Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 08 de Junho de 2021 - 11:05

Comunicação Humanizada: como praticar a empatia no ambiente corporativo

por Dani Verdugo

Comunicação Humanizada: como praticar a empatia no ambiente corporativo

A "comunicação humanizada" ou "não violenta" é uma técnica de comunicação desenvolvida pelo psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg e pode ajudar qualquer pessoa, mesmo em situações cheias de conflito como a guerra, a se comunicar de modo mais eficaz.
 

A habilidade de se comunicar tem sido cada vez mais necessária no ambiente corporativo. E ambientes com maior abertura ao diálogo, que propiciem um caminho conciliador e pacífico, promovem maior engajamento das equipes, melhoram e preservam a saúde mental dos profissionais, e, consequentemente, impactam os resultados.
 

A Comunicação Humanizada auxilia no exercício de entendimento quanto às emoções por trás das falas, produzindo reflexões e, consequentemente, reações mais tranquilas. Quando adotada dentro de uma equipe em uma empresa, a comunicação não violenta favorece a manifestação de todos os colaboradores e lideranças, pois cria um ambiente acolhedor.
 

Isso não significa que não haverá debates ou discussões, e, sim, que será mais fácil chegar a um consenso.
 

Estruturada por quatro pilares: Consciência, Linguagem, Comunicação e Influência, a Comunicação Humanizada não é facilmente implementada. Mas se exercitada constantemente, acaba se tornando cultural e passa a integrar a "forma de ser" da companhia.
 

Abaixo, algumas dicas para exercitar a Comunicação Humanizada e se tornar um agente de transformação nas organizações:
 

• Evite pré-julgamentos sobre o que é "certo" ou "errado";
 

• Não se compare, nem compare os demais a outras pessoas;
 

• Abandone o tom acusatório, pois ele causa reações defensivas;
 

• Explique suas necessidades com clareza;
 

• Se coloque no lugar do outro;
 

• Expresse seus pontos vulneráveis, caso se sinta confortável;
 

• Antes de responder a uma ofensa ou ataque, pense com calma e exercite sua empatia. Não responda no mesmo tom.
 

*Dani Verdugo, empresária e headhunter, atua com Executive Search na THE Consulting

Histórico de Conteúdo