Terça, 26 de Novembro de 2019 - 09:05

O impacto do estresse feminino nas doenças odontológicas

O impacto do estresse feminino nas doenças odontológicas

 

Não é novidade que as mulheres são multitarefas. “Na prática, temos que nos desdobrar para equilibrar todas as atividades pelas quais somos responsáveis. Óbvio que essa forma de viver tem um preço alto para as mulheres e exige uma carga energética física e mental alucinante” é o que constata a cirurgiã dentista Selma Nishimura. Como resultado, as mulheres enfrentam o famoso quadro de estresse com músculos e nervos retesados. Há ampla literatura sobre o impacto dessa tensão constante na qualidade de vida e na saúde feminina, mas pouco se fala sobre a relação com a saúde odontológica. “O estresse está associado, claramente, às condições básicas para o desenvolvimento de disfunção temporomandibular; para o bruxismo; ou para o “apertamento” dentário”, revelou a dentista.

 

E quais os sintomas? As dores de cabeça constante; dores de ouvido; dor e pressão atrás dos olhos; dor ao mastigar ou ao bocejar; estalos ao abrir e fechar a boca; travamento ou deslocamento da mandíbula; mudança na forma de mastigar ou flacidez dos músculos da mastigação – independente da sua idade –, podem indicar uma disfunção temporomandibular ou bruxismo.Para auxiliar no tratamento, a parte odontológica deve ser devidamente avaliada e tratada.

A dentista Sued Queiroz da Live Odontologia, também, vem observando mulheres com diversos problemas odontológicos resultantes de uma vida mais corrida e estressante, aqui em Salvador. Ela que utiliza recursos tecnológicos para diagnosticar os pacientes indica, também, a polissonografia para investigar o bruxismo ou até mesmo se o paciente tem apinéia do sono.

 

Segundo Sued, a odontologia pode ajudar diversas formas muitas vezes são usadas as placas oclusais no tratamento tempromandibular (DTM), uso de lasers terapia e até reabilitação com próteses.  mas cada caso é um caso diferente e cada paciente possui uma necessidade, portanto, o planejamento deve ser único" reforça ela.

 

Segundo os dentistas para alguns problemas o tratamento deve ser multidisciplinar, ou seja, com envolvimento de profissionais como psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos. Saber escutar o próprio corpo é sinal de autoestima e reflete na qualidade de vida. E, deve caber em qualquer agenda feminina... por mais atarefada que ela seja! “recomenda a dentista.

Histórico de Conteúdo