Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

MPF e DPU querem garantir território do quilombo Quingoma em reunião extrajudicial
Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) vão realizar reunião virtual nesta quarta-feira (6), às 9h, para buscar uma solução extrajudicial consensual que garanta à Comunidade Quilombola Quingoma o direito efetivo ao seu território tradicional, localizado em Lauro de Freitas (BA). A comunidade  já é certificada desde 2013 pela Fundação Cultural Palmares.

 

Foram convidados para a reunião a Fundação Cultural Palmares, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e secretarias do Estado e do Município, além do governador da Bahia, Rui Costa, e da prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho. A intenção com o encontro é firmar um acordo que respeite os direitos quilombolas e lhes garanta o uso das terras que histórica e constitucionalmente lhes pertencem.

 

A Comunidade Quingoma relata a omissão do poder público nos processos de regularização fundiária e de licenciamento ambiental envolvendo as obras do Sistema Rodoviário BA-93 e da Via Expressa Contorno de Lauro de Freitas, além do Condomínio do Minha Casa, Minha Vida e do Hospital Metropolitano. Segundo os quilombolas, as construções impactaram gravemente o território e o acesso aos recursos naturais, além de não terem considerado o relatório antropológico de identificação do território, peça essencial para a regularização fundiária.

 

A comunidade pede a definição de compensações e ações de contrapartida pelos danos causados, bem como a liberação do acesso das famílias quilombolas ao seu território, limitado pela construção de residencial. Querem também a realização de consulta prévia, respeitando o que define a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) com o devido acompanhamento e assessoria jurídica da Fundação Cultural Palmares, em todos os assuntos com potencial impacto à Comunidade Quilombola. Por fim, requerem a publicação do Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID), considerando todos os danos ambientais e sociais já causados ao seu povo.

Histórico de Conteúdo