Vice-presidente da OAB diz que conversa entre Moro e Dallagnol é um 'escândalo jurídico'
Foto: Angelino de Jesus / OAB-BA

O vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Luiz Viana, classificou como “escândalo jurídico” as mensagens trocadas entre o procurador Deltan Dallagnol e o então juiz, Sérgio Moro, sobre a condução da Operação Lava Jato. Viana, ao jornal Tribuna da Bahia, afirmou que ficou "escandalizado" com as conversas divulgadas pelo site The Intercept Brasil. Para ele, as conversas entre juízes, procuradores e advogados são comuns, desde que o magistrado não aja em conluio.

 

Viana ponderou que a veracidade das mensagens precisa ser apurada, mas criticou a conduta de Moro. "Juiz não pode orientar o Ministério Público em processos. E muito menos em processos criminais. Isso significa que sou contra a ‘Lava Jato’? Não, acho que a Lava Jato e as diversas operações com outros nomes que o Ministério Público tem feito de combate à corrupção são bem vindas ao país. O que não quer dizer que a gente não deva criticar os excessos", afirmou.

 

O ex-presidente da OAB da Bahia também avaliou que é preciso investigar uma possível ação de hackers nos celulares de procuradores. “Tudo indica que o vazamento foi ilegal, a captura daquelas informações foi feita a partir de hackeamento ilegal; e merece investigação e punição. Não dá para ficar o tempo inteiro passando a mão na cabeça de quem está hackeando autoridades da República. Isso é inadmissível”, declarou. Luiz Viana ainda considerou como "equívoco gigantesco" usar a expressão "os fins justificam os meios" para defender as conversas de Moro com procuradores da República. “Trazendo para o processo penal que estamos falando, são os meios, ou seja, o processo é que legitima o resultado”, destacou.

Histórico de Conteúdo