Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sikêra Jr. revela salário na RedeTV! após ser citado em CPI da Covid
Foto: Reprodução / Rede TV

O apresentador Sikêra Jr. se pronunciou após ser citado da CPI da Covid-19, por ter recebido R$ 120 mil de cachê do governo federal. A informação foi divulgada pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom). 

Durante edição desta quinta-feira (17), o apresentador do Alerta Nacional confirmou o recebimento do valor que, para ele, é muito abaixo em comparação a seu salário na emisora. Ele revelou que recebe R$ 500 mil mensalmente da RedeTV!, além de faturar com publicidade em seu programa.

"Sikêra, é verdade que você ganhou R$ 120 mil? Ganhei! E estou esperando mais. Sabe como se ganha esse dinheiro? Trabalhando honestamente. Esse dinheiro ia para a Folha de S.Paulo, ia pra TV Globo e aí não vai mais. Passaram a distribuir para as pequenas empresas, para as pequenas emissoras. Por isso o cachê é pequeno", falou Sikêra.

Na sequência, o jornalista conta que o valor foi para uma ação comercial de sete meses. "É pouco demais. Ei, Bolsonaro. Aumente, viu, eu exijo um aumento. De dezembro até agora só deu 120 mil conto?", ironizou o jornalista.

"Só da Sorridents, eu levo mais de R$ 60 mil. Do Laboratório Airela, eu levo mais R$ 60 mil. Eu recebo da Yamaha... 'oxe', como é que recebo só R$ 120 [mil] do governo? Só de imposto, eu pago mais do que isso", comentou.

O documento divulgado aponta que os valores das campanhas publicitárias citadas custaram entre R$ 8 mil a R$ 24 mil cada. 

Em uma das campanhas citadas pela Secom está a do 'Cuidado precoce para a Covid-19', que indica o tratamento logo após os primeiros sintomas. Nesta campanha, Sikêra recebeu R$ 24 mil.


Apoiador declarado do atual governo, Sikêra entrevistou Jair Bolsaro em abril deste ano, e também já recebeu Flávio e Eduardo Bolsonaro no programa. 

Histórico de Conteúdo