MPF investiga MC Mirella por envolvimento em tráfico internacional para exploração sexual
Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal (MPF) abriu uma investigação contra a funkeira MC Mirella, após uma denúncia de envolvimento com tráfico internacional de crianças e adolescentes para fins sexuais. Nesta semana, uma jovem de 17 anos relatou nas redes sociais uma suposta conversa com a cantora, que teria ocorrido em novembro de 2017 (saiba mais aqui). Na conversa, a MC teria oferecido R$ 5 mil para que a adolescente passasse um final de semana com “um amigo” da cantora, identificado como um empresário do Paraguai. A cantora negou as acusações e chamou o ato de “absurdo”, mas confirmou que houve a conversa com a jovem.

 

A cantora publicou um vídeo em suas redes sociais para esclarecer o caso. Ela disse que houve inverdades e que não tem nada contra quem adota práticas de aliciamento de menores de idade. "Eu não tenho nada contra quem faz esse tipo de coisa que você me acusou e não julgo a vida de ninguém", afirma Mirella. Por meio de assessoria, a cantora esclareceu que se referia a "não se intrometer na forma em que as pessoas ganham a vida". A funkeira disse que não deseja mal à adolescente, mas disse que não sabia que ela era menor de idade. A MC ainda disse que a denunciante tentou ganhar fama com o caso e questionou porque a denúncia não foi realizada na época. "Por que depois de dois anos você quis vir com isso à tona? Você sabia que causou uma represália? As pessoas que foram assistir meu show podiam me humilhar, me agredir. Isso é muito esquisito, muito estranho", desabafa. A cantora finaliza o esclarecimento afirmando que também já foi contratada pelo homem para fazer uma presença VIP, de cunho apenas profissional, mas não pôde comparecer. No vídeo, os comentários foram bloqueados, após repercussão negativa.

Histórico de Conteúdo