Terça, 16 de Outubro de 2018 - 08:05

Invista tempo em capacitação online!

Invista tempo em capacitação online!

 

Há momentos da carreira que é preciso investir em capacitação. Mas como fazer cursos sem gastar muito dinheiro? É hora de pensar em cursos online e ampliar o conhecimento usando a modernidade ao seu favor.

 

O site Educa Sempre, destaca as grandes vantagens dos cursos online: economia, flexibilidade e variedade. A depender da área de interesse há cursos até gratuitos. Para quem está em formação superior, é uma possibilidade para obter certificados e horas complementares.

 

A economia é ainda maior quando você analisa que não há gastos com transportes nem materiais. A economia de tempo também é real, você pode fazer em algumas horas de folga. Apenas precisa estar em frente a um computador! A plataforma online permite que você acesse o material em horários que você mesmo vai estabelecer. A internet está recheada de cursos e estilos de cursos sobre um mesmo tema. Noções de comunicação, administração, contábeis e outros, sem contar nos próprios cursos superior em EAD – Educação à Distância.

 

Mas todo esse lado bom se perde se o aluno  não demonstrar compromisso e organização. Por isso se organize, tenha disciplina e comece um curso online hoje!

 

Terça, 09 de Outubro de 2018 - 08:05

Comprar e revender empresas, um bom negócio?

Comprar e revender empresas, um bom negócio?

Quem assistiu o filme "Uma Linda Mulher", com Julia Roberts e Richard Gere, sucesso nos anos 90, deve lembrar que o personagem dele trabalhava comprando empresas falidas e lucrava com as vendas. Tanto que uma das vezes em que a personagem de Julia Roberts o ajudou foi em um jantar de negócios. Mas este tipo de negócio é vantajoso?

 

De acordo com site SB Sistemas, é necessário avaliar mais que as vantagens ou desvantagens antes de comprar uma empresa. O site resume como necessários alguns passos antes de fechar uma compra deste tipo: tente assegurar que quem está vendendo não vai passar informações sigilosas a mais ninguém, veja quais contratos a empresa tem em aberto, analise as declarações de impostos e os documentos importantes e tenha um advogado experiente na área para te instruir.

 

Segundo matéria do G1, o bom de comprar uma empresa pronta é que os funcionários já estão treinados, o capital de giro será menor, é como pegar um projeto encaminhado e que precisa de continuidade. Por outro lado, existem os pontso negativos: a gestão anterior pode ter sido mal feita, os funcionários podem estar insatisfeitos, a marca pode estar desgastada entre outros fatores.

Terça, 02 de Outubro de 2018 - 08:05

O passo a passo para ser franqueada de uma marca

O passo a passo para ser franqueada de uma marca

Começar o próprio negócio nem sempre significa abrir uma empresa nova. Uma modalidade bastante procurada é a franquia: quem cede os direitos é o franqueador e quem recebe é a franqueada. Para franquear o primeiro passo é escolher o nicho de mercado, ou seja, com o que você quer trabalhar, o que você quer vender: calçados, roupas, doces, fastfood e por aí vai... Após essa escolha é bom ter em mente o espaço físico, procurar saber os gastos de investimento com pessoal e seguir as orientações do franqueador.

 

Depois que for escolhida a empresa que deseja franquear, segundo o site da Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios, você deve fazer um pedido no site dessa empresa onde será especificado o seu perfil para que eles avaliem se você teria o perfil.

 

Aprovado o perfil é marcada uma reunião e entregue a COF, Circular de Oferta de Franquia. Este documento fornece informações sobre as últimas franquias abertas, valores de taxas, qual suporte é oferecido, se há fornecedores fixos ou não e diversas outras informações.

 

A pessoa interessada em abrir a franquia deve perguntar ao franqueador qual a estrutura deve ter (para esclarecer sobre os investimentos), se existe um manual de operação da empresa e quantas franquias a empresa pretende abrir no ano.

 

Os especialistas recomendam que o interessado em franquear devem pesquisar muito sobre a marca, visitar uma franquia como cliente para ver como as coisas funcionam e tentar descobrir se os problemas ou qualidade são uma questão da marca ou da franquia. 

 

Faça uma rede de contatos com outros franqueados também, conheça outras pessoas da empresa e tente perceber como tem sido a experiência deles. No final, avalie bem o contrato, caso decida fechar negócio e lembre-se que franquear é replicar uma fórmula pronta, não se pode mudar o produto nem como ele é vendido.

Quarta, 26 de Setembro de 2018 - 08:05

Educação financeira: aprenda a organizar e gerenciar seu dinheiro

por Rafaela Souza

Educação financeira: aprenda a organizar e gerenciar seu dinheiro

Com a ascensão no mercado de trabalho e o crescimento de famílias chefiadas por mulheres, cuidar das finanças se tornou uma necessidade essencial no universo feminino, tarefa que por muito tempo foi de responsabilidade do homem. Para a economista e consultora em planejamentos e finanças do Sebrae de Salvador, Adriana Pereira, apesar da educação financeira não ser algo tão discutido entre as mulheres na infância, a mulher busca aproveitar os recursos da melhor maneira possível.

 

Não é à toa que elas apresentam uma renda significativa dentro da economia atual e, além disso, têm comandado as finanças em cerca de 28,9 milhões dos lares brasileiros, segundo dados do IBGE de 2015. “A mulher sempre pensa na melhor forma de atender as necessidades da família.  Ela sempre praticou a educação financeira, embora não tivesse consciência disso”, afirma.

 

No entanto, a especialista adverte que este planejamento deve ser uma tarefa compartilhada em família. “A mulher tem que saber gerenciar o dinheiro, mas se o restante da família não tiver controle, ela vai acabar sobrecarregada”, alerta. Para evitar possíveis dores de cabeça quando o assunto é finanças, confira as dicas dadas pela consultora ao BN Mulher!

 

SE ORGANIZE

A consultora de finanças do Sebrae Adriana sugere que é essencial estabelecer um controle dos gastos e manter a organização é a chave para o sucesso. Para ela, é necessário contabilizar os gastos através de ferramentas como planilhas, anotações e até aplicativos. "É importante ter um orçamento pessoal baseado na renda, saber o que se pode investir e poupar e eleger as prioridades”, reitera.

 

TENHA DISCIPLINA

Segundo a consultora, o mais difícil é manter o comprometimento. Por isso, não deixe de registrar tudo que for importante, desde os pequenos gastos até os desejos futuros.

 

INCLUA A FAMÍLIA

Além da disciplina, um dos maiores desafios é incluir toda a família no orçamento e transmitir os fundamentos da educação financeira. “É importante trabalhar a educação financeira com toda a família, principalmente com as crianças para que elas saibam o valor do dinheiro. Assim eles já vão entendendo que esse ponto deve ser abordado dentro de casa”, explica.

 

ORÇAMENTO COMPARTILHADO

Para Adriana, é indispensável criar um orçamento familiar compartilhado entre todos que tenham alguma renda.

 

DE OLHO NO CONSUMO

As mulheres são as que mais sofrem com o apelo publicitário, além de fazer parte da taxa de maior público consumidor. Por isso, a consultora aconselha que as mulheres precisam reavaliar sempre o nível de consumo. Ou seja, é importante perceber se aquilo que você está prestes a comprar é algo de extrema necessidade ou um consumo supérfluo. De acordo com ela, o consumo imediato pode estar comprometendo a realização de um sonho futuro como uma viagem em família, por exemplo.

 

SAIA SEM O CARTÃO DE CRÉDITO

O cartão de crédito quando extrapola pode acabar comprometendo e prejudicando as finanças. Diante disso, Adriana recomenda deixar o cartão em casa em determinados momentos do mês para evitar atitudes impulsivas. “É importante sempre quando for fazer alguma compra se perguntar se aquilo não poderia ser poupado”, questiona.

 

ESTABELEÇA METAS

Por fim, faz parte da educação financeira estabelecer metas. Portanto, observe e faça escolhas: estabeleça o que é desejo, sonho, prioridade e faça uma conciliação familiar. A especialista sugere que a discussão ocorra de forma que todos os interessados possam opinar.

Terça, 18 de Setembro de 2018 - 08:05

Café com elas promove trocas sobre empreendedorismo

por Rafaela Souza

Café com elas promove trocas sobre empreendedorismo
Foto: Reprodução

Mais que falar sobre  empreendedorismo, o “Café com Elas”  promove a troca de experiência e aprendizado entre as mulheres que escolhem ser empreendedoras. O evento que acontecerá no próximo 22 de setembro foi idealizado pela professora Luana Farias. Segundo ela, a criação do Café se deu com a própria transformação que ela vem vivendo na sua carreira profissional e a sua busca por estudos sobre a temática empreendedora. "A ideia surgiu da minha inquietação propositiva de enfrentar as dificuldades, desafios e oportunidades do empreendedorismo feminino", afirma.

 

Além disso, Luana ainda conta que a insuficiência de outros eventos também foi uma motivação. “Eu percebia que a maioria trazia o tema de uma forma muito sutil e imprecisa, a minha proposta é abordar de uma forma mais leve, lúdica e agradável e, ao mesmo tempo, uma plataforma de conhecimento cognitivo que pudesse estimular outras mulheres não só racionalmente, mas emocionalmente”, explica.

 

Com o intuito de fortalecer as competências do público feminino, o evento conta com a participação de especialistas que discutem abordagens que vão de finanças até psicologia. Entre os temas abordados nas duas edições destacaram-se: networking pessoal, finanças, poder de ação, alimentação saudável, produtividade e gestão das emoções. “Sabemos que para a mulher avançar nesta área principalmente a que tem uma jornada tripla, ela tem que estar alinhada com um propósito, desenvolver uma rede de ligações, saber como combater o medo, como fortalecer a mentalidade empreendedora e a psicologia construtiva”, esclarece.

 

 

emocional

A administradora, coach e especialista em gestão, Laura Lavigne, é uma das convidadas que palestram. Laura conta que o foco da sua participação é voltada para a questão emocional. “Como você se relaciona melhor usando a linguagem, voz e postura. Não basta focarmos apenas na área cognitiva/racional, o emocional também é muito importante”, reitera.

 

A especialista abordou os aspectos de uma nova comunicação relacionando as cinco linguagens do amor. É um tema que proporciona uma melhoraria no relacionamento com as pessoas, tanto profissionalmente quanto afetivamente. “O nosso objetivo é que as mulheres saiam de lá empoderadas”, completa.

 

Terça, 11 de Setembro de 2018 - 08:05

Burocracias que envolvem a abertura de uma empresa

Burocracias que envolvem a abertura de uma empresa
Foto: Reprodução

No Brasil abrir uma empresa, independente do tamanho, envolve de diversas questões. O empreendedor tem que passar por todos os desafios próprios do momento e também pelas burocracias.

 

A empresa pode nascer pequena e com o passar dos anos ir crescendo, ou começar como uma micro ou no formato de um MEI - Microempreendedor Individual e ir mudando de status, sempre de acordo com o faturamento e o lucro. Segundo o Sebrae os parâmetros de renda são: até R$81 mil é considerado MEI, até R$360 mil é uma microempresa e de R$360 mil até R$4.800.000 é uma empresa de pequeno porte.

 

O MEI é para aquela pessoa que tem pouca renda, mas um certo volume de trabalho, pode ter um único empregado e não pode fazer sociedade. Acessando o http://www.portaldoempreendedor.gov.br, é possível formalizar a empresa. Segundo o Sebrae, não há necessidade de contabilidade, porém é imprescindível ter o controle das notas fiscais e pagar os impostos destinados no momento da formalização no Portal do Empreendedor.

 

Como conta o site Contábeis, a diferença entre micro e pequena empresa é apenas o quanto elas faturam anualmente. Então o passo a passo é o mesmo, como conta o site do Sebrae, sabendo se há sociedade ou não o primeiro passo é ir na Junta Comercial ou Cartório de Registro de Pessoa Jurídica e lá formalizar o Contrato Social.

 

Após fazer o Contrato Social, com todas as informações passadas na Junta Comercial, a empreendedora irá receber o NIRE - Número de Identificação do Registro de Empresa. Com esse número é hora de emitir um CNPJ, direto do site da Receita Federal, sendo que esse processo é feito exclusivamente on-line.

 

Ao conseguir o CNPJ, é importante distinguir qual a atividade da empresa. Se for uma micro ou pequena empresa voltada a venda de bens é importante fazer uma Inscrição Estadual, na Secretaria Estadual da Fazenda.

 

Depois dessas etapas ainda é necessário as inscrições municipais, para quem tem um negócio prestador de serviço, precisa de: alvará dos bombeiros, alvará de funcionamento; em seguida um cadastro na Previdência Social e por fim um aparato fiscal para poder gerar notas fiscais.

 

Todas essas etapas são importantes, apesar de burocráticas, para que o negócio flua e no decorrer do caminho não haja dores de cabeça para se enquadrar com as leis e normas.

Terça, 04 de Setembro de 2018 - 08:05

Confira as dicas para se dar bem em concursos públicos

Confira as dicas para se dar bem em concursos públicos

Conseguir passar em um concurso público é o desejo de muitas mulheres. Além de salários mais atrativos, muitas instituições garantem também a estabilidade profissional. No entanto, para chegar até lá, é essencial manter uma rotina de estudos.

 

Além de manter uma rotina organizada, a advogada e concurseira, Elisabete Neta de 26 anos, aconselha que uma dica importante para outras concurseiras é sobre o fortalecimento emocional. “Controlar a ansiedade, o medo e a insegurança são essenciais para que se atinja o objetivo final. Se possível,  vale também procurar ajuda profissional”, explica.

 

Semana passada publicamos uma matéria que revela que cada vez mais mulheres tentam conquistar uma vaga em concursos! Hoje trazemos dicas importantes da consultora  do site G1, Lia Salgado, para obter sucesso nos concursos!

 

Rotina de estudos

Crie uma rotina de estudos consistente. O seu tempo de estudo é particular. Observe a sua rotina e divida o tempo da melhor maneira possível.

 

Tenha metas

Trace metas e foque em um concurso específico para não perder tempo.

 

Preparação

Conduza a preparação com equilíbrio e não velocidade. Em alguns casos, a aprovação pode não ser imediata, mas a garantia do emprego é para o resto da vida. É necessário persistência!

 

Olhe para o futuro

Escolha a sua área observando o tipo de atividade e, não só o salário. Afinal, esse será o seu trabalho.

 

Por dentro das novidades

Mantenha-se sempre informada sobre os editais e temáticas relacionadas.

 

De olho na saúde

Além do cuidado com os estudos, é importante não descuidar da saúde. Isso inclui manter uma boa alimentação, dormir direito, praticar atividade física e fazer exames.

 

Ajuda profissional

Muitas mulheres estudam sozinhas, mas isso depende de cada uma. Portanto, observe as suas necessidades e, se for preciso, busque ajuda em cursos presenciais, onlines, aulas especiais, entre outros.

Terça, 28 de Agosto de 2018 - 08:05

Taxa Rosa: Diversos produtos custam mais caro para as mulheres!

por Rafaela Souza

Taxa Rosa: Diversos produtos custam mais caro para as mulheres!
Foto: GoPetition

Sabe aquela lâmina de barbear rosa ou aquele shampoo de versão feminina e masculina na prateleira do mercado? Esses produtos podem estar custando mais caro para você, mulher! Isso acontece devido a cobrança dividida por gênero, que ficou popularmente conhecida nos Estados Unidos como “pink tax”, em tradução livre "taxa rosa".

 

A taxa rosa faz com que os gastos das mulheres sejam maiores que os dos homens nas compras de produtos similares. A problemática ganhou ainda mais visibilidade, após um estudo realizado pelo Departamento de Consumo de Nova York. Os dados apontaram que os produtos para mulheres custam, em média, 7% a mais do que os mesmos produtos masculinos. O levantamento ainda revelou que o setor de produtos de higiene pessoal teve a maior discrepância, em até 13%.

 

Para a advogada tributarista e mestra em Direito fiscal pela Universidade de Coimbra, Ingrid Radel, a taxa rosa é uma prática mundial. "Com o crescimento do mercado voltado à estética feminina, muitos são os cosméticos, produtos de beleza e higiene que prometem milagres. Embalagens engenhosas e publicidade direcionada ao público alvo tornam o negócio bastante lucrativo, pois a mulher “compra” a experiência de se sentir bonita. Os serviços em salões de beleza e lavanderias também têm cobrado preços mais elevados para o público feminino em detrimento do masculino, sem qualquer justificativa plausível", afirma.

 

TAXA ROSA NO BRASIL

Quando se trata do Brasil, a situação não é muito diferente dos EUA. É o que mostra uma pesquisa realizada pelo Mestrado Profissional em Comportamento do Consumidor (MPCC) da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). O estudo constatou que as mulheres pagam 12% a mais em produtos que são idênticos aos voltados para os homens. A pesquisa partiu da pergunta: Existe diferença de preço entre os produtos para as mulheres e para os homens? , e analisou essa diferença por categoria. Os resultados obtidos foram surpreendentes: Vestuário adulto: 17% mais caro, que a mesma versão masculina; Vestuário bebê/infantil: 23% mais caro na versão feminina; Produtos de higiene: 4% mais caro; Corte de cabelo: 27% mais caro; Brinquedos: 26% mais caro.

 

No entanto, a diferença pode ser mais evidente quando são observados produtos específicos. Um tênis branco de couro, cano alto custa 24% mais caro no modelo feminino, em valor pesquisado entre outubro de 2016 e janeiro de 2017. Uma calça jeans, modelo básico, da mesma marca apresentou preço 23% maior na peça feminina. Quando levantados os preços de produtos da categoria de saúde e beleza, um kit de lâmina de barbear, por exemplo, possui um valor 100% maior na versão da cor rosa. O shampoo anticaspa, da mesma marca, na versão masculina apresentou um preço 9,8% menor na embalagem azul, informa a pesquisa.

 

A mestra em direito fiscal explica que a taxa rosa não é um tipo de tributo, mas sim uma prática cultural. "Juridicamente, o imposto rosa não é uma espécie tributária, consiste na diferença do preço final de produtos e serviços destinados ao gênero feminino, mas não é um imposto efetivamente, e sim uma prática abusiva que deve ser fiscalizada pelos órgãos de consumo", adverte. Segundo ela, o próprio Código de Defesa do Consumidor define que são direitos básicos do consumidor. Caso as disposições previstas no código não sejam cumpridas e se o valor dos produtos apresentarem uma diferença muito grande, o fabricante ou comerciante podem ser penalizados.

 

SOLUÇÃO: CONSUMO CONSCIENTE

Ainda não existe nenhuma lei no país que proíba a prática da taxa rosa. Mas, há alguns hábitos e atitudes que podem amenizar esse impacto na finança das mulheres. A especialista sugere que adotar uma postura mais consciente em relação ao consumo é uma delas. “As consumidoras podem adotar medidas que visem a diminuição dessa prática, adotando o consumo consciente comparando produtos e serviços femininos e masculinos e optando por estes caso sejam similares e representem um custo menor, comprando produtos genéricos, não sucumbindo aos apelos publicitários direcionados às mulheres e fazendo pesquisas de preço”, completa.

Terça, 21 de Agosto de 2018 - 08:05

Educação financeira doméstica, você já aprendeu?

Educação financeira doméstica, você já aprendeu?

 

Educação financeira deveria ser matéria de escola e assunto para bate-papo familiar e não apenas para ser conversado quando as pessoas enfrentam alguma crise com o dinheiro, seja por desemprego ou gastos descontrolados.

O site da Folha de São Paulo dá o passo certo para cuidar das finanças da casa: mensurar ganhos e despesas, estudar maneiras de otimizar custos e planejar objetivos, detalhando como conseguirá atingi-los. O segredo é que a casa funcione como uma empresa, os princípios são exatamente os mesmos.

Tenha um caderno em mãos, uma tabela, planilha no Excel ou um aplicativo no celular, não importa onde nem como, mas tenha um lugar para registrar o que entra, sai e fica. Essa é uma orientação da Folha, e também do site Guia Bolso. Recomendações básicas para controlar e planejar os gastos.

Faça categorias de despesas como moradia, lazer, educação, saúde etc. Caso use uma tabela, coloque essas categorias como título de colunas, e você vai anotando quanto, quando e com o que foi gasto. Separando o que for gasto fixo, aquele que você já sabe o valor, dos variáveis. Você pega o seu salário e vai mensurando o que vai gastar e o que já gastou. Os benefícios de praticar um orçamento doméstico, desde que se tenha disciplina, são inúmeros. O mais imediato é não extrapolar o orçamento e com o tempo conseguir economizar, pode ser uma meta!

Terça, 14 de Agosto de 2018 - 09:05

Pesquisa revela aumento de mulheres em cargos públicos

por Rafaela Souza

Pesquisa revela aumento de mulheres em cargos públicos

A estabilidade financeira é um dos maiores objetivos para as mulheres que elegeram o concurso público como uma alternativa para a vida profissional. É o caso da advogada Elisabete Neta, de 26 anos, que viu nos concursos uma forma de conseguir a tão sonhada segurança. A jovem concurseira conta que o interesse por uma vaga na área começou desde o período que ainda estava na faculdade. “Tinha o pensamento sobre fazer concursos, mas ainda possuía muita dúvida sobre isso. Concluí o curso, passei cerca de um ano trabalhando em escritório, quando então decidi me dedicar efetivamente ao estudo”, revela.

 

Enquanto aguarda a posse do concurso que foi aprovada, a advogada não parou os estudos e visa ainda outras opções. “Ainda não fui chamada para tomar posse. Continuo estudando para outros concursos, sobretudo aqueles que eu sempre visei”, reitera.

 

A administradora Luna Santana, de 28 anos, também é uma das mulheres que estudam para passar em um concurso. Diferente de Elisabete, a administradora ainda não conseguiu uma vaga e, essa é uma realidade para muitas mulheres. “Faço provas estaduais e nacionais e as dificuldades se refletem no número de vagas, na concorrência altíssima e até alguns que têm pré-requisito de idade”, explica.

 

Já para Elisabete, fatores emocionais como ansiedade, autocobrança e custo para a preparação podem prejudicar o desempenho nas provas. A dupla rotina da maioria das mulheres também é um agravante. “Muitas mulheres que estudam para concurso vivem uma rotina mais cansativa, além de trabalhar fora de casa, se dividem entre os trabalhos domésticos e cuidados com os filhos, muitas vezes sem qualquer apoio”, relata a advogada.

 

Pesquisa revela aumento de mulheres em cargos públicos

 

Uma pesquisa realizada pela Associação Nacional de Proteção aos Concursos (Anpac) apontou o aumento significativo de mulheres que ingressaram em cargos públicos, inclusive em cargos que anteriormente eram procurados apenas por homens, como na área da segurança pública. Atualmente, 35% a 40% das inscrições foram compostas por mulheres. No entanto, as áreas mais procuradas por elas foram as dos tribunais, tanto no nível médio quanto no superior. Nas carreiras jurídicas, 60% das inscrições são de mulheres. A área fiscal, onde tradicionalmente a predominância era dos homens, agora se equipara em ambos os sexos.

 

A pesquisa também revelou que a faixa etária das candidatas ficou entre 25 e 40 anos. Além disso, os dados mostraram que as  primeiras colocações em concursos para juiz são do sexo feminino. O levantamento ainda concluiu que os principais motivos para as mulheres optarem pela carreira pública estão a ascensão profissional, a vocação, o reconhecimento e a independência econômica.

Histórico de Conteúdo