Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias

Notícia

Mendonça, do STF, dá 30 dias para desenho final de repactuação de multas da Lava Jato

Por José Marques | Folhapress

Mendonça, do STF, dá 30 dias para desenho final de repactuação de multas da Lava Jato
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O ministro André Mendonça, do STF (Supremo Tribunal Federal), concedeu nesta quarta-feira (10) mais 30 dias para que o governo Lula (PT) e empreiteiras apresentem detalhes finais dos novos termos dos acordos de leniência firmados na Operação Lava Jato.
 

No último dia 26, governo e empresas fecharam o novo modelo dos compromissos.
 

Entre os benefícios oferecidos às empresas, estão o aumento do uso do prejuízo fiscal para até 50% e a isenção de juros moratórios —apenas com atualização pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) até maio deste ano.
 

Na decisão, o ministro lembrou que a CGU (Controladoria-Geral da União) e a AGU (Advocacia-Geral da União) chegaram a consenso com as empresas em relação aos principais pontos dos acordos.
 

Diante disso, ele concedeu o prazo de 30 dias para conclusão das discussões sobre o cronograma de pagamento da dívida remanescente e para a formatação dos instrumentos de renegociações.
 

A decisão de Mendonça foi concedida a pedido da União, que informou, em petição apresentada ao Supremo, que "apesar do empenho das referidas instituições e das empresas em alcançar uma solução consensual para o litígio, e da aceitação pelas empresas da oferta final feita pela CGU e AGU, não foi ainda possível concluir as negociações".
 

"Com efeito, não houve tempo hábil para se ajustar com as empresas um cronograma de pagamento da dívida remanescente", dizia o pedido.
 

Os acordos de leniências foram firmados durante o auge das investigações da Lava Jato. A leniência é uma espécie de delação premiada das empresas, em que há pagamento em troca da possibilidade de continuar obtendo contratos públicos.
 

Juntas, elas devem aos cofres públicos R$ 11,8 bilhões em valores corrigidos.