Terça, 31 de Março de 2020 - 15:05

Especialistas ensinam como manter a produtividade no Home Office

por Iga Bastianelli

Especialistas ensinam como manter a produtividade no Home Office

 

 

Nossa sociedade nunca viveu dias como os que estamos vivendo agora: de repente, somos obrigados a ficar isolados, em quarentena, distantes do trabalho e de quem amamos. O que fazer para não "pirar"? 

Segundo a coach acadêmica e professora das disciplinas de Desenvolvimento Gerencial e Gestão de Carreira dos cursos de Pós-graduação da FECAP, Maria de Lurdes Zamora Damião, estamos experimentando uma situação completamente desconhecida, cheia de incertezas, e nosso maior desafio é manter o equilíbrio mental e emocional. 
 

MANTENHA UMA ROTINA 

Para quem está trabalhando home-office, o ideal é planejar a semana com disciplina, para que o trabalho não se misture com as tarefas domésticas, por exemplo. "Para fazer a divisão do tempo, avalie a semana ou dia, identificando as necessidades de descanso, sono, higiene, home-office, faculdade, lazer, refeições, revisões de conteúdo, exercícios físicos, atividade religiosa, entre outros. Registre essas informações em uma planilha", ela ensina. 

Já a Especialista em Gerenciamento de Projetos e Administração Estratégica e Coach de produtividade, Eleine Passos indica métodos e ferramentas que auxiliam no cumprimento de tarefas para o trabalho em casa “Muitas famílias estão tendo que se adaptar a uma nova realidade, com todos em casa em tempo integral é preciso estabelecer novas metas, criar hábitos, reconhecer limites e principalmente fazer gestão de si mesmo. Ser produtivo não é fazer mais em menos tempo e sim fazer o que é preciso com qualidade”, alerta a especialista que também destaca os seguintes pontos:

 

Vista-se para trabalhar e cuide da sua auto-estima

É muito tentador ficar com a roupa de dormir, portanto, tome um banho, coloque uma roupa leve, arrume os cabelos. Isso ajudará o seu psicológico a entrar no “modo trabalhar”, além de contribuir para manter a sua auto-estima.

 Combine com a família o seu horário de trabalho

Se você não mora só é importante deixar claro para sua família que você não está de férias. Determine o seu horário de trabalho, com as pausas necessárias ao seu ritmo. Para quem tem filhos pequenos há algumas possibilidades como revezar os cuidados com o parceiro ou outro membro da família e criar uma rotina de atividades escolares. “É uma forma de integrar a criança e ajudá-la a compreender que as atividades de estudo e trabalho continuam mesmo dentro de casa para que quando a situação se normalize ela não sinta tanta dificuldade em retomar a rotina”, explica Eleine.

Crie métricas de acompanhamento e mantenha contato com sua equipe

Não basta planejar é importante também acompanhar os resultados. Para empresas e líderes que tem funcionários é aconselhável realizar reuniões online para analisar o funcionamento das demandas e utilizar ferramentas de gerenciamento de atividades. Nesse ponto a tecnologia ajuda e oferece algumas opções de compartilhamento, inclusive gratuitas. Para videoconferências existe o Skype, Hangout, Zoom e para o controle de tarefas oTrello, Todoist e Asana.

Lembre-se que toda crise passa e os aprendizados ficam

Apesar da crise, esse modelo de trabalho pode passar a ser mais bem aceito nas empresas e trazer uma série de benefícios em produtividade como economia de tempo e dinheiro. “A cultura do home office ainda é pequena aqui no Brasil, mas se bem gerida pode ajudar muito, principalmente nas pequenas empresas. Economiza-se com a conta de energia e vale transporte, além do tempo que gasta-se no deslocamento, por exemplo”, conclui Eleine.

 "Apesar de proporcionar uma série de vantagens aos colaboradores, como flexibilidade de horário com deslocamento e comodidade ao profissional, a atividade remota requer muito mais organização individual, monitoramento e capacidade de colaboração dos líderes e entre as equipes. Pois o previsto e o planejado nem sempre acontecem e as pessoas ficam mais tensas frente ao novo. E agora estamos num tempo de imprevistos", afirma Janaína Rost, head da TackTMI, empresa de treinamentos corporativos e desenvolvimento de talentos da multinacional de recursos humanos, Gi Group. 

Para ajudar as empresas a proteger seus funcionários e clientes da pandemia e dar andamento às suas atividades com eficiência, a TackTMI desenvolveu uma plataforma de conteúdos virtuais com treinamentos acessíveis e de rápida aplicação, que tratam das principais questões que envolvem desde gerenciamento de equipes remotas a administração do tempo de trabalho, como manter a comunicação e interação entre diversos públicos, melhorar a produtividades das vendas, no modelo virtual, entre outros. 
 

 
   


 




 

Startup apoia instituições de saúde a contratarem profissionais durante pandemia 

 

A Jobecam, plataforma de empregos e entrevistas gravadas que torna os processos de seleção mais eficientes e justos por meio da tecnologia de vídeo e inteligência artificial, vem ajudando diversas instituições do setor de saúde a resolver um importante problema: a seleção e contratação de profissionais. Com o coronavírus (COVID-19), classificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma pandemia, um recrutamento ágil e eficiente se torna ainda mais necessário. 
 

"Estamos com uma alta demanda para atender os clientes do setor de saúde. Alguns hospitais como o Mário Covas, IGESP, Meridional e A. C. Camargo estão contratando um alto volume e precisam de profissionais capacitados para atender as demandas durante este período de crise", comenta a proliferação do vírus e, claro, garantir que a operação de seleção não pare", afirma a fundadora e CEO da empresa, Cammila Yochabell. 
 

Ao todo são mais de 600 vagas, incluindo posições para fisioterapeutas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e médicos. Os profissionais interessados em preencher as posições devem acessar o site http://www.jobecam.com, onde é possível realizar as candidaturas e gravar as entrevistas, otimizando assim o processo e garantindo a segurança demandada no momento. 
 

"A Jobecam já nasceu com o propósito de tornar os processos seletivos remotos. Acreditamos que, desta forma, damos mais acessibilidade e oportunidade para todos. Frente a crise que estamos passando, notamos que somos mais do que necessários para contribuir com a redução da proliferação do vírus e, claro, garantir que a operação de seleção não pare", finaliza Cammila Yochabell. 
 

 

 Empresas abertas por mulheres cresce 118% no último ano 

 Que o mercado de trabalho empreendedor cresce em um ritmo acelerado não é segredo para ninguém - o Brasil atingiu a marca de 52 milhões de brasileiros em idade produtiva desempenhando algum tipo de atividade empreendedora no início de 2019, segundo o Global Entrepreneurship Monitor (GEM). O que a Contabilizei, um dos maiores escritórios de contabilidade do país e o pioneiro a oferecer os serviços 100% online mostra ao analisar sua base de clientes, é que a mulher tem papel definitivo nesse crescimento. 

Só em 2019 o número de empresas abertas por mulheres cresceu 118% quando comparado ao número de 2018, segundo dados da startup. Dados do Sebrae reforçam a representatividade feminina no mercado empreendedor - o último número divulgado mostra que já são 24 milhões de mulheres empreendedoras no Brasil. "O crescimento ano após ano do número de mulheres proprietárias dos seus negócios demonstra não só o fim definitivo do mito de que empreender é coisa de homem, mas que nós, mulheres, somos uma força essencial para o crescimento do cenário empreendedor brasileiro", comenta Marihelen Santos, gerente de sistemas da Contabilizei. 

Quando os dados da empresa são analisados sob o ponto de vista regional, os estados do Rio de Janeiro e do Paraná são destaque, com 27% e 25% de mulheres à frente dos seus negócios, respectivamente. Outro dado interessante é de que as empreendedoras dominam o segmento de comércio - seja em e-commerces ou lojas físicas -, representando 39% das empresas ativas da Contabilizei. 

 

Quarta, 01 de Janeiro de 2020 - 17:05

Planejamento: quitação de dívidas é prioridade em 2020 

Planejamento: quitação de dívidas é prioridade em 2020 

 


Em 2020, o brasileiro estará focado em quitar dívidas, viajar nas férias e aprender inglês. A constatação faz parte do levantamento TOP 20 Objetivos para 2020, realizado pelo 7waves, aplicativo que ajuda as pessoas a definir metas e atingir seus objetivos de vida.

 

Dados recentes da Serasa Experian apontam que existem 63,4 milhões de inadimplentes no país, novo recorde da série histórica, iniciada em março de 2016. O alto endividamento tem como principais causas a perda do emprego (30%), a redução de renda (29%), o empréstimo do nome para terceiros (14%) e a falta de controle financeiro (13%), revela pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). 

“O brasileiro está mais consciente quanto à forma como consome e preocupado em deixar o nome limpo, para ter mais poder de negociação quando pensar, por exemplo, em um financiamento”, analisa Rodolfo Ribeiro, CEO do 7waves.


“A crise econômica do país e o alto índice de desemprego fará o brasileiro querer crescer e buscar oportunidades dentro da empresa em que trabalha, por meio do aperfeiçoamento profissional, ao invés de se aventurar no mercado, trocando o certo pelo duvidoso”, diz Ribeiro. “Confira o ranking TOP 20 Objetivos dos Brasileiros para 2020, do 7waves: 

Dicas para utilizar melhor o seu dinheiro em 2020 

Existem diversas maneiras de aproveitar melhor o dinheiro e, em meio ao aumento de gastos com as festas de fim de ano e o pagamento de impostos e obrigações no primeiro bimestre, este é um bom momento para repensar as finanças. Pensando nisso, a Conta Black, fintech focada em promover acesso a serviços financeiros para a população desbancarizada, deu 2 dicas para organizar melhor as finanças em 2020. Confira: 

Estabeleça prioridades 
De modo geral, a chegada de um novo ano sempre acaba nos motivando a fazer uma balanço pessoal. Aproveite para colocar as finanças nessa revisão e estabeleça prioridades também para onde e como seu dinheiro é gasto. Considerando toda a sua renda mensal, defina quanto irá gastar com despesas adicionais e confira quais dos gastos fixos são realmente essenciais. O ideal é ter sempre em mente a importância de adequar o dinheiro disponível às demandas e não o contrário.
 

Pechinche 
Com os gastos e reservas financeiras devidamente planejados, é hora de usar uma das melhores estratégias antes de comprar qualquer coisa: pechinchar. Na hora de adquirir produtos e serviços, não tenha medo de pedir por descontos ou uma leve diminuição no preço. Também use e abuse da internet para pesquisar e comparar valores para encontrar as melhores ofertas. Diversos site e apps são especializados nisso. Outra dica valiosa é buscar por cupons de desconto em sites e aplicativos de lojas.

Anotado? Fique de olho nas finanças e use melhor o seu dinheiro em 2020. 

 

 
Terça, 17 de Dezembro de 2019 - 16:05

Inteligência Artificial no varejo

 Inteligência Artificial no varejo



A tecnologia evoluiu muito na última década, mas a principal dor das marcas continua sendo vender. São inúmeros os fatores que impactam na performance, sendo um dos mais importantes, atualmente, entender a jornada de compra do consumidor. Estratégias como o uso de machine learning podem facilitar, e muito, na redução da perda de vendas e a melhorar a experiência do cliente online-to-offline no varejo, seja nas grandes redes de supermercados ou nos mercadinhos de bairro. 

Um bom exemplo é o localizador de produtos da Gofind. Muito além de simplesmente listar os pontos de venda nas proximidades, a plataforma utiliza algoritmos de Inteligência Artificial para auxiliar empresas no lançamento de produtos, engajamento com consumidores, prospecção e análise de mercado, além de direcionar o investimento em campanhas de forma mais assertiva. 

Abaixo três funcionalidades da ferramenta:

Campanha de lançamento x Disponibilidade do produto 
Quando uma empresa lança um novo produto no mercado, é comum as campanhas de marketing ativarem consumidores em regiões que o produto ainda nem chegou. Muitas marcas priorizam a velocidade da entrada das campanhas, sem um estudo inicial da disponibilidade do item em cada região - análise essencial para prevenir desperdício das verbas de marketing, a frustração do consumidor e geração de rupturas (quando o cliente não encontra determinado item na loja).


Transformação Digital 
Empresas de todos os tamanhos e segmentos estão investindo em startups como foco na transformação digital do negócio. Diferente de agência de marketing que desenha a estratégia de branding ou comunicação, a ferramenta gera insights sobre distribuição e demanda para que os times otimizem cada vez mais as suas campanhas e vendam mais, sempre utilizando estratégia de marketing orientada a dados. 

Marketing, comercial e logística alinhados 
Com mais de 600 empresas no portfólio e mais de 120 mil produtos cadastrados, a startup catarinense tem mostrado que conseguir mensurar se uma campanha realmente impactou o consumidor, a ponto de levá-lo a adquirir determinado produto, ou pensar na melhor estratégia de lançamento para atingir um público/praça específica, alinhando marketing, comercial e logística, não é mais um problema com as funcionalidades da plataforma que promete tornar as campanhas de lançamento até 30% mais eficientes. 
 

Adote hábitos para ensinar Educação Financeira aos seus filhos

 

Uma boa educação financeira é a principal chave para ter um relacionamento saudável com o dinheiro, sendo às vezes até mais importante do que os valores envolvidos. Por esse motivo, a partir de 2020, o tema fará parte da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino infantil e fundamental, devendo ser trabalhado de forma transversal, ou seja, estará presente em diferentes disciplinas, como matemática, história, português ou geografia, por exemplo. 

O CEO e fundador do Mobills, aplicativo completo para gestão de finanças pessoais, Carlos Terceiro, explica que o desenvolvimento da responsabilidade financeira deve ocorrer desde cedo, facilitando que o controle de gastos e a criação dos objetivos já estejam amadurecidos na fase adulta, evitando que a pessoa se complique com dívidas e aja por impulsos. 

O especialista destaca abaixo para os leitores do BN Mulher algumas tarefas que podem auxiliar na educação financeira das crianças: 

Mesada 

A tradicional forma de inserir as crianças no mundo das finanças é com uma mesada mensal, essa é a melhor alternativa para ensiná-las a administrar o próprio dinheiro. O controle da mesada evita, principalmente, que os gastos sejam feitos por impulso e fora do planejamento. 

Ensine a anotar os gastos 

Ter uma planilha é ideal. No final do mês, ao visualizar o quanto gastou e o que economizou, a criança entenderá quais são seus objetivos e como evitar despesas desnecessárias, consequentemente estimulando a criação de poupanças. 

Estabeleça objetivos 

Incentivar que a criança crie objetivos e foque neles, faz com que ela aprenda a economizar e não gastar por impulso.

Delegue tarefas 

Tarefas simples como pedir para uma criança comprar algo, ajudam na criação do senso de responsabilidade. Analisar preços e produtos é um primeiro passo muito importante para uma boa educação financeira. 

Ensine brincando 

O ensino por meio de brincadeiras envolve a criança, que através do universo lúdico, cria uma percepção das regras a serem cumpridas também na vida real. Não deixá-la ganhar todas as vezes é essencial, para que entenda que não só no jogo, mas na vida, às vezes perdemos. Monopoly, Banco Imobiliário e Jogo da Vida, são ótimas opções de jogos de tabuleiro que incentivam este raciocínio. 

Deixe que a criança faça suas escolhas 

Mesmo quando a criança faz a escolha de gastar o dinheiro de uma maneira não tão eficiente, o ideal é não ter inferir, pois apenas com os erros que ela aprende a se policiar das próximas vezes, fazendo com que a probabilidade de que erre na vida adulta seja muito menor. 

Estimule que ela participe da organização das contas da casa 

Desde cedo, é fundamental compartilhar como as contas da casa são organizadas e planejadas. Dessa forma, a criança consegue visualizar a importância de manter as finanças ordenadas de acordo com o orçamento familiar disponível. 

Não se esqueça do diálogo 

É indispensável estabelecer uma relação de diálogo com as crianças, independente do assunto. Sobre a temática financeira, introduzir termos relacionados, respeitando as faixas etárias, gera uma melhor compreensão deste universo. 

Quarta, 20 de Novembro de 2019 - 13:05

Afroempreendedorismo: empresas que você precisa conhecer

Afroempreendedorismo: empresas que você precisa conhecer

 

O afroempreendedorismo tem crescido a cada ano no Brasil. Hoje, são mais de 14 milhões de empreendedores negros no país à frente dos mais variados tipos de empresas, de acordo com dados do Instituto Locomotiva. A população negra movimenta R$ 1,7 trilhão por ano e os empreendimentos focados nesse público têm potencial para dar muito certo. Conheça cinco negócios criadas por empreendedores negros que têm ganhado destaque no país. 

Diáspora.black
Startup criada pelos amigos Carlos da Silva e Antonio Pita, a Diáspora.Black é uma rede de anfitriões e viajantes interessados em vivenciar e valorizar a cultura negra. A plataforma conta com roteiros e experiências turísticas oferecidos por afroempreendedores, além de intermediar hospedagens certificadas para o atendimento sem discriminação. Com três mil clientes, entre viajantes e anfitriões, está presente em 70 cidades, de 36 países. 

Conta Black
Primeira conta digital criada por negros no país, a fintech fundada pelo publicitário e especialista em finanças Sérgio All nasceu com o propósito de promover o empoderamento financeiro. Com foco na educação financeira e na proximidade com os clientes.


Makeda Cosméticos
Criada pelas irmãs Sheila Makeda e Shirley Leela, a Makeda Cosméticos tem como missão incentivar os cuidados com os cabelos crespos e cacheados, de forma saudável, auxiliando na construção de uma identidade positiva. Para isso, as sócias desenvolveram um linha de produtos especializados para esse tipo de cabelo, com o auxílio de profissionais técnicos e especialistas. Feitos à base de ricos óleos vegetais e essências especiais, as máscaras, shampoos, finalizadores, umidificadores e ativadores de cachos não contém sal, parabenos, sulfato e óleo mineral e não são testados em animais. 

NoFront - Empoderamento Financeiro
Já imaginou aprender sobre educação financeira com letras de RAP? Assim, a economista Gabriela Mendes tem ajudado centenas de pessoas a administrarem melhor as finanças, de forma simples e inédita, e substituiu as complicadas fórmulas matemáticas pelas letras de RAP de artistas como os Racionais MC’s. Com o curso, é possível aprender sobre padrões de consumo, ostentação e consumo consciente, técnicas de negociação e quitação de dívidas, economia na prática, mecanismos de planejamento, metas financeiras, e investimentos. 

Feira Preta
Não tem como falar de empreendedorismo negro sem citar a Feira Preta, maior evento de cultura e empreendedorismo da América Latina, que chega à maioridade esse ano. Em quase 20 anos de trabalho da empreendedora Adriana Barbosa, a iniciativa recebeu 120 mil pessoas, 600 artistas nacionais e internacionais, 700 expositores do Brasil e América Latina, e movimentou mais de R$ 5 milhões com a venda de produtos e serviços. A edição 2019 da Feira Preta acontece nos dias 7 e 8 de dezembro, no Memorial da América Latina. 

Especialistas em RH discutem sobre o mercado de trabalho do futuro 

 

Saber ouvir e expor o ponto de vista com empatia, não é uma competência que está presente nas grades curriculares. Mas é uma “competência do futuro”. E pode ser desenvolvida, sobretudo na convivência no trabalho, diz Du Migliano, CEO da 99jobs, startup que redesenhou a forma como as organizações e as pessoas se conectam, baseando-se em crenças e valores. 

A conexão com o outro contribui para a realização do desejo que os jovens têm de se sentir útil e trabalhar com propósito e, assim, superar os desafios que essa geração está enfrentando agora, momento de grande transformação das relações de trabalho, pela revolução tecnológica. “Se a gente entender que as empresas não operam apenas para gerar lucro, mas sim, são uma plataforma de desenvolvimento, e que todo o conhecimento que está sendo gerado ali é para desenvolver pessoas, teremos resultado com propósito. E isso gera lucro. Quando criamos espaços de aprendizado, e damos desafios legais para as pessoas resolverem juntas, ela se sentem úteis e ouvidas”, explica Migliano, que possui 4 milhões de usuários em sua plataforma de recrutamento. 
 

Learning Agility 

Uma skill que o mercado de trabalho não vai deixar de exigir é a Learning Agility, ou agilidade de aprendizagem. Uma pesquisa da Korn Ferry, consultoria de gestão fundada na Califórnia, em 1969, e presente em 52 países, aponta que apenas 15% da força de trabalho no mundo desenvolveu a agilidade de aprendizagem. Para o especialista em recrutar líderes da consultoria, Antônio Mendonça, aprender coisas novas com agilidade e de forma constante passa a ser uma das habilidades mais importantes para que os profissionais consigam lidar com qualquer desafio complexo que venha a surgir. 

“E, por outro lado, as empresas têm que entender que será comum ver os jovens trabalhando em duas empresas ao mesmo tempo, em paralelo, como em um modelo de Market Place. E, assim como eles vão escolher trabalhar em companhias com proposito sólido, eles vão escolher quando irão embora também. Estudos mostram que as novas gerações irão trabalhar em 20 empresas. Elas terão uma carreira em espiral. Serão capazes de antecipar, drivar, acelerar, construir parcerias e confiança no ambiente de trabalho”, diz. 

Meta Learning 

Mas além das transformações tecnológicas, o que está acontecendo para o mercado exigir um novo tipo de profissional? 
De acordo com Anderson Pereira, CEO da Universia Brasil, este século precisa mais de cérebros do que de braços. “O Brasil do século XX não conseguiu capacitar os cidadãos para aprender a pensar e, mesmo assim, prosperamos, porque o mercado de trabalho precisava mais de braços do que de cérebros. Agora, vivemos o oposto. O mercado de trabalho vai exigir muito mais uma habilidade cognitiva do que manual. Portanto, nosso desafio como sociedade será capacitar a maior quantidade de cérebros possíveis para os desafios do século XXI. Neste século, serão necessárias competências como aplicar o conhecimento e criatividade em conjunto, realizar trabalho em equipe, ter resiliência, saber tomar riscos, além de “meta learning”, ou seja, aprender a aprender, que é de fato como você se relaciona com o mundo e com os outros”. 

Isso exige pensar que o conceito de “ex-aluno” não existe mais. Vamos ser alunos a vida toda e a todo momento. E o mix do que estamos aprendendo e estudando vai transformar as relações de trabalho. 
E como distribuir esse conhecimento em escala? Segundo Anderson, a educação terá que ser encarada como um desafio global. “Será necessário que todos os agentes da sociedade, e não só as universidades, estejam unidos para capacitar essas pessoas para o trabalho e para viver em um mercado extremamente complexo”. 

Previsões para o futuro 

Esse ritmo acelerado de mudança, na visão do especialista em gestão da mudança e desenvolvimento organizacional, Marcelo Nóbrega, tende a exigir que as pessoas estejam preparadas para correr riscos. “Por não sabermos exatamente como a tecnologia vai nos impactar, nos sentimos ansiosos, achando que as coisas vão piorar. Mas não vão. É natural que as gerações passem por isso em momentos de grandes mudanças. Daqui a pouco vamos entender como conciliar o talento humano com a eficiência das máquinas e tirar o que tem de melhor dos dois lados, e vamos voltar ao patamar de produtividade”, diz. 
Fazer previsões sobre o que mais vai ser importante no futuro é um exercício complexo. “Mas posso dizer a essa geração que: corra riscos, saia da zona de conforto, trabalhe em empresas diferentes, viaje para conhecer outras realidades e se adaptar a elas”, orienta Nóbrega, que investe em 4 empresas brasileiras atualmente. 

Pesquisa revela que 40% das mulheres que tiveram câncer não retornam ao trabalho

 

Enfrentar e vencer um câncer de mama ou de útero não é nada fácil, mas quem pensa que esta luta acaba com o fim da doença se engana. Após esta vitória, as mulheres enfrentam outro desafio: o retorno à rotina e ao mercado de trabalho. No Brasil, uma nova pesquisa realizada no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) revelou que a taxa de retorno ao trabalho de mulheres após dois anos do diagnóstico de câncer de mama é de 60%. Nos Estados Unidos e na Europa, chega a superar os 80%.

Para ajudar as mulheres a enfrentarem este drama, a Assespro-PR aproveita o Outubro Rosa para discutir o assunto sob a perspectiva do setor de Tecnologia da Informação. A diretora adjunta da secretaria Mulher na Tecnologia, Ana Lucia Bittencourt Starepravo, participa de um debate durante o Furacão Rosa – campanha promovida pelo clube Atlético Paranaense em ocasião do Outubro Rosa – que tem como objetivo direcionar as mulheres que tiveram câncer para o caminho de retorno às suas ocupações e a escolherem o mercado de TI por este apresentar um crescimento exponencial. 

Um estudo feito pela Assespro-PR em parceria com o Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) apontou que o número de vagas de emprego no setor de TI cresceu 300% no Brasil em fevereiro de 2019, em comparação com o mesmo período do ano anterior. No Paraná, este mercado é ainda mais promissor para as mulheres: no período de 10 anos (2007 a 2017) a taxa de crescimento de mulheres empregadas em Serviços de TI (48%) superou em onze pontos percentuais a taxa do Total da Economia do Estado (37%).

O debate, intitulado "Educação, Tecnologia, Inovação e Empreendedorismo", acontece no dia 25 de Outubro, às 15h40, durante o workshop "Os quatro ventos do Furacão Rosa: Ciência, Tecnologia, Comunicação e Inovação": que reserva um dia inteiro de atividades voltadas às mulheres em remissão de câncer. Participam também do Ted Talking Letícia Biroli Ferreira, Jean Pierre Wasem e Vinícius Grein. 

O evento será realizado na Arena da Baixada, com entrada aberta ao público e gratuita.

Brasil recebe programa feminino de aceleração de startups do Vale do Silício

 

Os setores de tecnologia, engenharia e programação estão entre os que mais crescem no mundo. Entretanto, a participação feminina é muito baixa. No Brasil, por exemplo, dados do IBGE apontam que as mulheres representam apenas 20% dos mais de 580 mil profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação. E para quebrar essa disparidade no setor que o SiliconVal.ly Institute (www.siliconval.ly) lança em nosso país o Brazilian Women in Tech (BRAwit), programa de aceleração para empreendedoras na área de tecnologia.

Este é o primeiro projeto da instituição exclusivo para empresárias brasileiras e traz a oportunidade de elevar o padrão de suas startups para o mercado internacional, já que contará com uma imersão em São Francisco, nos Estados Unidos. “O Brasil é um país de potencial inexplorado. A força e determinação de suas mulheres são admiráveis e fundamentais para o progresso da nação. E nós assumimos como missão capacitar as mulheres brasileiras em sua jornada em empreendedorismo tecnológico, compartilhando estratégias, frameworks, ferramentas, tecnologias e tudo que há de mais inovador no ecossistema do Vale do Silício”, explica Tommaso Di Bartolo, Fundador e Presidente do SiliconVal.ly Institute.  

A instituição traz para nosso país a experiência de quem já acelerou mais de 800 startups ao redor do mundo e que juntas levantaram cerca de 100 milhões de dólares em investimento. Para a edição brasileira o SiliconVal.ly Institute procura startups em mercados altamente disruptivos como blockchain, IOT, robótica, inteligência artificial, sistemas autônomos, visão computacional e computador quântico. 

Quanto ao perfil da equipe Tommaso destaca que é importante que tenha um sócio técnico e outro comercial com características complementares: “o especialista em desenvolvimento precisará ter senso de produto afinado e paixão por resultados, além de ter a capacidade de explicar de forma simples e didática as tecnologias aplicadas. Já o de vendas, deve ter o jogo de cintura necessário para captar clientes, engajar funcionário e conquistar investidores e fundos de investimento. Tudo isso sem perder de vista os próximos passos para o futuro de seu negócio”, pontua.     

O processo seletivo durará três meses e será composto por três etapas: triagem, entrevista e pitch. As 15 melhores rankeadas serão levadas, durante o programa, a desmontar o status quo e reconstruir sua startup em escala global. “A cada encontro, elas serão levadas a sair de sua zona de conforto e implementar as mesmas práticas de inovação que utilizamos no Vale do Silício em seu modelo de negócios, tecnologia, desenvolvimento do produto, propriedade intelectual e na estratégia go-to-market e fundraising”, pontua Di Bartolo.  

O BRAwit contará com duas fases. A primeira será remota, de janeiro a março de 2020, sendo encerrada com um DemoDay para investidores anjos e fundos de investimento nacionais e internacionais. Já a segunda levará as cinco melhores startups para aceleração no Vale do Silício, de maio a julho do mesmo ano. Ao final do período de imersão, também participarão de um DemoDay, mas desta vez, em São Francisco, para a nata da cena de startup do mundo. 

Além disso, as participantes do BRAwit receberão o Selo “We are SiliconVal.ly”, representando que é startup membro, o que as garantirá acesso vitalício a eventos exclusivos e uma rede de networking formada por executivos, empresários, investidores e universidades focada em startups e inovação de alta performance. 

Para participar, as interessadas devem se inscrever até o dia 30 de novembro em: http://brawit.siliconval.ly

Case Feminino - A startup Jetpack (tryjetpack.com), da empreendedora Fatima Dicko, após participação do programa de aceleração doSiliconVal.ly Institute conseguiu levantar cerca de US$ 1 milhão em investimento pre-seed para sua plataforma online, que ajuda universitários de todo o Estados Unidos a localizar, via GPS, colegas de seu campus ou moradores das proximidades de sua universidade que possam salvar seu dia emprestando, vendendo ou alugando produtos com entrega em minutos.

Sobre o SiliconVal.ly - Instituto especializado em impulsionar a inovação de empresas e startups, em especial na Ásia, África e América Latina, via programas de aceleração compostos por uma rede de mentores da vanguarda do Vale do Silício. 

 

Histórico de Conteúdo