Vitamina D: A nova queridinha da saúde no reforço a imunidade

O déficit de vitamina D é confirmado por meio de exames de sangue específicos. De acordo com a OMS, há insuficiência quando a concentração é menor do que 30 ng/ml (nanogramas por mililitro de sangue). Valores abaixo de 10 ng/ml são classificados como insuficiência grave. Dosagens iguais ou superiores a 30 ng/ml estão na faixa da normalidade, cujo limite máximo é 100 ng/ml. 

Vitamina D é o nome geral dado a um grupo de compostos lipossolúveis que são essenciais para manter o equilíbrio mineral no corpo. As formas principais são conhecidas como vitamina D2 (ergocalciferol: de origem vegetal) e vitamina D3 (colecalciferol: de origem animal). 

Embora seja chamada de vitamina, a substância é, na verdade, um pró-hormônio, ou seja, dá origem a vários hormônios importantes para o corpo. É sintetizada a partir de uma fração do colesterol, transformada sob a ação dos raios ultravioleta B do sol. Ela também está presente em alimentos -- principalmente peixes de água fria --, mas sua concentração neles é muito pequena, o que dificulta atingir as necessidades diárias. 

Estudos científicos já revelaram que a vitamina D oferece proteção contra doenças respiratórias e fortalece o sistema imunológico. Outro alerta veio da Organização Mundial da Saúde (OMS), que a deficiência da substância pode diminuir a imunidade, pois ela desempenha um papel de imunomodulação, aumentando as defesas das mucosas.

A nutricionista Adriana Stavro, especialista em Doenças Crônicas não Transmissíveis, destaca que a vitamina D é fundamental para o bom funcionamento do nosso organismo como um todo, pois além de atuar na regulação do sistema imunológico, que é nosso sistema de defesa, ela faz parte de todo um processo de tratamento e prevenção, inclusive, de doenças autoimunes, como artrite reumatoide e a esclerose múltipla. 

Para garantir níveis adequados de vitamina D, o Ministério da Saúde recomenda, além de consumir alimentos fontes, a exposição solar de quinze a vinte minutos pelo menos três vezes por semana, sem protetor solar, até às 10:00h ou após as 16:00h. 

Vitamina D nos alimentos 
1 colher (sopa) de óleo de fígado de bacalhau — 227% da quantidade diária recomendada 
85 g de salmão cozido — 75% da quantidade diária recomendada. 
85 g de atum enlatado com água — 26% da quantidade diária recomendada 
85 g de fígado de boi cozido — 7% da quantidade diária recomendada 
1 ovo grande (com gema) — 7% da quantidade diária recomendada. 
 


 

 
   


 





 

 

Terça, 24 de Março de 2020 - 15:05

QUARENTENA: O que comprar? Qual quantidade? 

 QUARENTENA: O que comprar?  Qual quantidade? 



Embora não estejamos como na Itália, e Argentina (proibidos de sair de casa) como resultado da pandemia do coronavírus (COVID19) as circunstâncias nos obrigaram a considerar que a auto quarentena chegou. E à medida em que os casos se espalham pelo mundo e mais pessoas são expostas ao vírus, mais e mais indivíduos e famílias entram em quarentena imposta ou de forma voluntária. 

Há menos de um mês, aqui no Brasil isso parecia ser impensável. Mas hoje o termo quarentena se torna cada vez mais realidade. Portanto, se a quarentena bater na nossa porta, não é nada recomendável pedir pizza por 2 semanas no café da manhã, almoço e jantar. 


Por isso, vamos nos organizar. Quais alimentos você deve ter  em casa por duas semanas? Entenda que, depois de saber que você deve ficar de forma imposta em quarentena, será tarde demais para dar uma parada no supermercado mais próximo. 

Neste momento a mensagem principal é: planeje com antecedência, mas sem pânico. 

Vamos lá. Hora de abrir os armários e despensa. Faça um inventário do que você já tem em casa 
Não corra para o super mercado e comece a colocar caixas e mais caixas de suco, leite, arroz, feijão arroz etc. no carrinho. Não precisa. Tem mais gente que precisa comprar. Lembre-se SOLIDARIEDADE. 

Feito o inventário, aí sim vá até a loja e compre os produtos que estão faltando e que poderão ser consumidos por duas semanas. Mas lembre-se. Consuma o que você tem em casa primeiro. E a regra é, o primeiro a vencer o primeiro a ser consumido. 

Organize um cardápio com ingredientes que não sejam perecíveis como: arroz, feijão, feijão fradinho, macarrão, quinua, grão de bico, cuscus marroquino, tapioca, aprimorados com proteínas e vegetais. 
Você também pode incorporar facilmente produtos lácteos. Com exceção do leite fresco, os produtos lácteos como queijo e iogurte costumam ter uma data de validade maior que 2 semanas. 

O maior problema são as frutas e legumes frescos, especialmente na segunda semana da quarentena (imposta). Maçãs, laranjas e peras duram mais tempo, assim como alguns legumes (cebola, batata, abóbora e cenoura). Por isso consuma os outros vegetais e frutas primeiro e deixe estes para a segunda semana. Outra opção são os congelados. 

Frutas e legumes congelados são nutricionalmente semelhantes. Brócolis congelado, espinafre e vegetais misturados podem ser cozidos no vapor, salteados ou assados, como faria com os frescos. 

Estocar comida congelada é bom, mas e as famílias que não têm muito espaço no congelado/freezer? Para otimizar o espaço no freezer, remova os alimentos de suas embalagens originais e armazene por porções do tamanho das suas refeições em sacos com zíper. Não esqueça de rotular as sacolas, com nome dos alimentos e a data de validade. 

Manter refeições simples e sem estresse durante a quarentena é muito importante. Duas semanas presas na casa, sua paciência pode se esgotar muito mais cedo do que se espera.  É hora de comida simples, pouco estresse e colaboração de todos da casa. 

 Apenas fique atento aos suprimentos básicos, faça um plano e faça suas compras com sensatez. E não coma uma caixa inteira de barras de cereais de uma só vez. EQUILÍBRIO.

Segunda, 09 de Março de 2020 - 08:05

Mulheres vivem 4 anos mais do que homens 

Mulheres vivem 4 anos mais do que homens 

 

Ao longo dos anos, diversos avanços na medicina e na sociedade permitiram que as pessoas vivessem mais e melhor. De acordo com o o último levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS), atualmente, a expectativa de vida dos homens é de quase 70 anos e, das mulheres, cerca de 74. Embora a igualdade de gênero tenham melhorado as condições de vida e a saúde feminina nas últimas décadas, ainda há comportamentos, exposição a riscos e vulnerabilidade a doenças típicos das mulheres. 

"De maneira geral, as enfermidades que mais diminuem a expectativa das mulheres são as doenças cardiovasculares, como o acidente vascular cerebral (AVC) e o infarto, a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e o Alzheimer, além de outras específicas, como câncer do colo do útero, câncer de mama e problemas relacionados à gestação", revela Nadia Ferreira Rivera membro da Doctoralia, mestre em Medicina, especialista em clínica geral, diagnóstico, medicina de adolescentes e endocrinologia. 

Embora sejam biologicamente mais suscetíveis a essas doenças, o estilo de vida interfere diretamente no desenvolvimento dos problemas de saúde. "As mulheres costumam ter uma alimentação mais equilibrada, com alta ingestão de frutas, legumes e hortaliças, o que pode reduzir em até 30% o risco de doença cardiovascular. Ao mesmo tempo, elas não costumam incluir atividades físicas em sua rotina diária, o que pode aumentar o risco", alerta a médica. 

Para que as mulheres vivam mais e com qualidade, o acompanhamento médico ao longo da vida é fundamental. "Em cada faixa etária há exames que podem auxiliar no diagnóstico precoce de doenças, permitindo que seja feito o tratamento em estágio inicial e aumentando as chances de cura. Entre eles, estão o Papanicolau, a mamografia, o eletrocardiograma e a curva glicoinsulinêmica. Este último ajuda a detectar o pré-diabetes, que tem uma alta taxa de risco cardiovascular nas mulheres", explica Dra. Nadia. 

Cuidado com a saúde na palma da mão 

As mulheres não param. Muitas se dividem entre trabalho, família, amigos e acabam precisando de uma ajuda extra para otimizar as atividades do dia e cuidar da saúde. Por esse motivo, utilizam-se de todos os recursos disponíveis, como os aplicativos de celular. Os apps auxiliam no controle do período menstrual, em dietas e exercícios e no agendamento de consultas com especialistas, como o da Doctoralia. 

Quarta, 04 de Março de 2020 - 09:05

Março Amarelo chama atenção para a endometriose

Março Amarelo chama atenção para a endometriose

  

A campanha do Março Amarelo é o ponto de partida para chamar a atenção para um problema mais comum do que se imagina, a endometriose. A doença já atinge 176 milhões de mulheres ao redor do mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil são sete milhões de mulheres que sofrem com a doença. E o pior: 10% a 15% das mulheres brasileiras que são acometidas pela endometriose estão em idade reprodutiva.

 

A endometriose ocorre quando o endométrio, a mucosa que reveste a parede interna do útero – e que é eliminada durante a menstruação - ao invés de ser expelido para fora do corpo, acaba indo no sentido contrário e alcançando a cavidade abdominal ou mesmo os ovários.

 

O grande problema, segundo especialistas, é que ainda existe uma demora muito grande no diagnóstico da doença. Muitas vezes porque, como os sintomas são semelhantes aos da menstruação, como dores e cólicas, as mulheres não se atentam.

 

“É fundamental que a mulher esteja atenta aos mínimos sinais em seu corpo. Quanto antes for descoberta e tratada menores serão as implicações que a endometriose pode vir a ocasionar”, explica a médica  Genevieve Coelho. Vale ressaltar que a endometriose é uma doença grave, mas que se descoberta cedo, tem tratamento e pode não causar sequelas.

 

Quanto mais atentas aos sinais que a endometriose vai emitindo, maiores as são as chances de uma descoberta breve e também se reduz a possibilidade de ela evoluir para a grave consequência da infertilidade.

O assunto está tão em voga que a Dra. Genevieve Coelho fará uma palestra sobre Endometriose no Ministério Público da União, em Salvador, no próximo dia 12 de março. O evento é direcionado para servidoras do órgão.

Quinta, 27 de Fevereiro de 2020 - 21:05

Exagerou na folia? Especialistas sugerem detox, dieta e noites de sono

por Iga Bastianelli

Exagerou na folia? Especialistas sugerem detox, dieta e noites de sono

 

 

O Carnaval é com certeza um dos feriados mais esperados pelos brasileiros e sabemos que fins de semana prolongados, como este, são um convite aos excessos, não é mesmo? É normal que as pessoas deixem de lado seus hábitos saudáveis, exagerem na ingestão de alimentos gordurosos, doces e álcool.

 

Agora que o feriado acabou, você não sabe como voltar à rotina? Esse é o momento de redefinir suas metas, adotar estratégias certeiras para retomar o foco, seguindo uma alimentação balanceada e retomando a prática de exercícios físicos. 

 

De acordo com estudo inédito realizado pelo Vigilantes do Peso com mais de 1.500 brasileiros, 79% das pessoas alegam ter emagrecido e voltado a engordar por não conseguir manter os métodos usados. "O efeito sanfona consiste na volta do organismo ao peso anterior e ocorre justamente porque as dietas são generalizadas e não levam em consideração as características individuais", explica o Nutricionista do Vigilantes do Peso, Matheus Motta. 

 

Para não se deixar impactar pelo Carnaval, confira cinco dicas inspiradas no estudo publicado pela Revista Obesity. 

Metas diárias de ingestão de alimentos: Que tal aproveitar o momento e escolher quais produtos irá consumir ao longo do dia. A forma de estabelecer objetivos pode influenciar a probabilidade de alcançá-los.

Anote tudo o que consumir: Esse processo acontece devagar e é uma das maneiras mais eficazes para emagrecer.

Coma mais frutas e legumes: Consumir um prato repleto de frutas, legumes e verduras coloridas faz bem para a saúde e acaba proporcionando a perda de peso.


De acordo com Jessica Santos, nutricionista da Superbom, empresa alimentícia especializada na fabricação de produtos saudáveis, é importante voltar o mais rápido possível à rotina:

hidratação
A água é a principal aliada para evitar desidratação, problemas de digestão e inchaço pós-folia. Além de beber os dois litros de água por dia, também é possível optar por  sucos integrais ou naturais e até água saborizada com frutas. 

Reduza o consumo de alimentos gordurosos
“Comidas ricas em gorduras trans e sódio podem interferir no bom funcionamento do intestino, causando a sensação de inchaço.

Inclua mais frutas no dia a dia  
Abacaxi, melancia e melão são algumas opções de frutas que facilitam a eliminação de toxinas do organismo, além de serem pouco calóricas e ajudarem na digestão.

Adotar outros hábitos saudáveis 
outra recomendação é descansar, respeitando as oito horas de sono necessárias para a recuperação do corpo.

A Consultora do Sono da Duoflex, Renata Federighi, explica como os foliões podem recuperar as forças após dias intensos de comemoração que causam um acumulo de cansaço. 

"Pequenas medidas já são suficientes para revigorar o corpo e a mente. A recuperação do sono deve ser feita de forma gradual e a longo prazo para restaurar o padrão natural. Por isso, é indispensável respeitar a rotina do sono e evitar exageros", explica a especialista. 

Sono de Qualidade

Os horários irregulares de sono devem ser reajustados para que as fundamentais 7/8 horas bem dormidas sejam asseguradas. Para isso, é necessário um ambiente calmo, escuro, bem arejado e confortável. "Colchão e travesseiros corretos são indispensáveis. O primeiro deve ser macio o suficiente para deitar sem afundar, já o travesseiro deve sustentar a cabeça e alinhar a coluna". A posição mais indicada para dormir é a lateral com os joelhos semiflexionados e, de preferência, com um travesseiro entre eles.

Quarta, 19 de Fevereiro de 2020 - 17:05

Nutricionistas falam para o BN Mulher como se alimentar durante os dias de folia

por Iga Bastianelli

Nutricionistas falam para o BN Mulher como se alimentar durante os dias de folia

 

 

Além da fantasia é fundamental cuidar da alimentação durante os dias de folia. Para isso uma hidratação e alguns cuidados são essenciais. 

O período de Carnaval é uma época onde os foliões gastam muita energia e podem perder bastante líquido. Para isso o foco é não deixar de fazer uma alimentação equilibrada e ingestão adequada de água. “Para aqueles que vão passar o dia fora de casa, devem realizar uma boa refeição com quantidade de proteínas magras, gorduras saudáveis como azeite, castanhas e abacate, carboidratos integrais”, explicou a nutricionista paulista Adriana Stavro . 

De acordo com ela outra boa dica é levar pequenos lanches para serem consumidos ao longo do dia, uma estratégia para não correr o risco de hipoglicemia.

 
     

Já para Cristiane Hanashiro, nutricionista da Beneficência Portuguesa de São Paulo é recomendável ter um café da manhã reforçado com frutas, fibras e cereais, ovos, pão integral e vitaminas de frutas", explica 

 

Segundo ela é importante evitar comer em lugares inadequados para não correr o risco de ter uma intoxicação alimentar", salienta e especialista. 

 

Mantenha-se hidratado 

A hidratação do corpo é indispensável e, por isso, a ideia é consumir líquidos como suco de frutas naturais, água e água de coco para suprir as necessidades de hidratação. 

 

Alimentos para dar disposição 

Nutricionista da Bio Mundo lista as melhores comidas apara se incluir no cardápio do folião 

• Castanhas: fonte abundante de energia e sais mineiras, além de serem snacks práticos e saudáveis para levar na bolsa. "Oferecem ômega 3 e 6, vitamina E e fotoquímicos. Pequenas porções são extremamente nutritivas", explica a especialista. 

• Melancia: fruta rica em água, essencial para manter a boa hidratação. Além de ser fonte de minerais como magnésio e potássio e vitaminas A e C. 

• Gengibre: poderoso digestivo e auxilia contra mal estar e enjoo. Dica: suco de melancia com gengibre. 

• Ovo: Um café da manhã reforçado para quem deseja um dia inteiro de energia deve ter ovo incluso, já que o alimento é rico em proteínas. "Combinar com uma fatia de queijo branco, por exemplo, torna a refeição ainda mais saborosa e completa", sugere a profissional. 

Quinta, 13 de Fevereiro de 2020 - 10:05

Motivação ajuda a perder até 5x mais peso, aponta estudo!

 Motivação ajuda a perder até 5x mais peso, aponta estudo!

Todo mundo sabe que para perder peso de forma saudável e duradoura é necessário adotar novos hábitos, mudar a dieta e praticar atividade física regularmente. Mas, sabemos que mesmo para as pessoas que já estabeleceram uma rotina, encontram dificuldades em se adaptar a novo esse processo. 

 

De acordo com estudo científico publicado pelo International Journal of Obesity, a falta de incentivo pode prejudicar diretamente o emagrecimento. A pesquisa aponta que a motivação é um fator importantíssimo na luta contra a balança, podendo potencializar em até cinco vezes a perda de peso. 

 

O Nutricionista do Vigilantes do Peso, Matheus Motta, ressalta que para se manter focado é importante encarar a realidade com leveza, vivendo um dia de cada vez e sabendo tirar lições das adversidades. "A jornada para emagrecer é um processo que exige disciplina e força de vontade". 

 

Brunno Chagas é um bom exemplo disso. Associado do Vigilantes do Peso, o arquiteto conseguiu perder 25 kg em aproximadamente um ano com a ajuda do programa e da prática de atividade física. "Desde a infância sempre tive problemas com o excesso de peso e tinha dificuldade de emagrecer. Imaginava todos os dias como gostaria de estar, mas não sabia por onde começar. Foi aí que decidi mudar meus hábitos para perder peso com saúde". 

 

Confira quatro passos que vão ajudar a ter mais motivação: 

 

Mantenha o Foco: Se essa semana você se deixou levar pelos excessos e não perdeu tanto peso quanto gostaria, pense na causa principal. Pode ter sido aquele reencontro com os amigos de escola na pizzaria, ou o happy hour para comemorar o aniversário de um colega de trabalho. Acabou exagerando? Comece a semana planejando suas refeições para não perder o controle da sua alimentação. 

 

Metas Realistas: Não adianta se matricular na academia mais moderna se você não tem tempo para frequentá-la ou isso vai pesar demais no orçamento. Passe a subir as escadas ao invés de usar o elevador quando chegar em casa e no trabalho. Use espaços públicos para caminhadas e corridas. Escolha atividades que você gosta e sua meta de exercícios será atingida de uma forma mais rápida e natural. 

 

Planejamento: Tem um compromisso importante e está se sentindo muito ansioso? Não compre doces e tenha sempre por perto opções mais saudáveis, como frutas ou barras de cereal. Considere fazer um exercício de respiração ou meditação para se acalmar. 

 

Pensamento Positivo: Apesar de acontecimentos ruins, você ainda pode conseguir se alimentar de forma saudável, fazer atividades físicas e sentir-se bem. E, se não atingiu a meta estabelecida para esse período, tudo bem. Faça os ajustes necessários para a próxima semana. Não desanime! 

Quarta, 05 de Fevereiro de 2020 - 07:05

Dia Nacional da Mamografia: entenda o exame 

Dia Nacional da Mamografia: entenda o exame 

 

 

O Dia Nacional da Mamografia, comemorado em 5 de fevereiro, foi adotado para a conscientização da importância do exame. O câncer de mama é o tumor maligno mais incidente entre as mulheres, principalmente nas idades de 40 a 60 anos. A Dra. Vivian Milani, médica radiologista da Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (Fidi), alerta que muitos tumores mamários não são palpáveis ou dolorosos, por isso a necessidade de ações preventivas para uma análise precoce. 

"A mamografia é capaz de detectar lesões muito pequenas, de milímetros, imperceptíveis à palpação. Quando uma alteração é detectada inicialmente, como, por exemplo, nódulos, as chances de cura são muito maiores", explica a especialista. 

Apesar das campanhas divulgadas constantemente sobre o assunto pela mídia e órgãos de saúde, algumas pessoas costumam ter dúvidas sobre o exame. Pensando nisso, o Dr. Renato Walch, médico da família e Diretor Médico da Amparo Saúde, startup voltada para medicina da família no Brasil, tirou algumas dúvidas e reforçou a importância do medicina da família para as mulheres: 

 

• Como é feita a mamografia e para que serve? 

A mamografia é um tipo de raio-x realizado por meio do mamógrafo, um aparelho que possui duas superfícies que tem como função fazer uma compressão da mama da mulher. Esse exame é usado para detectar lesões no tecido mamário que vão desde lesões inespecíficas (calcificações), cistos simples, até tumores malignos. 

 

• Todas as mulheres podem fazer a mamografia? 

Sim, toda mulher pode realizar o análise, mas a recomendação do Ministério da Saúde é que mulheres entre 50 e 69 anos façam a mamografia a cada dois anos. Essa é a regra geral, mas pode variar de acordo com cada caso. Por exemplo, para aquelas que possuem fatores de risco para o desenvolvimento da doença, como história familiar ou não ter tido filhos, o médico pode pedir que o exame comece a ser feito antes, por volta dos 35 anos. 

 

• O ultrassom de mama ajuda no diagnóstico do câncer de mama? 

Sim! Em mulheres mais jovens e até antes dos 50 anos ou com mamas pequenas, o ultrassom pode ser o exame mais indicado para avaliar alguma possível lesão. Mas é importante lembrar que para o rastreamento específico da doença, apenas a mamografia é indicada, pois com a idade, a mama sofre uma alteração fisiológica (natural) que é a lipo-substituição do tecido mamário (por tecido de gordura, mais flácido e sem sustentação), que impede a avaliação assertiva. 

 

• Existe cuidados e contraindicações que podem evitar o Câncer de Mama? 

Há uma relação com história familiar. A mulher que tem parentes de 1º grau (mãe, filha ou irmã) que tiveram a doença, devem estar mais atentas aos sinais precoces e aos cuidados, principalmente após os 35 anos. O aumento do número de casos pode também estar ligado a mudança dos hábitos alimentares da população, ganho de peso, início da menarca (1ª menstruação da mulher), amamentação e quantidade de filhos, considerando que cada vez mais mulheres engravidam com mais idade. 

 

 
Cuidados com o cabelo durante o verão para manter os fios saudáveis!


Em 22 de dezembro começou a época mais quente do ano. Com as temperaturas elevadas e o sol marcante, o cabelo merece atenção para não danificar durante esse período. Da hidratação à proteção, cuidados como usar protetores e óleos são essenciais. 

Para começar a temporada, recomenda-se procurar um salão para aparar as pontas do cabelo. Assim, antes de submeter os fios aos fatores de ressecamento inevitáveis do verão, eliminam-se as pontas duplas que já existem, evitando que essas abram mais ainda e possam quebrar. "Além disso, é sempre bom submeter as madeixas à uma hidratação profunda feita por um profissional, para blindar os fios", recomenda o hairstylist Bruno Oliver. 

Pode parecer que não, mas o sol danifica e muito os cabelos. "O calor dos raios UV fragiliza as madeixas, por isso, é importante sempre usar produtos que tenham proteção solar", alerta Oliver. Durante essa época do ano, vale trocar o shampoo que normalmente se usa, por um mais hidratante e incluir condicionador, máscara, creme de pentear e óleo capilar com filtro solar na rotina de cuidados. 

Outra alternativa para proteger o cabelo do sol é usar chapéus, bonés ou lenços quando for passar muito tempo exposto ao calor. 


Praia e piscina 

"A água do mar é prejudicial para o cabelo por conta do sal que resseca os fios, fragilizando-os e deixando quebradiços. Para evitar que isso aconteça, é importante manter a cutícula dos fios selada" aconselha Bruno Oliver. 

A dica para quem vai dar um mergulho é passar um creme ou fazer umectação com algum óleo capilar. E, após tomar banho de mar, deve-se lavar os cabelos com água doce o mais rápido possível. 

 

Pesquisa revela o comportamento do brasileiro na hora das refeições em 2019

 

A saúde alimentar entrou no radar dos brasileiros. Como as pessoas observaram suas refeições de 2019, e agora como pretendem cuidar da saúde em 2020? Quais são suas expectativas? Pensando nisso, a Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de consumo, entrevistou digitalmente mais de 1.800 brasileiros entre 16 e 75 anos em todo o país, que fazem no mínimo uma refeição fora de casa entre segunda e sexta, analisando o comportamento de cada refeição, café da manhã, almoço e jantar. 

Café da Manhã 

Para 35% dos brasileiros entrevistados, o café da manhã deveria ser uma boa refeição, mas hoje não a consideram ideal. Entre os jovens esse número sobe para 41%. 

64% dos brasileiros acreditam que poderiam ter mais tempo no café da manhã. 43% acreditam que esta refeição poderia ser mais saudável. 48% disseram que deveria reduzir o açúcar. 38% gostariam de mais frutas. 32% variariam o cardápio, e 26% gostariam de comer menos pão. 81% dos brasileiros tomam o café da manhã em suas casas.

Como expectativas para 2020, o brasileiro pretende beber mais sucos e leites e deixar o café preto para depois do almoço ou no lanche da tarde. Trocar os petiscos gordurosos por snacks saudáveis. Incluir grãos sem glúten, torradas integrais, geléias naturais e produtos orgânicos locais. Menos açúcar também foi citado, e para substituí-lo de manhã, o brasileiro pretende incluir mais frutas. 

Almoço 

40% dos brasileiros almoçam fora de casa mais de 3x por semana, e esse número sobe para 49% entre jovens. Na hora do almoço, a pesquisa identificou que a maioria da reclamação é não conseguir manter uma dieta balanceada. Na hora de sair para almoçar, o brasileiro prefere restaurante por kilo, prato feito e Buffet, respectivamente nessa ordem. 

73% dos entrevistados disseram que poderiam montar pratos mais saudáveis nos restaurantes por kilo. 71% gostariam de reduzir o consumo de "frituras". 68% dos brasileiros gostariam de poder comer com mais calma. 51% acreditam que poderiam reduzir o consumo de refrigerantes.

Em 2019, o brasileiro já modificou um pouco seu comportamento na hora do almoço. 49% dos entrevistados introduziram mais saladas no prato, buscando uma alimentação melhor. Porém, 61% ainda acham que não é o suficiente, e querem melhorar ainda mais seu mix diário de alimentos. 

43% dos brasileiros com mais de 30 anos e 40% abaixo dos 30 anos, tentam se alimentar no dia a dia com marmitas que preparam em casa, visando economizar e se policiar para se alimentar saudavelmente. 

61% consideram uma refeição completa na hora do almoço se ela é finalizada com uma sobremesa, fruta ou café. 

E o que mais agrada e mais incomoda nos restaurantes? 69% dos entrevistados elogiaram os locais que tinham talhares, guardanapos e tempero na mesa; 73% dos brasileiros na hora de escolherem o restaurante para almoçar, tentam buscar opções onde suas roupas não fiquem com "cheiro de comida". 

O atendimento continua sendo um diferencial para o brasileiro. 66% dos brasileiros relacionam seu retorno ao local ao bom atendimento que tiveram. Nas cidades menores essa relação é ainda mais forte. 

Como expectativas para 2020, o brasileiro gostaria de ter acesso a um conteúdo colaborativo, em que ele pudesse buscar mais informações sobre os alimentos que está consumindo, compartilhar suas experiências. Melhorar ainda mais o mix de opções do prato é um dos principais objetivos para o ano que vem. Os temperos naturais também foram citados, inclusive, reduzir sódio e condimentos, com molhos e temperos mais naturais e frescos. Um dos principais desejos do brasileiro para 2020 é conseguir fazer uma refeição com a família pelo menos 1x por semana. 

Jantar 

O jantar é a refeição mais praticada em casa pelo brasileiro. 77% jantam em suas casas no mínimo 6x por semana, entre brasileiros com mais de 30 anos, entre os brasileiros abaixo dos 30 esse número cai para 68%. Apesar de ser a refeição mais realizada nos lares brasileiros, é também a mais negligenciada. 56% dos brasileiros nem pensam no assunto até sentirem fome, entre os jovens brasileiros esse número sobe para 63%. 

64% dos entrevistados acreditam que poderiam planejar o jantar antecipadamente. 43% disseram que poderiam comer algo mais leve e mais saudável. 49% gostariam de reduzir o pão e similares. 40% gostariam de evitar o consumo de comida pronta. 37% disseram que poderiam introduzir mais verduras e legumes, e 33% poderiam reduzir o consumo do café. 

Segundo observado pela pesquisa, um dado chamou atenção: o pãozinho está presente no jantar tanto quanto no café da manhã. 81% dos entrevistados afirmaram ter o pão presente nas refeições noturnas. Ao menos uma pessoa da casa inclui esse alimento no jantar. 

6 em cada 10 brasileiros gostariam de se alimentar mais cedo e mais leve, pois acreditam que dormiriam melhor desta forma. Nos jovens abaixo dos 30 anos, 7 em cada 10 pensam da mesma forma. 

Para 2020, o brasileiro gostaria de ter um sono melhor, podendo se alimentar mais cedo, com mais saladas, e reduzindo consumo de cafeína. O brasileiro quer resgatar a refeição em família, e menos celulares a mesa. 

Sobre os deliverys de comida, o brasileiro espera que em 2020 eles possam atender até mais tarde, porém com opções mais saudáveis do que pizzas e lanches. 

Sobre a Hibou: 

A Hibou é uma empresa especializada em pesquisa e monitoramento de mercado e consumo, existente há mais de 11 anos. A Hibou trabalha o tempo todo com informação e olhares inquietos sempre do ponto de vista do consumidor.

Histórico de Conteúdo