Agressor de Kaíque Abreu foi 'covarde, selvagem e hediondo', diz juiz
Foto: Reprodução / Facebook

Na sentença que o condenou a 14 anos de reclusão pelo homicídio duplamente qualificado de Kaíque Abreu, durante o Carnaval de 2018 (veja aqui), Edson Rodrigues dos Santos foi classificado como "covarde" e "selvagem". Kaíque era estudante de engenharia mecânica da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e morreu após levar um soco quando voltava para casa, após curtir a folia.

 

Na sentença divulgada nesta quarta-feira (12), o juiz Vilebaldo José de Freitas Pereira, entende que "o réu agiu com altíssima intensidade de dolo, não dando a ela, a vítima, sequer o direito de implorar por sua vida, lesionada, arbitrariamente, de forma covarde, selvagem e hedionda".


"Tenho como altamente reprovável, de excessiva violência e desprezo pela vida humana, a conduta do Réu, que se revelou, infelizmente, possuidor de uma personalidade prepotente, voltada para a prática de violência contra a pessoa e sem qualquer freio moral", complementa o magistrado.

 

A pena começa a ser cumprida inicialmente em regime fechado, e ele poderá recorrer, porém, cumprindo a preventiva, em razão de que "o crime praticado não o torna merecedor de aguardar o recurso em liberdade e nem a lei o protege tanto".


"A sua prisão, depois de condenado, não é providência dispensável ou intempestiva, é extremamente necessária para garantir a aplicação da lei penal, frente ao seu duvidoso comportamento processual", finaliza o magistrado.

Histórico de Conteúdo