Gisele Bündchen se une à aplicativo para incentivar a meditação

 

Gisele já usa o Insight Timer há quatros anos e, inspirada por seu modelo consciente de negócios, decidiu publicar conteúdo na plataforma em um período no qual meditação gratuita nunca foi tão importante. Embaixadora da Boa Vontade para as Nações Unidas desde 2009, Gisele vem trabalhando há muito tempo para fazer do nosso planeta um lugar melhor para as gerações futuras. 
 

Para marcar o lançamento oficial da parceria, a primeira meditação guiada de Gisele, Esperança em tempos de incerteza, foi lançada no aplicativo em Inglês e Português. Todo mês, novas meditações gratuitas em ambas as línguas serão disponibilizadas no app. As práticas abordarão questões vividas em todo o mundo em resposta à pandemia (incluindo níveis mais elevados de estresse e ansiedade, além de problemas com o sono) e também incluirão uma meditação para crianças. 
 

Gisele usará o novo recurso de transmissão ao vivo do aplicativo do Insight Timer para se conectar em tempo real com seus seguidores em outubro, para homenagear o mês de Conscientização sobre Ansiedade e Depressão. Durante as lives, ela contará sua história sobre o impacto que a meditação teve em sua vida e dicas para torná-la um hábito diário. 

"Estamos orgulhosos de evoluir nosso relacionamento com Gisele, de uma usuária do Insight Timer a uma parceira que se conecta de forma significativa com nossa missão e comunidade em todo o mundo", disse Christopher Plowman, CEO da Insight Timer. "Com sua paixão por compartilhar meditação e seguidores internacionais, estamos animados em ter Gisele alinhada com nossa marca para trazer meditação gratuita para o planeta, especialmente durante estes tempos de grande estresse e ansiedade." 
 

 

Sábado, 12 de Setembro de 2020 - 09:05

Setembro Amarelo: é preciso falar sobre saúde mental 

Setembro Amarelo: é preciso falar sobre saúde mental 

 

É preciso falar sobre saúde mental e suicídio. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), anualmente, cerca de 800 mil pessoas no mundo tiram a própria vida, e um número ainda maior tenta o suicídio. 
 

Somente no Brasil, estima-se que aconteçam 12 mil suicídios todos os anos -- tragédia que afeta famílias e comunidades, com efeitos duradouros sobre as pessoas que vivenciam o luto inesperado. Muitos casos podem ser motivados por depressão. "Dentro deste índice de mortes precoces, também estão muitos jovens. É preciso estar atento a sinais que possam indicar depressão, como tristeza sem motivo aparente, choro, irritabilidade, perda de prazer em atividades antes prazerosas e alterações no padrão de sono e da alimentação", explica Rogilson Teixeira, psiquiatra da Cia. da Consulta. 
 

Pelo número de casos no País, a Associação Brasileira de Psiquiatria, em parceria com o Conselho Federal de Medicina, criou, desde 2014, a campanha nacional Setembro Amarelo, que marca o mês da prevenção ao suicídio, ao adotar medidas que promovam o diálogo sobre o tema e, sobretudo, a identificação distúrbios psiquiátricos com indicação de tratamento. 
 

Em ano de pandemia do novo coronavírus, especialistas já alertam sobre o agravamento de quadros psiquiátricos em seus pacientes. A saúde mental durante um momento como esse, que ainda exige distanciamento social, tende a ser ainda mais afetada por transtornos psiquiátricos, a exemplo de depressão, ansiedade, e sintomas de estresse agudo. 
 

"Neste cenário de instabilidade, pacientes com sintomas leves de depressão ou ansiedade, podem ter mais dificuldade de adaptação a estas mudanças", complementa Rogilson. 
 

 

Terça, 08 de Setembro de 2020 - 15:37

A Síndrome de Burnout e a necessidade dos limites! 

A Síndrome de Burnout e a necessidade dos limites! 

Há alguns anos atrás, participei de uma grande convenção internacional e ouvi um dos palestrantes dizer que gente nas organizações é a grande solução, mas também é o grande problema. Nunca me esqueci dessa frase que foi motivo para muitas reflexões em várias direções. 

Nesse texto, vou utilizá-la para provocar um assunto delicado que é a Síndrome de Burnout. Caracterizada principalmente pelo estresse crônico causado, muitas vezes, por condição desgastante de trabalho, pode-se dizer que o grupo de risco é formado justamente por profissionais que trabalham com pessoas. 

Professores, médicos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, líderes religiosos, dentre outros profissionais que trabalham diretamente com pessoas estão mais expostos às tensões que o trabalho com "gente" provoca. É claro que o fator desencadeante não é o contato direto com pessoas, mas esse somado às pressões, às cobranças e aos critérios de uma boa performance, cada vez mais exigentes, faz, principalmente, àqueles com predisposições a transtornos de humor, desenvolverem a Síndrome de Burnout. Presente na Cid-10 (Classificação Internacional de Doenças) dentro do quadro de manejo da vida, ou seja, é uma doença que exige a consideração de como está o ambiente de trabalho e os impactos desse lugar para a vida do trabalhador. Interessante que o trabalho com pessoas pode ser extremamente gratificante, pois é baseado em interatividade o tempo todo. 

Solução? 


Mas, como tudo tem limite, a interação também. Não é toa que muitas vezes depois de uma semana desgastante, o trabalhador quer ficar em casa sem correr o risco de precisar conversar com outras pessoas que não os membros da família. Mesmo assim, olhe lá. 

Tudo tem limite até para aquelas pessoas que parecem não serem humanas e parecem ser capazes de servir infinitamente, como por exemplo os líderes religiosos. Eles merecem e precisam descansar, sair com amigos e conversar banalidades numa atmosfera onde não precisam ser os "pastores" cuidando das ovelhas. Precisam descansar. 

O mesmo com o Professor, o Psicólogo ou o Médico. Antes de cuidarem de pessoas, eles são pessoas. São profissionais que ajudam no encontro de saúde física e mental, mas também podem adoecer se não cuidarem da própria saúde física e mental. 


Os sintomas da Síndrome de Burnout são muitos e fazem parte do grupo das depressões. O excesso de trabalho pode causar palpitação, insônia, alteração no apetite, no humor, na atenção e concentração, sentimentos de fracasso e insegurança, sentimento de incompetência. Imaginem tudo isso sentido por um profissional exemplar, que sempre "deu conta" de tudo com maestria? 

Mais pressão por todos lados. A pessoa não se reconhece e ouve com frequência: 
"Você está diferente!" 
"Você está triste?" 
"Você não era assim!" 

Gente pode ser a solução, mas também o problema. Nada acontece por acaso e não é por acaso que a semana tem 2 dias para descanso, que é importante fechar os olhos e apagar para acordar no outro dia e dar continuidade a vida. Que é preciso esquecer um pouco da profissão para ter prazeres que a vida pode proporcionar. 

Sair com amigos, conversar, gargalhar, assistir filmes, beber vinho, dormir, podem funcionar como remédios para essa doença da alma que, se cuidada, vai embora deixando o recado de que tudo tem limite e o trabalho também precisa compreender o seu lugar na vida de alguém. Mas, esse alguém também precisa entender que o trabalho exige limite para ser solução e para fazer das pessoas, solução. 

Elisa Leão é professora doutora de Psicologia da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, psicóloga clínica e palestrante. 

Dia do Psicólogo: Como manter a saúde mental em tempos de pandemia? 

 

Nesta quinta-feira, 27 de agosto, comemora-se o Dia do Psicólogo. A data marca o reconhecimento por lei da profissão, assinada pelo presidente João Goulart, em 1962. O trabalho deste profissional sempre foi importante, mas ganhou destaque especial neste ano por conta da pandemia de covid-19 e suas consequências, como isolamento social, alteração de rotinas e etc. 

Durante a pandemia, os índices de doenças aumentaram consideravelmente. Uma pesquisa feita pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), divulgada em maio, mostrou que, ainda nos primeiros dias de isolamento social e quarentena, o número de casos de depressão aumentou 90% no Brasil. Outros problemas psíquicos também tiveram aumento significativo, como a ansiedade, que cresceu 71% entre os brasileiros. 

"Há uma dificuldade em criar uma rotina, entender o novo normal, o que faz com que algumas pessoas desenvolvam sintomas e problemas psíquicos", explica o coordenador do curso de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), Fabiano Fonseca da Silva. A perspectiva de uma grande crise financeira e social, provocada pela paralisação de diversas atividades econômicas durante a pandemia é outro fator que pode provocar danos para a saúde mental. 

Um outro motivo se relaciona à necessidade que possuímos de manter contato físico com pessoas queridas. Por isso, por conta do isolamento social, passamos a sentir falta de abraçar pessoas queridas, por exemplo. O ser humano é um ser social. 

"É necessário um equilíbrio para que possamos suportar esse período de isolamento que, aos poucos, se flexibiliza. Além disso, a relação com as pessoas próximas é fundamental, assim como garantir o nosso espaço e respeitar o das pessoas com as quais convivemos", aponta o coordenador. 

Silva ainda dá algumas recomendações para que a saúde mental fique em ordem neste período. "Construir uma nova rotina, que agora deve considerar um maior período em casa; lidar com os relacionamentos, que ficam mais intensos e contínuos. Esse dia a dia envolve respeitar e integrar o espaço dos outros com os quais convivemos", diz. Cozinhar, estudar, jogar e praticar esportes podem ser boas alternativas também, de acordo com o professor. 

Quarentena, home office e inverno: como manter a alimentação equilibrada? 


 

A rotina alimentar de muita gente está diferente no período de quarentena e de distanciamento social. Em casa, sem a preocupação de sair todos os dias para muitas e diferentes atividades estamos mais sedentários e mais relaxados com os horários diários e muitas pessoas sentiram a diferença na balança. 

Para complicar um pouco mais a vida, o frio tende a aumentar. Sobra vontade de ficar embaixo do cobertor, assistindo filmes, tomando chocolate quente ou em exagero. Tudo isso favorece o aumento de peso. 
 

Essas mudanças na disposição e no apetite são explicadas cientificamente: com o frio, o corpo tende a gastar mais energia para manter a temperatura entre 36,5ºC e 37ºC. Além disso, nesta época acontece uma diminuição da produção de serotonina, neurotransmissor que promove sensação de bem-estar. Para suprir esta queda, a maior parte das pessoas acaba compensando com os alimentos. 
 

Para as pessoas que não desistem de manter o equilíbrio nutricional, Isabela Lorizola, consultora em nutrição da ABIMAPI - Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados - aponta dicas para conciliar o home office e uma alimentação que promova ânimo e ajude a driblar a preguiça. 

Confira:
 

NADA DE DISTRAÇÕES 
 

• Arrume a mesa e chame todos para comer! Coma com atenção, sem nenhuma distração. Evite trabalhar, usar o celular e ver TV durante as refeições. 
 

FRIO DEIXA QUENTE? 
 

• Ao contrário do que as pessoas pensam, o inverno é a melhor estação para emagrecer, pois o corpo gasta mais energia com o frio. Anime-se para manter a atividade física e não ficar parado! 
 

ACRESCENTE FIBRAS 
 

• No inverno nossa preferência por preparações frias, como saladas, diminui. Para compensar, capriche mais na porção de legumes cozidos e refogados para garantir a fibra da dieta, que aumenta a sensação de saciedade e melhora o funcionamento do intestino. 
 

APOSTE NAS FRUTAS 
 

• Procure manter o consumo diário de frutas e, sempre que possível, inclua uma porção diária rica em vitamina C (laranja, limão, acerola, tangerina, morango, etc.) para aumentar a resistência a gripes e resfriados. Uma banana ou maçã cozida no microondas com canela pode ser uma ótima sugestão de sobremesa leve e quentinha para turbinar o cardápio no inverno. A adição de uma pitada de canela, além de dar um toque especial na preparação, tem um benefício extra para quem deseja perder peso: ela é considerada um alimento termogênico, ou seja, contribuiu para o aumento do metabolismo. 
 

HIDRATE-SE 
 

• No frio, a tendência é beber pouca água. Os chás entram como boa opção no cardápio para manter a hidratação. 
 

O CHOCOLATE NÃO PRECISA SAIR DA DIETA 
 

• Troque o chocolate quente tradicional pela versão light. O cacau em pó é rico em flavonóides, antioxidante que combate o envelhecimento e reduz o risco de doenças do coração. 
 

NÃO ABRE MÃO DO FONDUE DE QUEIJO NESTA ÉPOCA? 
 

• Prefira como acompanhamento os pães ou biscoitos integrais. Além de deixarem sua refeição mais gostosa, essas opções acrescentam fibras e diminuem a absorção da gordura. As fibras ajudam a gerar mais saciedade e a consumir menos. Inclua tomate cereja e brócolis como acompanhamentos e modere no vinho e na sobremesa. 
 

MACARRÃO SEM CULPA 
 

• As massas com molhos brancos ou muito elaborados são muito calóricas e devem ser consumidas de forma esporádica. Prefira as opções com molho simples de tomate ou a bolonhesa. Uma sugestão para tornar o molho branco menos calórico é utilizar o leite desnatado no preparo. 

Terça, 25 de Agosto de 2020 - 10:05

Ações sustentáveis movimentam varejo em Salvador

Ações sustentáveis movimentam varejo em Salvador

A The Body Shop Salvador acaba de apresentar a ação "Take Back", que visa receber devoluções de embalagens originais da marca, de vidro, plástico ou alumínio. A iniciativa de logística reversa será feita em parceria com a TerraCycle, empresa presente em 21 países, especializada em soluções para reciclagem.

Ao devolver cinco (05) embalagens, de tamanho regular e original, vazias e limpas, em uma de lojas físicas, localizadas nos shoppings Barra, da Bahia, Paralela e Salvador, o consumidor será presenteado com um (01) creme de mãos de 30ml, com fragrância sujeita a disponibilidade de estoque. O programa também aceita embalagens de outras marcas, mas que não lhe conferem o brinde.

“Estamos muito felizes de iniciar essa ação de Take Back de embalagens - nossas e de outras marcas - nas lojas The Body Shop de Salvador, contribuindo para o trabalho incrível feito pela parceira TerraCycle, ajudando a reduzir o lixo em nosso planeta e fomentando a reciclagem. Essa era uma demanda antiga dos nossos clientes mais atentos ao meio ambiente e agora vamos poder contar mais essa história de sustentabilidade”, diz Roger Gomes, empresário franqueado da marca em Salvador.

Ao participar da ação, a The Body Shop Salvador colabora para que os resíduos deixem de ser descartados na natureza para, em vez disso, serem transformados em matéria-prima reinserida na cadeia produtiva. Além de gerar produtos eco amigáveis feitos com os resíduos dos programas, contribui para evitar a extração de matéria-prima virgem.

Domingo, 16 de Agosto de 2020 - 12:05

5 flores de fácil cultivo para ter em casa

5 flores de fácil cultivo para ter em casa

 

Ter flores em casa é uma ótima opção de decoração, uma vez que elas deixam os ambientes mais leves e agradáveis, proporcionando bem-estar e uma sensação de aconchego para o lar. Pensando nisso, o biólogo Maer José da Silva, que atende pelo GetNinjas maior aplicativo de contratação de serviços da América Latina, selecionou cinco espécies que florescem na estação, são fáceis de cultivar e vão deixar a sua casa mais colorida, cheirosa e alegre. Confira abaixo: 

Orquídea Phalaenopsis: a flor é uma ótima opção para quem gosta de cor. Há opções roxas, amarelas e vermelhas, em diferentes tons. Seu habitat natural são as florestas tropicais, onde se entrelaça em raízes para se esconder do sol. Devido a isso, é uma ótima opção para locais fechados. 


Camomila: é uma ótima opção para quem deseja deixar a casa perfumada. De porte pequeno, tem pétalas brancas com o miolo amarelo, semelhante a uma margarida, e floresce nas estações quentes do ano, como a primavera. 

Lavanda: outro exemplo de flor perfeita para quem deseja perfumar o ambiente da casa. Com caule extenso e semelhantes a arbustos redondos, se bem cuidada dura até 3 anos. 


Girassol: tem este nome por ser uma planta que gira em direção ao sol. Sua altura pode chegar a um metro de altura e, fazendo jus ao nome, é uma planta que ama a luz do sol. #DicaNinja: a temperatura ideal é entre 20 e 26 graus e uma ótima opção de decoração é deixá-la na sacada de casa. 

Bromélia: muito conhecida no Brasil, é uma planta tropical com folhas vermelhas e verdes ideal para dar mais cor e vida à casa. 

Agosto Dourado: maternidade promove mesa redonda virtual sobre amamentação 

Por acreditar na relevância do tema e na necessidade do constante debate em torno do assunto, a maternidade Pro Matre reforça suas ações em apoio à amamentação durante o Agosto Dourado, mês de promoção ao aleitamento materno, e promoverá nesta quinta-feira, 6 de agosto de 2020, às 17 horas, sua 5ª Mesa Redonda com influenciadoras mães e especialistas da Maternidade para trocar experiências e tirar dúvidas sobre amamentação. O encontro aberto ao público será em formato virtual este ano, seguindo as muitas adaptações que a sociedade está vivenciando no período da pandemia e recomendações de distanciamento social até que todos possam estar juntos de novo. 

A mediação desse encontro virtual, que acontece na Semana Mundial do Aleitamento Materno (1 a 7 de agosto), será realizada pela pediatra neonatologista e coordenadora do Berçário da Pro Matre Paulista, a Dra. Mônica Carceles Fráguas, que falará sobre a importância da amamentação e as principais dificuldades neste período tão especial na vida da mãe e do bebê. O encontro contará, ainda, com a participação da enfermeira especialista em amamentação da Pro Matre, Silvia Teixeira. 

Para a Dra. Mônica Carceles, este tipo de bate-papo, no qual as mães têm a possibilidade de compartilhar suas experiências, medos e inseguranças, é extremamente importante para que sintam que sempre há uma rede de apoio, mesmo diante deste momento de isolamento social que estamos vivendo, e que pode ajudá-las para que o processo da amamentação seja o mais natural possível. "A importância de entender que cada dia é um novo aprendizado e cada mãe tem sempre algo a ensinar às outras é essencial e contribui para que sintam-se encorajadas no desafio da amamentação", afirma a Dra. Monica. 

A apresentadora Titi Muller, uma das participantes da Mesa Redonda, contará os desafios do aleitamento materno de seu primeiro filho, o apoio do marido nesse processo, além da adaptação e ajustes da nova rotina do casal para que a vivência da amamentação seja a mais tranquila possível e diminua a autocobrança, já que tem conhecimento que nem todas as mulheres recebem o estímulo e apoio necessário nessa fase. 

Também entre as participantes da Mesa estará a influenciadora Karina Milanesi para falar sobre a experiência do aleitamento materno com a segunda filha e o que mudou em relação à amamentação com primogênita. Já a Ketly Vieira participará da conversa contando sobre a experiência com o nascimento da sua primeira filha e a amamentação totalmente possível, independentemente do fato dela ser uma mulher cadeirante, com necessidades especiais de mobilidade. A Mesa Redonda compõe parte das ações da Pro Matre Paulista em prol da amamentação, desempenhadas ao longo de todo o ano por todos os profissionais da Maternidade. 

Dia do orgasmo: descubra o que é mais importante para o brasileiro na Hora H 

 

Sabia que para 52% dos brasileiros uma boa música é mais importante do que beber vinho (37%) ou vestir uma lingerie especial (37%) na hora H? Isso foi o que revelou a pesquisa encomendada pela Deezer, plataforma global de streaming, feita em parceria com a especialista internacional em sexo, Tracey Cox*. 
 

Nesta sexta-feira, 31 de julho, comemora-se o dia do orgasmo e um outro dado curioso destacado pela pesquisa é de que 92,3% dos brasileiros consideram que a música durante o sexo pode melhorar sua performance - provando que sexo vai muito além do contato físico, o importante é a experiência completa. 
 

O estudo também revela que o ritmo da música é o fator principal (60%) para melhorar a performance sexual, seguido de melodia (45%) e batidas por minuto (33%). Tracey Cox comenta que "neurocientistas descobriram que a maioria das pessoas responde mais a uma batida quando é tocada por instrumentos mais graves. Fisiologicamente, os corpos das pessoas gostam de sons graves profundos, que, se alto o suficiente, também produz vibração, tornando-o poderosamente excitante". 
 

Outro dado, esse descoberto durante o isolamento em uma pesquisa realizada em abril deste ano com mais de 11 mil pessoas por 8 países do mundo, é que 43% dos brasileiros usam música para criar um clima romântico com seu parceiro durante a quarentena. 
 

Então, pensando em apimentar a relação dos casais, queremos ajudar com a trilha sonora perfeita: se você faz parte do time dos dedicados, corre e monte sua playlist. Se gosta de apenas dar o play, preparamos a playlist "Pra Fazer Amor" que já vem com uma seleção exclusiva de músicas que prometem garantir muito prazer, basta apenas um clique. 
 

*Tracey Jane Cox é autora e colunista inglesa de não ficção, especializada em livros sobre namoro, sexo e relacionamentos. 

 Médica anestesista alivia a dor por meio de lives musicais

 

“Quem canta seus males espanta”, diz-se popularmente. Ou pelo menos traz alento ao coração de quem admira boa música, principalmente em tempos em que as notícias não soam tão positivas. É o que Rosa Avilla promove dentro e fora dos hospitais onde atua há 31 anos. Como uma soprano, mescla músicas eruditas e populares. As lives musicais ocorrem todos os sábados, às 21h,  em sua página oficial do Facebook e Instagram.

 

Mas nem sempre foi assim. A médica esperou longos anos para estrear nos palcos. No entanto, em um ano e quatro meses já lançou 25 videoclipes, promoveu 16 shows e mais de 20 lives. Incentivada pelos vizinhos, Rosa Avilla, realizou seu primeiro show em março deste ano, na varanda de seu apartamento em São Paulo, com as janelas abertas e vizinhos nas suas respectivas sacadas. Depois disso, não parou mais.

 

“Desde março, tenho recebido incontáveis mensagens de agradecimento dos meus amigos e seguidores pelos momentos de abstração e paz que recebem por meio da música que divido com eles. Como cantora, estou me saindo uma excelente anestesista, porque consigo aliviar a dor e tensão deste momento tão difícil!”, revela a cantora que perdeu dois colegas médicos e um amigo para  o Covid-19.

 

Ao lado do maestro, compositor  e  produtor musical , o pianista David Pasqua, Rosa Avilla interpreta canções de autoria do musicista, muitas delas vertidas para o italiano.  Clássicos do jazz, MPB também compõem o repertório elegante e versátil, como ela mesma classifica. “David tem sido meu mentor e tem dado asas ao meu ecletismo, sobretudo ao resgate de canções da língua italiana, de nossos ascendentes imigrantes. Além disso, a música está ganhando um espaço muito grande nos meus dias, e é difícil resistir a ela , pois tem aflorado emoções que jamais pensei provocar e sentir: promover o bem-estar de modo natural e orgânico, anestesiando somente as sensações negativas”, pondera a médica-cantora.

Histórico de Conteúdo