Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 25 de Janeiro de 2021 - 11:05

Maquiagem uma aliada para mulher madura

Maquiagem uma aliada para mulher madura


 

A Maquiagem é uma grande aliada no momento de esconder imperfeições e alguns sinais que surgem com a idade. As mulheres são mestras na arte de envelhecer com elegância, mas mesmo com procedimentos estéticos, cremes anti sinais e vários outros aliados que retardam esse processo, é preciso tomar um certo cuidado quando seguimos tendência de algum tutorial de maquiagem que acabam desfavorecendo a aparência da pele. 

A maquiadora profissional Jéssica Bittencourt listou alguns dos erros mais comuns que envelhecem o rosto das mulheres. 

Excesso de Base 

É um verdadeiro equívoco achar que aplicar muita base no rosto pode ajudar a esconder imperfeições na pele. Com o passar do tempo o produto aplicado em excesso evidencia as linhas de expressão, poros dilatados e pode até criar marcas que você não tem naturalmente. Simples expressões como sorrir, por exemplo, podem fazer a base abrir e formar um "bigode chinês" profundo e nada favorável. Bases de textura líquida e bem fluída não tem esse problema. 

Pó de alta cobertura 

Um dos produtos mais populares na maquiagem, que aplicado em todo o rosto pode deixar a pele com aspecto ressecado ao invés de aveludado. Para que isso não aconteça, utilize pó solto ou compacto de textura fina, que de preferência não adicione cor. Mas cuidados com os que têm sílica na composição, pois esses estouram nas fotos à noite, deixando aquele aspecto fantasma. 

Blush aplicado no lugar errado 

Em diversos lugares é possível aprender que você deve sorrir e aplicar o blush na parte que saltar das maçãs do rosto, não é mesmo? Pois isso está totalmente errado! Para cada formato de rosto o blush exige um local correto de aplicação, mas num modo geral, aplicar o blush dessa forma faz com que quando você não estiver mais sorrindo, a posição dele desça e você garante um aspecto de bochechas "derretidas". Um dica pra melhorar é aplicar o blush em cima do osso zigomático, limitando-se a região que vai das têmporas ao centro da bochecha. 

Sobre Jéssica Bittencourt 
Jessica Bittencourt deixou a carreira na área de Recursos Humanos para atuar como maquiadora há quase quatro anos. Para quem segue a maquiadora no Instagram - onde ela dá várias dicas e tutoriais de make - sabe que ela tem um estilo próprio de maquiar. 

Sexta, 15 de Janeiro de 2021 - 09:05

Janeiro Branco: "a cura está dentro de nós"

por Por Marta Castro

Janeiro Branco:

Numa das primeiras aulas do curso de psicologia, fomos apresentados à Freud e à psicanálise. Me chamou a atenção quando o professor falava das histéricas. Nosso vocabulário geralmente generaliza no masculino mas, na aula, não se falava dos histéricos. Não resisti e perguntei. O professor explicou que, naquela época, se pensava que a doença acometia apenas as mulheres, que eram a grande maioria dos pacientes. Hoje se sabe que acomete também os homens. Ainda intrigada, perguntei  porque as mulheres eram quase a totalidade dos pacientes e ele me explicou que era por conta da repressão que sofriam. 
 

De Freud para cá (final do século XIX, início do século XX), muita coisa mudou. A mulher ganhou espaço, passou a votar e a trabalhar fora de casa. A psicologia e a psiquiatria avançaram e novas doenças foram classificadas e novos tratamentos surgiram. Mas tem algo não mudou: a relação da repressão feminina, hoje travestida e disfarçada, com a saúde emocional das mulheres.

 

Pesquisas mostram que a depressão e outros transtornos como ansiedade, stress, perda de sono, etc, acometem duas mulheres para cada homem. Na raiz do problema, repressão sexual, submissão, dependência econômica, jornadas longas e repetitivas conciliando trabalho e vida pessoal (em especial os cuidados com a casa e os filhos) e falta de tempo para lazer e descanso.

 

Hoje quando alguém me pede um conselho eu digo: vá cuidar da sua cabeça, do seu coração e da sua alma. Ainda que as mulheres liderem a procura por apoio psicológico ou terapias alternativas, muitas ainda não priorizam isso. Acham que não precisam, que dão conta. Na minha opinião, muitas preferem dedicar seu pouco tempo e dinheiro livres para o salão ou as compras e só vão pedir ajuda quando a situação já está muito séria.

 

Talvez porque ainda exista muito preconceito e desinformação com relação aos cuidados com a saúde mental. Vale lembrar que a psicologia surge como um processo de autoconhecimento e autodesenvolvimento, passando a ser associada aos transtornos no período do pós guerra. Ou seja, não precisamos estar doentes para buscar apoio. Podemos ter ajuda de um profissional para nos fortalecer, assumir o controle das nossas vidas e, acima de tudo, evitar adoecer.Falo da psicologia, mas o cuidado com a saúde mental envolve outros fatores como por exemplo fazer exercício para produzir endorfina, meditar para produzir dopamina e serotonina, namorar e sair com as amigas para dar boas risadas e produzir ocitocina. Todos estes nomes estranhos são hormônios de prazer e felicidade.

 

O autoconhecimento nos leva a caminho muito mais profundos. Às vezes estamos reclamando de uma relação tóxica, de uma relação de trabalho injusta, de falta de tempo e dinheiro, de uma série de coisas, mas nos sabotamos e nos mantemos nestes ciclos viciosos. Não vamos encontrar a solução em artigos como esse ou em livros de autoajuda se não estivermos dispostas a mergulhar de cabeça em nós e, sim, encarar nossos fantasmas dessa existência ou de outras que trazemos nosso campo morfogenético. Porque sim, trazemos uma memória genética de nossas mães, avós, bisavós, de muitas mulheres que sofreram no passado para que pudéssemos ser o que somos hoje.

 

Amigas, janeiro (branco) chegou junto com a segunda onda da Covid no Brasil, com as alarmantes estatísticas sobre feminicídio e com mulheres à beira de um ataque de nervos. Mais do que nunca precisamos nos cuidar. E a cura está dentro de nós, não fora. E ela não vem como um passe de mágica. Ela é construída com prevenção, tratamento e manutenção. Com amor próprio e auto cuidado. Fica a dica.

 Skin care no verão: 5 alimentos que ajudam a manter a pele saudável 


O verão, marcado por altas temperaturas e sol intenso, é uma estação que exige cuidados com a pele. Para proteger a cútis dos danos causados pelos raios solares, o protetor solar e hidratantes são aliados importantes, mas não são os únicos recursos que podem ser usados. Além dos cosméticos, uma alimentação balanceada proporciona uma pele mais saudável. Para ajudar os interessados a manterem ou turbinarem o "skin care" neste verão, a Mônica Symphoroso, nutricionista que atende pelo GetNinjas, maior aplicativo de contratação de serviços da América Latina, selecionou os alimentos que mantém a pele nutrida na estação mais quente do ano. Confira: 

Aveia e água: 
Ter uma saúde intestinal adequada é importante, pois caso contrário, o corpo todo é impactado, inclusive a cútis. "Se a pessoa não tiver um intestino que funcione diariamente, há uma absorção de toxinas que influenciam na pele e na saúde como um todo", explica Mônica. Além disso, a profissional pontua que o bom funcionamento do órgão proporciona uma melhor absorção de nutrientes que consequentemente, farão bem a pele. A solução é adotar o consumo de fibras, presente na aveia, além de beber mais água. 

Gelatina incolor: 
Além de matar a "vontade de comer doce", a gelatina incolor é rica em colágeno, substância que ajuda a manter a pele firme. O consumo da gelatina, somada a uma alimentação saudável, diminui os efeitos negativos dos raios solares e previne o aparecimento de rugas precoces. 

Espinafre: 
Conhecido pela alta concentração de ferro, o espinafre também é rico em antioxidantes e vitaminas. No caso de acne, a vitamina A presente no vegetal diminui a produção de sebo facial, o que resulta na queda de inflamações. Por conta da vitamina K e de folato, o alimento melhora o aspecto da pele e minimiza manchas como contusões e olheiras. Para a nutricionista, o ideal é que o espinafre seja consumido cru para que os nutrientes não se percam no cozimento. 

Cenoura: 
Para aqueles que não abrem mão de um bronzeado na estação, o consumo de cenoura é recomendado. A recomendação é justificada pela concentração de betacaroteno presente na cenoura. Tal substância contribui para a produção de melanina e age como refletor de raios UVA e UVB, protegendo a pele. 

Tomate: 
 "protetor dos radicais livres", isso por conta do licopeno. A substância antioxidante é a responsável pela coloração avermelhada da fruta e retarda o aparecimento de rugas e manchas, além de agir como protetor solar natural. 

Segunda, 04 de Janeiro de 2021 - 09:05

Janeiro branco: mês é dedicado à saúde mental

Janeiro branco: mês é dedicado à saúde mental

 

Você já cuidou da sua saúde mental hoje? Para muitas pessoas essa é uma pergunta estranha porque, em geral, fomos acostumados a fazer check-up em rotinas médicas e odontológicas, porém, não fomos adaptados a direcionar o cuidado para o cenário emocional e cognitivo. E o ano de 2020 trouxe isso ainda mais à tona. Para a psicóloga Fernanda Meira, do Hospital Anchieta de Brasília, este foi um período revolucionário e impactante para grande parte da população mundial, pois a rotina foi modificada com o início e disseminação da COVID-19.


Ela explica que a pandemia exigiu cuidados extremos, independente da faixa etária. "Crianças e adolescentes saíram da escola para estudar em seus lares remotamente, trabalhos presenciais foram substituídos por Home Office, idosos precisaram parar suas atividades sociais cotidianas e se afastarem do convívio de suas famílias", destaca. Dra Fernanda continua: "as histórias de vida foram alteradas radicalmente diante das adaptações necessárias e rápidas para proteção da doença, além das vivências das perdas, sofrimento e o luto que, talvez, ainda se faz presente", pontua. 

Para a especialista, a campanha Janeiro Branco, #Todocuidadoconta, é de extrema importância nesse momento, pois nos convida a zelar pela saúde mental, a programar o cuidado com a mente e as emoções para o próximo ano. Por isso, de acordo com ela, precisamos sim, estabelecer metas, objetivos e fazer promessas, mas para isso, é preciso planejamento, equilíbrio emocional e persistência. 

"Temos que analisar também como estão as relações interpessoais, se elas estão trazendo adoecimento ou bem-estar", ressalta. "Não importa a idade, gênero, profissão, personalidade, ou o lugar no mundo que você more, o que realmente importa é fortalecer a saúde mental para que a pessoa faça suas melhores escolhas e tenha o amadurecimento emocional para escrever a sua história", analisa. 

A importância do acompanhamento especializado 
O cuidado com a saúde mental é conduzido através do acompanhamento do psicólogo e que pode acontecer em diferentes vertentes (individuais, em grupo, presenciais ou online) e em serviços públicos ou privados a partir de uma pesquisas em sites de cada localidade. "Que Janeiro Branco seja o primeiro mês do seu cuidado mental e emocional e seja o incentivo para novos aprendizados, ressignificações e felicidades", conclui a psicóloga. 

Segunda, 07 de Dezembro de 2020 - 10:05

Prevenção deve ser precoce para o câncer de pele

Prevenção deve ser precoce para o câncer de pele

 

A utilização de protetor solar e o uso de barreiras mecânicas (bonés, barracas e chapéus), além de evitar a exposição ao sol principalmente entre 10h e 16h, são algumas das atitudes prudentes para reduzir os riscos de desenvolver o câncer de pele. "Vivemos em um país tropical com forte incidência solar durante todo o ano. Portanto, as medidas preventivas devem ser tomadas em todo o período e por pessoas de todas as idades", destaca o oncologista Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). 
 

O câncer de pele não melanoma corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país e é o mais frequente entre a população brasileira. Estimativas do Inca (Instituto Nacional do Câncer) apontam que o Brasil deve registrar mais de 176 mil casos novos em 2020. 
 

"Nos últimos anos, a idade média dos pacientes desse tumor vem diminuindo por conta da exposição de jovens aos raios solares, cada vez mais cedo. Prevenção é uma iniciativa que os pais devem orientar os filhos desde pequenos", ressalta o oncologista. Por isso, o médico recomenda atenção redobrada para dois importantes sintomas: manchas de pele que coçam, ardem, descamam ou sangram; e feridas de difícil cicatrização em até quatro semanas. 
 

Já o câncer de pele melanoma representa apenas 3% das neoplasias malignas do órgão. "Por ter alta possibilidade de metástase, esse tumor é considerado mais grave e mais frequente em adultos brancos", alerta o pesquisador da Unifesp. Segundo ele, as orientações preventivas são as mesmas do câncer de pele não melanoma. 
 

Esse tipo de tumor traz sinais e sintomas como o aparecimento de uma pinta escura de bordas irregulares. Ela vem acompanhada de coceira e descamação. "O paciente também pode apresentar alterações de uma pinta já existente, que pode aumentar de tamanho, mudar a cor e forma com bordas irregulares", explica o oncologista. 
 


 

 

Beleza consciente: Você sabe escolher cosméticos sustentáveis? 


 

Muitas reflexões importantes vieram à tona no ano da pandemia, e uma delas foi o consumo consciente. Munidos de informação e postos a refletir sobre questões chave em decorrência das mudanças provocadas pela Covid-19, mais consumidores passaram a optar por produtos sustentáveis, que agridem menos o meio ambiente e também respeitem o bem estar dos animais. No mercado de beleza, sempre atento ao comportamento de compra, já se encontram produtos que atendem ao requisito, mas os rótulos ainda causam dúvidas entre o público. 
 

Expressões como cosmético natural, orgânicos, veganos, biodinâmicos e cruelty free estão cada vez mais presentes nas embalagens, mas o que significam e o que está por trás da produção da elaboração dos produtos? Para ajudar, o especialista no assunto, Rafael Zarvos, especialista em Gestão de Resíduos Sólidos e fundador da Oceano Resíduos, criou um pequeno dicionário explicando tudo o que há para saber sobre os produtos eco-friendly. Confira! 
 

Cosmético Natural - No Brasil não existe Norma, Portaria e nem Diretrizes que regulamentem a classificação de "Cosmético Natural". Adotamos aqui os conceitos da IBD, maior Certificadora da América Latina. Para que o cosmético possa receber um Selo de "Natural", precisa utilizar matérias-primas naturais cujas substâncias sejam de origem vegetal, inorgânica-mineral ou animal (exceto vertebrados) e suas misturas. As matérias-primas derivadas do natural devem preferencialmente ser oriundas de insumos orgânicos. Insumos não naturais ou a partir de reações não permitidas a partir de uma substância natural, desqualifica seu uso em produtos cosméticos orgânicos ou naturais. São exemplos de matérias-primas proibidas: corantes sintéticos, fragrâncias sintéticas, polietilenoglicóis (PEGs), quaternários de amônio, silicones, conservantes sintéticos, dietanolamidas, derivados de petróleo etc. Os cosméticos naturais deverão destacar em seu rótulo quais ingredientes são naturais e/ou orgânicos e/ou oriundos de extrativismo certificado. 
 

Cosméticos Orgânicos - Baseado na sustentabilidade, usam produtos naturais e o seu manuseio não agride o meio ambiente. Precisam ser certificadas para receberem a denominação "Orgânico". O cosmético a ser classificado como orgânico deve conter pelo menos 95% de matérias-primas orgânicas. Os cosméticos orgânicos devem destacar quais são os ingredientes orgânicos utilizados e deverão obrigatoriamente apresentar o selo do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SISOrg) ou então o selo "IBD Orgânico". 
 

Cosméticos Veganos - Produção que não utiliza matéria-prima de origem animal. Além disto, a empresa que cria o produto não pode fazer o teste final em animais bem como os fornecedores dos insumos devem comprovar que os ingredientes não foram testados em animais. É preciso prestar atenção na etiqueta para ver se o fabricante não está usando substancias derivadas do petróleo. Em 2013 a Sociedade Vegetariana Brasileira (SBV) criou um selo para certificar os produtos veganos. 
 

Cosméticos Cruelty-free - Produtos desenvolvidos e que não foram testados em animais. Exige-se ainda que a empresa implemente um sistema de monitoramento da cadeia de fornecedores. Atualmente existe um selo internacional, o "Leaping Bunny",que garante que o produto é "Cruelty-Free".Contudo, não significa que em sua composição não haja ingrediente de origem animal. 
 

Cosméticos Biodinâmicos - Precursor do conceito orgânico, surgiu em 1924 na Polônia com uma abordagem holística, onde o produtor utiliza os conceitos da Homeopatia e do calendário lunar para cultivar a matéria-prima que será usada na produção. A agricultura biodinâmica utiliza os mesmos meios de produção orgânica, praticando a compostagem e utilizando substâncias vegetais e minerais para fazer a adubação. A sua produção é mais restrita. É considerado uma espécie de "Orgânico Premium". Somente são considerados Biodinâmicos se tiverem o selo "Demeter". 

  Estudo sugere que mulheres apresentam resposta imune mais eficiente ao vírus Covid-19

 

 

Análise de dados de aproximadamente 1000 indivíduos mostra que perfil da resposta imune das mulheres é parecido com o de indivíduos jovens, enquanto o dos homens é associado ao dos idosos. Mulheres modulam de forma diferente alguns genes importantes para a inflamação.


Uma equipe do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) analisou dados de aproximadamente mil pacientes com COVID-19 e indivíduos controles de diferentes países e identificou mecanismos que podem explicar por que a taxa de letalidade da doença é menor em mulheres. Os pesquisadores verificaram que as mulheres apresentam uma resposta imune mais regulada, semelhante à de indivíduos mais jovens. Coordenado pelo pesquisador Otávio Cabral Marques e conduzido pela pós-doutoranda Paula Paccielli Freire, o estudo foi publicado na plataforma medRxiv, ainda sem revisão por pares, e pode ajudar a elaborar novas estratégias terapêuticas para a doença. 

Os cientistas analisaram dados de sequenciamento de RNA de amostras de secreções da nasofaringe e de leucócitos de sangue periférico de pacientes infectados pelo SARS-CoV-2, comparando os padrões de transcrição de genes moduladores de resposta imune de acordo com sexo, idade e carga viral. O perfil de resposta imune das mulheres era parecido com o de indivíduos jovens, enquanto o perfil dos homens foi associado ao dos idosos. "Os dados ajudam a entender por que idosos e homens são mais suscetíveis à morte pela doença", afirma Marques. 

Segundo o pesquisador, as mulheres apresentam um melhor controle da ativação de genes pró-inflamatórios, tais como a IL-1β e reguladores (CXCR-1 e CXCR-2) da migração de neutrófilos. "Os neutrófilos são células do sistema imune que aumentam quando há uma infecção e podem causar dano tecidual em casos de exacerbação da reposta imunológica. Contudo, quanto maior a gravidade da doença, o organismo passa a gerar neutrófilos com perfil mais supressor, para evitar danificar os tecidos. As mulheres conseguem fazer isso de modo mais eficiente, pois reduzem mais a ativação de certos genes pró-inflamatórios associados a ativação dos neutrófilos". 

O trabalho indica que esses genes pró-inflamatórios com expressão reduzida nas mulheres podem ser alvos terapêuticos para a COVID-19 - ou seja, inibi-los poderia beneficiar a resposta imune. "O IL-1β, por exemplo, que codifica uma citocina pró-inflamatória importante, é um alvo que já tem sido usado com sucesso para reduzir a incidência de morte nos pacientes. Nosso estudo mostra que existem vários outros alvos que podem ser utilizados", acrescenta o cientista. 

 

Como inserir frutas, verduras e vegetais na alimentação das crianças? 



Introduzir frutas, verduras e vegetais na rotina das crianças oferece diversos benefícios à saúde, mas pode ser uma tarefa difícil. Muitas vezes, os pequenos apresentam resistência ao consumo desses alimentos e preferem comidas que nem sempre são saudáveis. Essa prática pode prejudicar o hábito alimentar e restringir o cardápio a opções, muitas vezes, carentes em micronutrientes. 

Júlia Canabarro, nutricionista da Dietbox startup de nutrição, explica que os hábitos alimentares são moldados nos primeiros anos de vida. "Não nascemos gostando ou não de determinados alimentos. O paladar é formado nos primeiros anos e levado para a vida toda. Por isso, o papel dos pais é essencial para desenvolver uma rotina alimentar saudável e variada", comenta a especialista. 


Papel dos pais é fundamental 

 

O primeiro exemplo de vida das crianças vem da família. O passo inicial para que elas comam todos os grupos alimentares com equilíbrio e variedade é os pais terem consciência da importância da própria alimentação. É preciso ensinar que ingerir frutas, vegetais e legumes, além de oferecer nutrientes e vitaminas, pode ser gostoso. 

Criatividade 


Estimular a criatividade, tanto dos pais quanto das crianças, pode ser divertido e ajudar na introdução de frutas, verduras e legumes no cardápio. Hábitos simples, como levar os pequenos para ajudar nas compras e, principalmente, envolvê-los no preparo das refeições, já desperta o interesse no cuidado com os alimentos.

As crianças já possuem uma criatividade natural e, na cozinha, não há limites para inovar. "É possível elaborar pratos divertidos, como a panqueca de espinafre do ‘Hulk’, o bolo de chocolate com beterraba das princesas, um sorvete multicolorido de frutas no calor, o hambúrguer nutritivo com carne e vegetais, entre outras variedades. O uso de utensílios coloridos e pratos e copos decorados, por exemplo, também pode fazer parte da brincadeira e estimular o interesse por refeições mais saudáveis", completa Júlia. 

Por fim, se a recusa alimentar for severa e persistente, a especialista orienta a procura por ajuda profissional. "A avaliação aprofundada e específica do nutricionista em uma consulta individualizada é fundamental para adaptar a alimentação e resolver o problema", finaliza. 


 

Sábado, 21 de Novembro de 2020 - 09:05

7 sinais de que você está bebendo pouca água

7 sinais de que você está bebendo pouca água


Há pouco mais de um mês para o início do verão, é importante manter a atenção para os níveis de hidratação do organismo. Isso porque, com a chegada dos dias mais quentes, o corpo perde ainda mais água para controlar a temperatura interna e torna-se necessário aumentar a ingestão de líquidos. "A ingestão de 2 a 3 litros de água ao dia é importante para uma boa circulação sanguínea, manutenção do metabolismo, regulação da temperatura corporal e eliminação de toxinas", explica a nutricionista ortomolecular Claudia Luz, do Departamento de Inovação da Via Farma. 
 

Na prática, é possível saber quando o organismo está precisando de mais água - é só ficar atento a alguns sinais do corpo. "Boa parte das pessoas espera ter sede para se hidratar, mas isso não deve acontecer, já que a sede é um dos primeiros sinais de desidratação", orienta a nutricionista. Assim, vale usar outros parâmetros para avaliar se a quantidade diária de água ingerida está sendo suficiente. 
 

Confira abaixo alguns indícios que o corpo dá quando está desidratado: 
 

1. Urina escura 
 

Observar a urina é uma boa forma de medir os níveis de hidratação do organismo. Quando falta água, ela fica escura e com um odor mais forte, devido à alta concentração de ureia. 
 

2. Prisão de ventre 
 

O ajuste da ingestão de água pode, muitas vezes, resolver casos de prisão de ventre. Isso porque os níveis de hidratação no intestino precisam estar ideais para que ocorram os movimentos peristálticos e o bolo fecal seja eliminado com facilidade. 
 

3. Cãibras 
 

Os músculos também precisam estar hidratados para desempenhar sua função. A falta de água e minerais impede que as contrações musculares aconteçam de forma adequada, provocando cãibras frequentes. 
 

4. Irritabilidade, cansaço e falta de memória 
 

A falta de água deixa o sangue menos fluido, por isso, o oxigênio e nutrientes importantes demoram mais para chegar até o cérebro, trazendo prejuízos cognitivos, como raciocínio lento, alterações de memória e irritabilidade, entre outros sinais. 
 

5. Dores de cabeça 
 

Com a baixa nos níveis de água, a capacidade de eliminar toxinas do organismo também diminui, o que pode estar por trás de muitas cefaleias. Para quem sofre de enxaqueca, a falta de água também pode ser um gatilho. 
 

6. Mau hálito 
 

Um corpo desidratado produz menos saliva e essa "secura" pode favorecer o mau cheiro ligado à multiplicação de bactérias, já que a saliva também é responsável por controlar o crescimento de micro-organismos. 
 

7. Pele seca 
 

A baixa ingestão hídrica também desidrata a pele, deixando-a sem viço e até mesmo flácida. A dificuldade em eliminar toxinas também pode favorecer, a longo prazo, um processo mais acelerado de envelhecimento cutâneo. 
 

Esses são alguns dos sinais que devem ser observados a fim de manter uma boa hidratação do corpo, principalmente durante o verão. "O ideal é que essa ingestão ocorra de forma fracionada ao longo do dia. Para facilitar, é possível criar metas para cada horário do dia, carregando sempre uma garrafinha de água, para não esquecer de tomar", indica Claudia. Uma dica para quem tem dificuldade para consumir os 2 litros mínimos indicados é saborizar a água com frutas. Optar por alimentos ricos em água, como melão, melancia, laranja, chuchu, pepino e alface também é uma boa forma de aumentar a ingestão diária de líquidos. Mas não se esqueça: nada substitui a água pura. 

 

Outra opção muito efetiva para potencializar a hidratação do organismo e repor sais minerais é a água de coco. A bebida é tão pura que sua composição assemelha-se ao plasma humano - o que faz dela um elixir para a saúde. "Mas é preciso ficar atento às versões industrializadas, já que elas podem sofrer adição de açúcar e conservantes. Prefira a água de coco natural, ou mesmo as desidratadas, que são uma boa novidade para quem gosta de praticidade. Elas podem ser encontradas na forma de sachê, em farmácias de manipulação, e preservam todas as propriedades nutricionais do fruto, sem nenhum tipo de conservante", indica a nutricionista. 

Sexta, 06 de Novembro de 2020 - 10:05

Aromaterapia para redução do estresse

Aromaterapia para redução do estresse

 

Responsável por ativar memórias, alguns aromas também têm o poder de mexer com as nossas emoções, afinal a resposta olfativa está diretamente ligada ao centro emocional do cérebro, desencadeando uma variedade de sensações ao nosso corpo. 

Considerado uma porta de entrada, ao sentir determinados cheiros, o nariz envia automaticamente informações para o bulbo-olfatório, que as transmite ao sistema límbico, responsável por emoções e comportamentos. 

Nesse contexto, um odor que se destaca no quesito de proporcionar sensações está o óleo de lavanda. "Ele é extremamente delicado e não irrita a pele. Sem contar que apresenta propriedades calmantes e relaxantes. Por isso, despejar o óleo de lavanda em um difusor junto a um pouco de água é uma ótima opção para quem busca momentos de bem-estar. Além disso, é muito útil para massagens, graças a sua ação que diminui a tensão muscular", comenta Bruna Souza, Coordenadora de Produtos da Mahogany

Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) com 36 estudantes, em idades entre 18 e 29 anos, constatou a eficácia dos aromas na diminuição dos níveis de estresse. Do total de alunos, metade realizou o tratamento com o odor de lavanda, enquanto a outra metade não. Com isso, notou-se que no primeiro grupo houve uma redução de, aproximadamente, 24% em relação ao estresse e 19% no que diz respeito a ansiedade. Já no segundo, houve redução somente do nível de estresse, o equivalente a 11%. 

Além de todos esses benefícios, a lavanda auxilia ainda nos cuidados com o distúrbio do sono, já que atenua a sensação de agitação, e no alívio dos sintomas da TPM e menstruais. 

Histórico de Conteúdo