Defensoria pede a Prefeitura de Salvador para retirar 'gelo baiano' de rotas de fuga do Dodô
Foto: DP-BA

A Defensoria Pública da Bahia (PD-BA) pediu a prefeitura de Salvador a retirada dos blocos de concreto, conhecido como “gelo baiano”, e grades da ligação das ruas transversais ao circuito Dodô – Barra Ondina. Segundo a Defensoria, essas ruas servem como rotas de fuga e não podem ficar obstruídas.

 

O pedido foi feito neste domingo (23) à TransSalvador e Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). A Defensoria colocou-se à disposição para reunião sobre o tema na sede do seu plantão, no Canela. De acordo com a coordenadora do Plantão Não Penal da Defensoria, Tatiane Franklin Ferraz, a instituição recebeu denúncias de confusões no circuito Dodô, que vinham gerando a quebra das caixas de isopor dos ambulantes, com perda de produtos, pessoas lesionadas e ausência de rotas de fuga.

 

Uma equipe de defensores públicos foi até o local para escutar foliões e ambulantes antes de encaminhar o pedido a prefeitura. “Apesar de ter a placa de indicação de Rota de Fuga, as mesmas estão obstruídas pelos blocos de concreto, podendo ocasionar lesões de diversas naturezas, além de outros danos”, destacou a defensora.

 

Em seu ofício, a Defensoria Pública aponta que o problema pode ser facilmente identificado nas ruas professor Lemos de Brito, Francisco Otaviano, professor Fernando Luz, Marquês de Caravelas, Alfredo Magalhães, Dom Marcos e Avenida Almirante Marques de Leão. “Temos a preocupação porque no circuito Dodô existe apenas um lado da avenida como área de escape, visto que do lado oposto é a praia, com um desnível superior a três metros de altura, protegido apenas por uma contenção”, argumenta a defensora pública Soraia Ramos.

Histórico de Conteúdo