cabeça no universo do empreendedorismo. Na Semente Negócios ela é Sócia e Diretora de Operações e apoia a organização no desenho e estruturação da estratégia de crescimento focada em inovação para valorizar a vida, além de coordenar projetos deempreendedorismo feminino, onde se sente totalmente realizada. 
 

A dica de leitura da empreendedora é para quem deseja se inspirar em uma mulher com uma sólida experiência e encontrar as diferenças entre ser uma liderança masculina e feminina, o livro "Faça Acontecer", de Sheryl Sandberg, COO do Facebook, fala sobre sua jornada de descoberta como diretora e empreendedora mulher. Já para quem deseja explorar as diferentes posturas profissionais, o livro "O Poder do Quietos".

 

Denise Asnis - Cofundadora da Taqe 

Com o olhar voltado para a gestão de pessoas, sustentabilidade e educação corporativa, Denise Asnis experienciou os mais diversos ambientes e constatou que seu melhor skill é fazer acontecer por meio de uma construção colaborativa. A atenção as individualidades garantiu uma trajetória de sucesso, incluindo 10 anos na direção de RH da Natura e a fundação da própria Taqe, plataforma de recrutamento com o objetivo de inserir jovens em cargos de entrada no mercado de trabalho. Denise acredita que empreender é ter propósito e, no seu caso, gerar oportunidades de desenvolvimento e emprego para todos. 
 

Dentre as leituras que marcaram a vida da empreendedora estão os livros: "Como os Inconformistas Mudam o Mundo", de Adam Grant, e que conta histórias reais de como de construir ideias originais, enfrentar o conformismo e romper com tradições; e "Liderança Shakti: O Equilíbrio do Poder Feminino e Masculino nos Negócios", de Nilima Bhat e Raj Sisodia.
 

Ana Carolina Peuker, psicóloga e fundadora da Bee Touch 


Esta CEO também indica o livro Faça Acontecer, da Sheryl Sandberg, afinal, ele é considerado fundamental para entender sobre os desafios que as mulheres enfrentam para progredir em suas carreiras, o livro Faça Acontecer, escrito por Sheryl Sandberg. 
 

As mulheres têm poder e devem ir em busca dos seus ideais, por isso, para ela, o livro foi uma inspiração para acreditar no seu potencial e ver que também era possível tornar os seus sonhos uma realidade. Inclusive, Ana acredita que a leitura é recomendada para líderes homens, afinal, embora tenha o movimento para as mulheres ocuparem lugares de destaque e posições igualitárias, ainda há um predomínio de homens em cargos de liderança. Esse livro é quase um manifesto por um mundo mais justo e igualitário. 

 

Rafaela Basetti - Wishe 
 

A Wishe é um grupo de investimento focado em startups inovadoras lideradas por mulheres que tem como objetivo eliminar o gap de gênero no ecossistema de startups, levando capital para empresas fundadas por mulheres com alto potencial de crescimento, oferecendo educação e conexão para quem investe e gerando valor econômico e impacto social. Natural de Belo Horizonte, Rafaela Bassetti é advogada especialista em direito societário e tributário e em fusões e aquisições. Ela fundou a Wishe a partir de uma dificuldade própria de empreender e ter acesso a investimentos como mulher e mãe. 
 

"A coragem de ser Imperfeito" da Brené Brown me inspira sempre e ela escreve muito bem sobre vulnerabilidade, o empreendedor precisa abraçar esse sentimento para viver com as dores envolvidas no processo. Ela também fala muito sobre liderar nesse lugar de vulnerabilidade. Gosto também de "Lean In" da Sheryl Sandberg porque ela se aprofunda muito na questão do empreendedorismo feminino e da equidade de gênero do papel da mulher no mercado de trabalho e como você pode desenhar esse papel. 

Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino: desafios continuam 


 

O dia 19 de novembro é considerado o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, data que empreendedoras brasileiras têm muito o que celebrar. Dados da pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor mostram que o país tem aproximadamente 30 milhões de mulheres empreendedoras, ou seja, esse número representa cerca de 48,7% de todo o mercado empreendedor. 
 

No entanto, a maioria das mulheres ainda enfrentam grandes desafios para ganhar credibilidade e ter uma posição de destaque em muitas empresas e até em sua vida empreendedora. Mesmo com nível de escolaridade superior aos homens em 16%, ainda ganham menos, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), comandada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
 

"Empreender e ter seu negócio próprio é o sonho de muitas mulheres. Mas começar neste caminho não é tão simples assim e se faltar preparo, a futura empreendedora pode acabar desistindo dessa jornada ou até mesmo tornar este momento um pesadelo devido os desafios que ela encontrará em sua trajetória", afirma Luzia Costa, CEO da Sóbrancelhas.

Quem vê o sucesso da Luzia a frente das suas empresas de estética, não imagina que ela também se deparou com grandes obstáculos e dúvidas de muitas pessoas sobre a sua capacidade. Sua trajetória é extensa, já teve carrinho de lanches, vendeu biscoitos, pirulitos, tomates secos, faliu, fez massagem em uma tenda na praia, entre outros negócios antes de chegar aonde está. 
 

Por isso, neste dia do empreendedorismo feminino, Luzia listou quatro dicas para ajudar mulheres empreendedoras que desejam ingressar neste mercado. Confira: 
 

1. Faça uma autoanálise. 
 

Em primeiro lugar é preciso identificar o seu talento. Investir ou querer ter um negócio porque está na moda no momento, ou porque alguma conhecida está no ramo e está se dando bem, é um grande erro de muitas empreendedoras. Não pense apenas no lucro. 
 

2. Saiba o motivo porque quer empreender. 
 

Parece uma dica simples, não é? Mas está aí o maior erro das empreendedoras e empreendedores também. Muitos só enxergam o "glamour" do empreendedorismo, o status, o reconhecimento e o "chegar lá", mas a realidade é que é preciso pensar muito mais do que só no lucro e no quanto ira? ganhar. Afinal, a dedicação tem que ser tempo integral. Tem que gostar do que faz! 
 

3. Não procure a aprovação de todos. 

Mas a verdade é uma só, quem precisa acreditar no seu projeto é você mesmo! Se você está certa que seu negócio poderá te dar bons frutos, vá para cima! 
 

4. Seja uma líder que inspira 
 

A liderança é um ponto chave para o sucesso de qualquer área do empreendedorismo e até mesmo na vida pessoal. Por isso, assuma os erros, aprenda com eles, desenvolva ideias, crie, tenha uma boa comunicação e o principal, mostre com suas atitudes o brilho nos olhos por estar à frente de um empreendimento que você tanto luta para dar certo diariamente. 

 Matrícula escolar: antecedência é uma boa opção para obter descontos

 

 Este ano não foi simples, principalmente para quem tem filhos nas escolas, foram muitas incertezas e dificuldades por causa do isolamento social que obrigou as aulas a serem online e a crise, que fez com que aumentassem as dificuldades de pagar as mensalidades. Contudo, mesmo ainda diante de um cenário obscuro, os pais terão que manter seus filhos nas escolas. A opção será por escolas públicas (que com certeza estarão mais procuradas) e escolas privadas (que lutarão para terem as menores perdas de alunos). Ponto invariável é que chegou o período de pensar nesse tema e realizar as matrículas, e para que optou pelas escolas particulares, buscar as melhores condições financeiras. 
 

Os avisos de rematrículas escolares já estão sendo enviados pelas escolas e os pais já devem pensar nesses valores que, mais que nunca, terão impactos nas finanças das famílias. O planejamento na hora de definir sobre a matrícula em uma escola deve levar em conta diversos pontos, que vão além das questões geográficas e financeiras. Também é necessária uma análise profunda da instituição que seu filho frequenta ou frequentará, avaliando se essa está realmente preparando ele para a vida adulta. 
 

Pontos a considerar 
 

Um ponto primordial é saber os diferenciais oferecidos pela escola. Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros, orienta sobre o que os pais devem fazer para negociar matrículas e mensalidades para o próximo ano. Antes de qualquer coisa, deve-se conversar com as crianças para saber como elas estão, se gostam de onde estudam e se pretendem continuar lá. 
 

Hora de negociar 
 

Um ponto fundamental nesse momento é negociar. Caso a situação não esteja favorável após esse verdadeiro Raio X das finanças, não tenha medo de conversar com o financeiro da escola e pedir descontos, pois isso faz parte do nosso cotidiano e na educação dos filhos não poderia ser diferente. Muitas pessoas evitam pedir descontos e deixam de economizar para manter um certo status ou até mesmo por timidez. 
 

Mas como fazer isso? O primeiro passo é agendar uma reunião com a diretoria da escola e expor a situação (essa pode ser online). Explique que está passando por algumas limitações financeiras e, para não pesar no orçamento, veja a possibilidade de parcelar o valor da matrícula, evitando assim contrair dívidas ou até se tornar inadimplente. 
 

Quanto mais cedo for essa conversa, mais chance de ter sucesso na negociação. Um bom argumento para conseguir descontos é verificar a possibilidade de adiantar pagamentos da mensalidade na hora da matrícula, assim a escola terá um sinal de segurança que os valores serão pagos o ano todo. 
 

Não deixe de pesquisar. Um bom negócio sempre está atrelado a uma boa pesquisa, portanto para ser ter um parâmetro de valores, busque consultar outras escolas com qualidade equivalente para poder ter mais argumentos na hora de negociar, além de também ficar por dentro das inovações e benefícios que a escola oferece para o ano letivo. 
 

Por último lembre-se: uma negociação bem-sucedida deve agradar tanto a escola quanto aos pais, por isso haja com cordialidade e não tenha pressa em bater o martelo. Caso esteja satisfeito com a escola e elogie o que ela tem de bom, demonstrando assim boa vontade para chegar em um acordo benéfico para ambos os lados. Porém fique atento: as escolas também têm suas políticas e limites de valores, o bom senso nunca é demais. 

Segunda, 09 de Novembro de 2020 - 08:05

Uma das primeiras visagistas de Salvador revela sobre as vantagens ao investir na imagem

por Iga Bastianelli

Uma das primeiras visagistas de Salvador revela sobre as vantagens ao investir na imagem

 

A imagem que você transmite nos primeiros dez segundos para uma pessoa que a vê pela primeira vez é o suficiente para que ela tire as primeiras impressões sobre você. Estudos apontam que essas conclusões iniciais são baseadas 55% na sua aparência e ações, 38% em seu tom de voz e 7% no que você diz.

 

Este é o poder que carrega uma imagem e quem explora isso é a Visagista Daniella Athayde. Uma das pioneiras em Visagismo em Salvador, a especialização se tornou o complemento para a intuição que ela já tinha. Ela é especializada em visagismo no curso de Philip Halawel e em psicologia da autoimagem pela Ecole Brasil.
 

O trabalho de consultoria de imagem consiste em fazer com que o cliente se reconheça. Vamos refletir: qual imagem deseja que os outros tenham ao seu respeito? A imagem que o outro tem sobre você é a mesma que você tem sobre si mesmo? É com base numa investigação que a consultora irá trabalhar para que a sua aparência visual transmita exatamente aquilo que você deseja. “ Portanto, roupas, cabelo, maquiagem, pele, estilo de vida, estilo pessoal; tudo é cuidadosamente analisado e adequado, de forma a extrair o melhor de cada pessoa. Dicas de comportamento e etiqueta também estão inclusos”, revelou Daniella.
 

Durante anos até se tornar visagista Daniella trabalhou como cabeleireira e sempre se preocupou em atender de forma individualizada cada cliente. Tudo começou quando percebeu que o diferencial dela era exatamente este, não repetia os corte e cores nas diversas clientes. “ Sempre explorei minha sensibilidade para atendimento feminino em respeito a imagem pessoal de cada pessoa que me procurava”, complementou. 



Vale lembrar que o visagismo já é há algum tempo realidade na região Sudeste, mas aqui na Bahia ainda não é tão conhecido e as mulheres que procuram este tipo de serviço querem investir em autoconhecimento e desejam transformar suas vidas e potencializar sua imagem por meio do estilo pessoal.

 

Segundo Daniella é possível explorar e destacar características para cada biotipo corporal e traços de personalidade. Inquieta Daniella estuda psicologia e tem sonhos: pretende ainda abrir uma clínica especializada em saúde emocional visual.
 

A consultoria de imagem, atende pessoas reais em busca de uma identidade visual expressiva. Para ela a Consultoria de Imagem é acima de tudo um processo de autoconhecimento, com o objetivo de alcançar aquela imagem que tem a ver com cada um, com suas experiências e vivências. “Já para empresas, quando nos contratam o objetivo do trabalho do consultor de imagem não é mudar ninguém, mas sim conscientizar os profissionais de que ao adotarem uma imagem e postura coerentes todos terão muito mais sucesso”, explicou.

 

Conheça 3 atitudes para ganhar destaque no mercado empresarial
 

 

Segundo pesquisa intitulada "Sem atalhos: transformando o discurso em ações efetivas para promover a liderança feminina", lançada a partir de uma parceria entre LinkedIn e Bain & Company, as mulheres representam apenas 3% dos cargos de presidência das 250 maiores empresas nacionais. Apesar disso, os dados coletados também mostram que elas ainda são mais da metade dos estudantes em universidades - porcentagem que se mantém semelhante entre a população ocupada com nível superior. 
 

Diante deste curioso, contraditório e preocupante cenário, torna-se possível afirmar que Daniela Verdugo, sócia-fundadora e Headhunter na THE Consulting, é uma das exceções à regra. A empresária, que se lançou no meio empreendedor em 2015 e chegou a usar sua própria casa como escritório, lista três dicas essenciais para quem deseja galgar espaços no mercado e nas organizações. 
 

Invista na formação acadêmica 
 

É como dizem por aí: conhecimento nunca é demais. Ainda que os números pareçam desanimadores, vale se dedicar a cursos nas áreas em que se deseja atuar. "Formação acadêmica, especializações e certificações são itens indispensáveis para quem busca pelo desenvolvimento profissional. Quem quer sair na frente, deve ter foco em aprimorar suas habilidades e superar suas fraquezas", afirma Daniela. 
 

Atualize-se, sempre 
 

Profissionais atentas às tendências do mercado são objeto de desejo para toda e qualquer empresa que possua metas audaciosas de crescimento. "É preciso acompanhar de perto as mudanças e novidades. Deve-se estar antenada em tudo o que acontece, tanto âmbito nacional, quanto internacional. Uma ferramenta interessante, atualmente, são os webinários, que encurtam distâncias transmitindo o mesmo conhecimento de encontros presenciais", declara a empresária. 
 

Apoie outras mulheres 
 

Indique, contrate e profissionalize mulheres. "Hoje em dia, inclusão e empatia são palavras-chave para empresas que querem se destacar no mercado. É importante oferecer oportunidades de desenvolvimento para boas profissionais, afinal, valorizar seu público interno é tão importante quanto pensar nas necessidades de seu público externo", ressalta ela. "O ideal é que os cargos de liderança na companhia também tenham representatividade em diversidade, uma vez que isso serve como motivação extra para o time de base querer fazer carreira no local", conclui Daniela. 
 

Quinta, 24 de Setembro de 2020 - 18:05

Liderança feminina no mercado imobiliário

Liderança feminina no mercado imobiliário

 

Filha, mãe, esposa, executiva, esse é o perfil das mulheres que se destacam em vários setores de mercado e no imobiliário não seria diferente. Em Salvador, a startup de coordenação de empreendimentos imobiliários que utiliza tecnologia customizada e possui ferramentas para integração dos elementos comerciais do mercado imobiliário tem em um dos cargos mais importantes, uma mulher na liderança, a diretora de Atendimento ao Incorporador e Inteligência de Mercado, Noêmia Menezes.

 

Com 36 anos, dois filhos, Menezes iniciou a carreira em 2009 em uma grande Imobiliária. Segundo ela, o segmento imobiliário estava aquecido, muitos lançamentos acontecendo e lá pode ter a oportunidade de aprender e acompanhar todos os processos que envolviam os produtos expostos em diferentes estratégias, além de vivenciar vários momentos do mercado. 

 

"De forma bem natural fui me interessando cada vez mais e estudando bastante os bairros, os lançamentos, os preços, as plantas, quais informações eram as mais comerciais, entre outras coisas", disse.

  

Noêmia conta que acompanhava tudo o que acontecia, de segunda a sexta permanecia no escritório em reuniões com os incorporadores, mas no final de semana também estava na ativa nos estandes, observando as equipes de vendas e pesquisando informações dos produtos.

 

"De repente 10 anos se passaram, e optei em dar um tempo no mercado para ser mãe, mas ao receber o convite do diretor executivo da empresa, Manuel Gomes para o projeto Performance, não pensei duas vezes", ressaltou. 

 

Para ela, o maior estímulo para a função da Inteligência de Mercado é ficar 100% antenada a tudo o que acontece, é ter informação antecipada, além de levar conteúdo correto aos clientes/incorporadores, para que eles também possam acompanhar tudo o que é feito e entendam cada vez melhor os consumidores.

 

"O meu maior desafio é poder conciliar vários papéis, porque hoje eu não posso mais estar sete dias envolvida nos acontecimentos imobiliários. Para mim, ser mãe, esposa e profissional em um mercado extremamente dinâmico é um desafio diário".

Quinta, 03 de Setembro de 2020 - 08:05

Inovação no setor de eventos pós Covid-19

Inovação no setor de eventos pós Covid-19

 

O que vai acontecer com o mercado de eventos após a pandemia do novo Coronavírus? Considerado um dos setores mais afetados pela crise econômica e social provocada pelo vírus, essa é uma pergunta que tem provocado inúmeras reflexões entre os empreendedores que atuam e dependem desse setor. Depois de crescer 9,5% em 2019, alcançando uma receita de R$ 11,3 bilhões, o turismo de negócios está totalmente parado desde março, início da pandemia do Coronavírus.

Um levantamento feito pelo Sebrae, em abril, mostra que a pandemia da Covid-19 afetou 98% do setor de eventos. A pesquisa ouviu prestadores de serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas, além de profissionais cujos trabalhos envolvem aluguel de estruturas, como palcos. A pesquisa ainda mostra que, em comparação ao mês de abril do ano passado, 62,5% dos entrevistados acreditam na redução de 76% a 100% do faturamento em abril deste ano.

Já faz mais de quatro meses que o setor de eventos está suspenso. O Parque Vila Germânica, localizado em Blumenau, Santa Catarina, local de eventos da região, teve toda a sua agenda de eventos cancelada ou reagendada. Um exemplo é a Febratex, uma das maiores feiras do mundo para a indústria têxtil e a maior das Américas, promovida pelo Febratex Group, uma das principais promotoras de feiras têxteis da América Latina.

Inovação nos eventos do setor têxtil

O diretor explica que o setor passa por um momento desafiador mas uma das saídas é inovar, principalmente no que se refere ao ramo têxtil, que já vem diariamente lançando novidades para combater a Covid-19.

“Tenho certeza que o movimento que está acontecendo na moda para valorizar os produtos locais não ficará apenas na moda, ele é comportamental, isso vai trazer muitas oportunidades para o turismo local. A inovação vai ser pelo próprio trade de turismo que já existe internamente, será uma grande redescoberta do próprio Brasil. Outro ponto de inovação são os tecidos tecnológicos antivirais e tecidos que consigam ser desfibrados para ter todo o processo dentro da economia circular, fazendo com que a indústria têxtil e de moda não seja mais vista como poluidora, mas sim uma grande indústria que cuida dos seus resíduos”, aponta Pompeo Jr.

Eventos regionalizados são uma saída

A Associação Brasileira da Agências de Viagens Corporativas (Abracorp) captou em março de 2020 o impacto negativo do isolamento social em vários estados, especialmente em São Paulo, que concentra o grosso dessa atividade no país. Segundo pesquisa da Abracorp, a receita com vendas de passagens aéreas, diárias de hotéis e locação de automóveis, entre outros serviços, foi de R$ 890 milhões em média nos meses de janeiro e fevereiro, mas caiu para pouco mais de R$ 400 milhões em março. Entre abril e junho, a queda chegou a 100%, dependendo da empresa.

Presencial e online

O modelo híbrido de evento, aliando a presença física com o alcance do virtual, pode ser uma tendência a ser observada futuro, embora a importância do presencial ainda seja fundamental: “O digital é uma plataforma incrível. Em muitas situações, a tecnologia aproxima e agiliza. Mas consigo ver claramente no mercado de eventos de negócio que as feiras presenciais sempre serão mais prestigiadas. Morando na Europa há dois anos, visito feiras por todo o continente e percebo claramente uma projeção que o digital ainda não consegue contemplar sozinho. As feiras de negócios foram e sempre serão um meio para recuperarmos a economia e aproximar as pessoas”, ressalta Giordana Madeira, Diretora Executiva do Febratex Group.

Histórico de Conteúdo