Música 'Fricote' de Luiz Caldas gera discussão e críticas em festa
Foto: Divulgação
A música "Fricote", do baiano Luiz Caldas, criou polêmica durante uma festa no último domingo (26), no Morro da Conceição, no Rio de Janeiro. Ao ser tocada pelo DJ Gustavo Calani, a canção que fala de uma "nega do cabelo duro que não gosta de pentear" incomodou algumas pessoas, que a consideraram racista e machista.
 
"Interrompi para tentar conversar com o grupo, mas os ânimos estavam alterados. Uma das meninas que veio falar comigo disse que eu não podia avaliar o que era racista ou não, por ser branco. Achei um ponto de vista forte e pertinente, mas não dava para ser debatido ali", disse o DJ à coluna Gente Boa, do jornal O Globo.
 
"Eu, como negro, não me sinto nem um pouco ofendido. Se a música fosse do Bolsonaro, sim. Mas Luiz Caldas não é racista. É preciso analisar o contexto social em que essas obras foram feitas. Nunca imaginei que o século 21 pudesse ser tão careta", afirmou o produtor de festas de black music, Julio Barroso. O coletivo Quermesse, um dos organizadores da festa, pediu desculpas a quem se ofendeu.
 
"Desculpas, primeiro pela ofensa e, depois, pelo desgaste de terem que nos apontar o que já deveríamos saber", publicaram.

Histórico de Conteúdo