Sábado, 16 de Junho de 2018 - 14:00

Como cuidar dos cabelos no inverno

Como cuidar dos cabelos no inverno
Foto: Reprodução / Pinterest

Com a chegada do inverno, muita gente cuida da pele e esquece que os cabelos podem sofrer também com as baixas temperaturas. Para evitar problemas é preciso tomar alguns cuidados especiais. 
Segundo o site da revista Boa Forma, tudo pode ser evitado com algumas dicas simples. Confira:

 

Oleosidade em excesso

Os banhos muito quentes e o aumento do uso do secador estimulam as glândulas sebáceas, o que deixam a raiz e os fios mais oleosos. Para que isso não aconteça, é necessário regular a temperatura da água e usar o secador com pelo menos 10 cm de distância dos fios. Além de não aplicar o condicionador direto na raiz, pois o produto pode obstruir os bulbos capilares favorecendo a produção de óleo e caspa.

 

Ressecamento

Ao mesmo tempo, o calor pode contribuir para o ressecamento dos fios. Isso porque as cutículas dos fios se abrem, deixando o cabelo com aspecto aspero. Aposte em máscaras de tratamento e protetores térmicos para reverter a situação.

 

Queda

Devido a baixa intensidade dos raios solares, os fios acabam recebendo menos vitamina D, o que estimula a queda capilar. A depender da gravidade, o mais indicado é procurar um tratamento especializado com profissionais.

 Rede Amigas de Dulce, voluntárias se dividem em grupos de trabalho

 

A Rede Amigas de Dulce é formada por um grupo de 124 mulheres voluntárias que se uniram há 1 ano para apoiar as Obras Sociais de Irmã Dulce. A coordenação desta Corrente do Bem é de Rosemma Maluf com a chancela de Maria Rita presidente da OSID – Obras Sociais de Irmã Dulce. Divididas em Grupos de trabalho as amigas realizam diversas ações beneficentes para ajudar essa obra social que começou com a missão do Anjo Bom da Bahia.

 

Em um ano de trabalho as amigas da Rede de Dulce entre doações de cotas, Notte Dulce, ações de venda de "tijolinhos" e parcerias conseguiram captar R$ 189 mil reais. A meta é alcançar os R$ 400 mil reais. O propósito de todos os grupos é trabalhar para angariar recursos para a construção da segunda etapa da Unidade Dona Dulce, unidade de atendimento de emergência a pacientes oncológicos em tratamento.

 

Dentro da rede de amigas existem temáticas diferenciadas de voluntariado. Jana Simões, por exemplo, está a frente do Grupo de Trabalho  “Chá das Amigas de Irmã Dulce”. Esta ação acontece anualmente para angariar fundos e sua II Edição vai acontecer no Yacht Clube da Bahia, no dia 15 de Agosto. Até o momento para este chá as amigas já conseguiram o apoio do  Mignon Buffet, Viva Gula, Doces Sonhos e Kopenhagen.

Já Clara Paes Martins coordena o Grupo de Trabalho Memorial e Tijolinhos junto as escolas. Essa é uma ação Educativa sobre plantar boas sementes e colher bons frutos. O público alvo são crianças e adolescentes, de escolas particulares e públicas de Salvador. Elas terão a oportunidade de visitar e conhecer de perto a OSID, entender quem foi irmã Dulce, qual a sua importância e o tamanho do seu legado.

Clara Paes Martins conta que o objetivo é criar os voluntários do amanhã: “se hoje a rede de amigas existe, é por que ontem conhecemos a vida e história de irmã Dulce”, disse Clara .

O Grupo de Trabalho de Comunicação coordenado pela jornalista Iga Bastianelli contempla em seu Plano de Ação promover ações de relacionamento com formadores de opinião, jornalistas, blogueiros e publicitários. Consta entre as ações gerar e produzir conteúdo jornalístico para divulgar as ações da Rede Amigas de Dulce por meio dos veículos tradicionais como rádios, Tvs, impressos e mídias digitais. As ações de network/relacionamento também visam captar parceiros para apoiar as Obras Sociais de Irmã Dulce.

O Grupo de Trabalho Anjos de Irmã Dulce é o mais novo, está sendo lançado e tem a coordenação da Consultora de negócios e professora Sueli de Paula que pretende expandir o projeto com estudantes universitários. “Queremos envolver os estudantes e fazer com que eles mobilizem suas instituições por meio de eventos beneficentes e até propagando a ideia do voluntariado pelo campus onde estuda”. Hoje os Anjos da Irmã Dulce conta com o apoio da UniJorge, da Faculdade Dom Pedro, da Cairu e da Faculdade Social onde serão iniciadas as ações.

Conheça a Rede Amigas de Dulce:

@amigasdedulce  facebook: amigas de dulce

Procedimento utilizado por Ana Furtado evita a queda capilar durante quimioterapia
Foto: Reprodução / Instagram

Após a descoberta de um câncer de mama em maio (lembre aqui), a apresentadora Ana Furtado tem usado as redes sociais para falar sobre o tratamento da doença. Dessa vez, a famosa contou que passou pela segunda sessão de quimioterapia e revelou também que está utilizando uma técnica que evita a queda dos cabelos. Trata-se da crioterapia, um procedimento que resfria o couro cabeludo levando à contração dos vasos sanguíneos e protege os folículos capilares evitando a queda dos fios. "Esse resfriamento no couro cabeludo é muito doloroso, mas reduz a quantidade de quimioterápicos que chegam até os bulbos capilares, diminuindo a queda de cabelos", relatou a artista em seu Instagram. 

 

Segundo o oncologista Daniel Gimenes no site do programa Bem-Estar, a crioterapia não é uma forma de tratamento do câncer, mas sim uma forma de preservar a autoestima do paciente. Pois é comum que durante o tratamento de tumores de mama, as drogas acabem danificando os folículos ocasionando na perda do cabelo. O médico conta que a técnica chegou ao Brasil em 2016, mas já fazia sucesso em outros países. A crioterapia era mais utilizada por atletas em recuperação muscular. De acordo com ele, no caso de mulheres com câncer, as pesquisas mostram que a técnica preserva entre 70 a 100% dos fios", afirmou.

 

A crioterapia só pode ser feita por profissionais especializados e com acompanhamento de uma equipe de enfermagem. O oncologista ressalta que a técnica só deve ser realizada em clínicas ou hospitais especializados. Além disso, o procedimento só é indicado em casos de câncer de mama, intestino e outros tipos de câncer.


Como é realizada a crioterapia?
A paciente usa uma touca na cabeça durante 30 minutos antes do início da sessão de quimioterapia e resfria o couro cabeludo. A touca não pode ser retirada até uma hora e meia após o processo.

 

Como a técnica atua na queda de cabelo?
O resfriamento do couro cabeludo diminui o fluxo sanguíneo dos folículos capilares promovendo menor absorção da medicação na região. Isso pode evitar ou reduzir a perda dos fios ao longo do tratamento.

Touca utilizada no procedimento  | Foto: Reprodução / Bem-Estar

 

Quando é contra-indicada?
O tratamento não é indicado em casos de câncer nas células do sangue, como leucemia e linfoma. Além de pessoas que tenham alergia no couro cabeludo.

 

Tem efeito colateral?

Não existe efeito colateral, entretanto, alguns pacientes apresentam sensibilidade no couro cabeludo após a primeira sessão e tenham enxaqueca, quando já tiverem tendência a sofrer com esse problema. 

Domingo, 10 de Junho de 2018 - 14:00

Como combater a prática de bullying entre as crianças

Como combater a prática de bullying entre as crianças
Foto: Reprodução / Pinterest

Bullying é o termo utilizado para descrever atos de violência, seja física ou psicológica, praticados por um indivíduo ou grupo em quem sofre com o ato. A prática do bullying é comum principalmente no meio escolar e, por isso, tem ganhado um olhar específico dos profissionais da educação, com o objetivo de combater e instruir os professores, a equipe pedagógica e, principalmente, pais e responsáveis. 

 

Segundo a psicopedagoga e especialista em gestão escolar, Ana Regina Caminha Braga, é importante olhar para os dois lados: o de quem sofre e o de quem pratica o bullying.  “Os olhares estão sempre relacionados a vítima, mas e o agressor? Como é realizado o acompanhamento e até mesmo as orientações? Esse sujeito precisa ser analisado pelo pedagogo, psicólogo e demais profissionais, caso necessário”, explica.


O agressor deve ser visto como uma pessoa que tem em sua maioria, uma satisfação em machucar, denegrir, depreciar e agredir o outro por vários motivos, sejam eles de cunho racial, por alguma deficiência, classe social, religião, etnia, gênero, entre outros. Para Ana Regina, a escola deve agir imediatamente, pois para a instituição não importa o motivo e, sim, como o agressor será tratado. Nesses casos é relevante observar e acompanhar os alunos não só em sala, mas a todo momento dentro do ambiente escolar.    

        

Após identificar o agressor, a orientação combinada entre psicólogos, psicopedagogos e família, devem ser seguidas rigorosamente. “O agressor nem sempre deixa explícito sua vontade ou atitudes em machucar o outro, seja ela verbal ou fisicamente. Os prejuízos psicológicos para a pessoa que pratica o bullying também devem ser tratados com máxima cautela. Precisamos sempre olhar o dois lados da moeda”, completa.

Sábado, 09 de Junho de 2018 - 09:05

O Espaço Mulher levou para o Spa das Unhas bate papo sobre estética íntima

por Ana Cláudia Oliveira

O Espaço Mulher levou para o Spa das Unhas bate papo sobre estética íntima
Fonte: BN Mulher

Um bate-papo especial sobre cosmetoginecologia aconteceu na tarde do dia 08 de junho, no Maison SPA das Unhas, no Itaigara, comandado pela ginecologista obstétrica (especializada em estética íntima) Ana Cristina Batalha, entrevistada pela jornalista Iga Bastianelli.

Ana Cristina Batalha e Bernarda Lyra | Foto: BN Mulher

 

Em uma conversa leve, a médica falou sobre esse segmento da ginecologia que tem crescido em popularidade entre as mulheres, tanto pela procura em conhecer, quanto pelas intervenções. “Há 10 anos, quando eu comecei na área ginecológica,  se um mulher procurava como clarear a vulva, nós encaminhávamos para um dermatologista, mas como não é uma área que faz parte do dia a dia da dermatologia, a mulher tinha que voltar a ginecologista novamente e acabava órfã”, contou a ginecologista.

A estética ginecológica inclui desde tratamentos mais simples como clareamento a laser até cirurgias de redução de grandes e pequenos lábios da vulva. As questões que levam uma mulher a buscar este apoio são por estética, vontade de se sentir mais bonita, melhorar a vida sexual, ou por saúde, quando é o caso de incontinência urinária, por exemplo, onde uma intervenção cirúrgica é uma opção para restaurar a musculatura responsável por “segurar” a vontade de ir ao banheiro.

Uma das ouvintes do bate-papo, Rosane Mangueira, manicure do SPA da Unhas, contou que já tinha ouvido falar sobre estética ginecológica,  “foi muito bom estar aqui hoje tirando dúvidas, aprendendo mais sobre o tema, apesar de ser um assunto íntimo, deve ser falado mais vezes.”

Bernarda Lyra, sócia diretora do SPA das Unhas, falou que  esse bate-papo é uma forma de levar um tema importante para a roda de conversas das mulheres que frequentam a Maison. “Aqui é um lugar onde as clientes sorriem, choram, falam de tudo, brincam, aprendem também as diferentes técnicas de Unhas moldadas. Aqui elas se sentem em casa e falam do que tem vontade”, disse Bernarda.

 

Sobre o SPA

Há 2 anos em Salvador, e há 1 ano no Itaigara, o SPA tem uma maneira diferente de trabalhar. Tendo como carro chefe o alongamento de unhas, faz um trabalho individual com materiais que não agridem a unha natural da cliente, sempre fazendo uma avaliação para decidir junto com a mulher qual o melhor alongamento em acrílico, gel ou fibra.

Danielle Gouveia Costa, gerente financeira do SPA, conta que além das unhas, a Maison oferece cuidados para os cabelos, depilação de buço e sobrancelha, sem contar a venda de roupas, acessórios e  até mesmo tatuagem, serviços oferecidos pelas parceiras que dividem o espaço.

Gislene Carvalho Chagas cuidando de mais uma cliente | Foto: BN Mulher

A manicure Gislene Carvalho Chagas, especialista em alongamentos contou que optar por alongamentos é uma questão de praticidade e o custo benefício é um atrativo. 

Doença celíaca é mais desenvolvida por mulheres, aponta estudo
Foto: Reprodução / Pinterest

Quando o assunto é intolerância ao glúten, as mulheres sofrem mais com a doença celíaca do que os homens. De acordo com os especialistas, a proporção é de duas mulheres para cada homem. Além disso, os estudos apontam que até 70% das pessoas diagnosticadas atualmente são do sexo feminino.

 

A doença celíaca é uma desordem autoimune, desencadeada pela ingestão de glúten, agredindo o sistema digestivo. Com o tempo, as paredes do intestino vão inflamando, atrofiando e perdem a capacidade de absorver nutrientes, como o cálcio e o ferro dos alimentos, podendo levar à morte se não for diagnosticada e controlada.

 

“Na doença celíaca há o componente imunológico que faz com que a mucosa do intestino se inflame. Isto gera a perda da integridade deste órgão, com o consequente prejuízo na absorção de algumas vitaminas e minerais. Desta forma, há um prejuízo orgânico enorme”, explica o médico gastroenterologista, especialista em nutrição e membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva, Fernando Valério.

 

A boa notícia é que, apesar de não ter cura, os celíacos recuperam seu bem-estar e qualidade de vida por meio de uma alimentação completamente isenta de glúten e, dessa maneira, ficam distantes de sintomas como diarreia, fadiga, anemia, entre outros.

 

Fatores genéticos explicam a maior prevalência das mulheres. Além disso, culturalmente o público feminino é mais propenso a investigar os seus problemas de saúde, aumentando a chances do diagnóstico. Em contrapartida, as mulheres demoram mais que os homens para apresentar e sentir os sintomas da doença, o que torna o diagnóstico tardio.  

 

Estudos mundiais sobre a doença realizados pelo Instituto Dr. Schär revelam ainda que mais de 40% das mulheres relataram "outros" sintomas celíacos, incluindo distúrbios do ciclo menstrual, anemia, osteoporose, tireóide, entre outros. Metade das mulheres que relataram especificamente distúrbios do ciclo menstrual, disseram que seus problemas relacionados ao ciclo, se desenvolveram antes de qualquer outro sintoma da doença celíaca.

 

“Claro que, se você tem um problema com o seu período menstrual, existem muitas causas potenciais além da doença celíaca. Mas, a pesquisa indica que as mulheres - especialmente aquelas com predisposição para a doença, devem ficar de olho em mais do que apenas sintomas digestivos”, esclarece o especialista.

Alimentos para aquecer o corpo e manter a forma durante o inverno

A temporada dos dias mais frios chegou e junto com ela a vontade de comer aumenta, afinal o organismo precisar fazer um esforço maior para manter a temperatura do corpo, elevando assim, o gasto de energia.

Segundo a nutricionista da rede de salada por quilo, Green Station, Izabelly Cavassani, alguns temperos são termogênicos e auxiliam o corpo a manter a temperatura. "Curry, mostarda e pimenta calabresa são excelentes temperos que auxiliam no aumento da circulação, temperatura corporal, além de auxiliar na queima calórica", diz. Já o médico fundador da Emagrecentro e membro da sociedade brasileira de nutrologia, Edson Ramuth, aponta que é importante selecionar com cautela alguns condimentos. A pimenta sozinha, por exemplo, não eleva a pressão, "o cuidado deve ser tomado se o produto for em conserva, pois o sal é o conservante", afirma.

 

1 - Alimente-se bem e a cada três horas

O alimento fornece energia para que possamos realizar as atividades diárias. Quando passamos longos períodos sem ingerir calorias, algumas reações para manter o equilíbrio corporal e os níveis de energia são forçados. O ideal é comer a cada três horas e fazer de cinco a seis refeições por dia. Segundo Izabelli, é importante lembrar que o café da manhã é a principal alimentação sendo o principal combustível para começar o dia;

 

2- Evite o álcool

Bebidas alcoólicas não oferecem nenhum nutriente para o organismo. Pelo contrário, cada grama contém cerca de três calorias, segundo Ramuth. Então é importante consumir com moderação para não aumentar as medidas;

 

3 - Aposte nos refogados

Nos dias mais frios, algumas pessoas diminuem o consumo de folhas e verduras, uma opção saudável para manter esses ingredientes no radar de quem não abre mão da dieta equilibrada são os refogados. Brócolis, couve-flor, couve, acelga, cenoura e agrião são algumas opções;

 

4 – Inclua sopa e caldo no cardápio

Nesse período, muitas pessoas optam por pratos quentes. Então consumir sopas, caldos e cremes durante as refeições são opções saudáveis. E para incrementar a receita e deixá-la mais funcional, a sugestão é incluir farinha de chia e linhaça.

5 - Inclua fibras no cardápio

A fibra é um ingrediente essencial para nosso sistema digestivo. Entre os benefícios do consumo diário, é importante citar o controle do colesterol e os níveis de glicose no sangue de diabéticos. De acordo com a nutricionista, incluir fibras em uma refeição com proteínas, folhas e vegetais é uma excelente escolha para quem deseja repor calorias e realizar uma alimentação saudável e balanceada;

 

6 - Ao invés do chocolate, substitua por frutas

Para a sobremesa, a sugestão é saborear as frutas nas versões quentes para saciar a vontade do doce. Uma opção é aquecer a maçã, pera ou banana no micro-ondas e comer com canela.

 

Quimioterapia pode ser dispensada em alguns casos de câncer de mama, diz estudo
Foto: Reprodução / Pinterest

Cerca de 70% mulheres em estágio inicial de câncer de mama podem ser tratadas com remédios hormonais, ao invés de quimiotereapia, segundo uma pesquisa publicada pela Sociedade Americana de oncologia Clínica, em Chicago. A conclusão é de que o tratamento hormonal é tão eficiente quanto a quimioterapia para grande parte dos casos de tumores mamários que ainda não se espalharam pelo corpo.

 

"Podemos poupar milhares e milhares de mulheres de receber um tratamento tóxico que na verdade não as beneficiaria", disse Ingrid Mayer, médica do Centro Médico da Universidade Vanderbilt e autora do estudo ao The New York Times

 

De acordo com os pesquisadores, no lugar da quimioterapia, seria usado um remédio que bloqueia o hormônio estrogênio, chamado tamoxifeno.  Esse tipo de tratamento também é conhecido como terapia endócrina. Para eles, essa alternativa reduz o risco de recidiva, surgimento de novos tumores de mama e morte causada pela doença. No entanto, a terapia pode causar efeitos colaterais, como calor, sintomas associados à menopausa, ganho de peso, dores musculares e nas articulações, mas ainda é considerado menos invasivo que a quimioterapia.

Domingo, 03 de Junho de 2018 - 14:00

Dicas para potencializar a ação dos cosméticos na pele

Dicas para potencializar a ação dos cosméticos na pele
Foto: Reprodução / Pinterest

Muitas vezes investir e usar cosméticos não é garantia suficiente que eles vão funcionar direito. Para alguns experts em beleza, existem vários truques e hábitos que não só ajudam na ação do produto, mas ajudam a melhorar a pele. Segundo o site da revista Boa Forma, seguir uma rotina de cuidados diários é muito importante para aumentar o efeito dos cosméticos e também atuam na saúde da pele. Confira as dicas:

 

Esfoliação
Esse processo consiste na retirada do acúmulo de células mortas da pele, ou seja, é uma limpeza mais profunda. Para a esfoliação, você pode usar sabonetes abrasivos com microesferas, buchas ou ácidos sob indicação de um dermatologista. A frequência vai depender do seu tipo de pele, as oleosas necessitam ser esfoliadas ao menos uma vez na semana.

 

Limpeza e tonificação
Antes de aplicar cremes, existem dois cuidados que não podem ser esquecidos, como a limpeza e tonificação do rosto. A limpeza serve para tirar a oleosidade e impurezas que dificultam a penetração dos produtos. A tonificação serve para equilibrar a pele para receber o hidratante ou protetor solar. 

 

Outras dicas
Sempre retire a maquiagem antes de dormir, pois os resíduos podem obstruir os poros causando alergia, acne, inflamação e ser responsável pelo aparecimento de rugas.
Escolha um protetor solar ou hidratante com fator de proteção alto. Se proteger do sol é um dos pricipais cuidados que você pode ter com a saúde da pele.
Dê preferência aos cosméticos que sejam apropriados para o seu tipo de pele, seja ela oleosa, seca, madura ou mista.

Estudo mostra como evitar birra das crianças na hora de dormir
Foto: Reprodução / Pinterest

É normal pais enfrentarem choros e birras qundo tentam colocar as crianças para dormirem. De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Flinders, na Austrália, a solução pode ser muito simples. A melhor forma de acabar com o problema seria esperar a criança estar realmente cansada antes de levá-la para a cama.

 

Para chegar a essa conclusão, os cientistas analisaram a rotina de sono de 21 crianças de até 4 anos de idade durante duas semanas, duas vezes, com um intervalo de dois anos entre cada análise. O estudo sugere que os pais criem uma nova rotina noturna para que as crianças se organizem.
Confira as dicas desenvolvidas pelos especialistas:

 

Durante cinco dias, espere o seu filho ficar realmente cansado e ter sono para apagar as luzes e deixá-lo sozinho no quarto.

Estabeleça um horário fixo para que a criança acorde.

Nas primeiras noites, atrase a hora de dormir pelo menos meia hora.

Mantenha um horário pelo menos por três dias seguidos para que o corpo da criança entenda naturalmente.

Histórico de Conteúdo