Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 26 de Fevereiro de 2022 - 11:30

COI pede que esporte boicote Rússia com proibição de eventos e bandeira

por Demétrio Vecchioli | Folhapress

COI pede que esporte boicote Rússia com proibição de eventos e bandeira
Foto: Fernando Soutello/Agif/Folhapress

O Comitê Olímpico Internacional (COI) pediu às federações internacionais, conhecidas pela sigla IF, que retirem da Rússia e da Belarus qualquer evento marcado para acontecer nestes dois países e que também deixe de permitir a exibição das bandeiras e que sejam tocados os hinos deles em competições internacionais.
 

A postura é provavelmente a mais dura já adotada pelo COI contra um país, e é justificada, pelo comitê olímpico, pela fato de Rússia e Belarus terem desrespeitado a Trégua Olímpica. No fim do ano passado, a assembleia geral da ONU aprovou uma resolução que visa impedir conflitos armados em uma janela que começa sete dias antes de uma Olimpíada e termina sete dias depois das Paralimpíadas.
 

Como os Jogos de Pequim começaram em 4 de fevereiro, a Trégua Olímpica está em vigor desde 28 de janeiro, durando até 20 de março. Por conta do ataque da Rússia à Ucrânia, é provável que atletas ucranianos não consigam participar da Paralimpíada que começa no dia 5. Isso fere gravemente o espírito dos Jogos.
 

Como punição à Rússia e a Belarus, que tem auxiliado os russos no ataque, sendo o ponto de partida da tentativa de saque a Kiev, o Conselho Executivo do COI pediu hoje que todas as IF realoquem ou cancelem os eventos esportivos atualmente planejados para esses dois países. "Elas (as IF's devem levar em consideração a violação da Trégua Olímpica pelos governos russo e bielo-russo e dar prioridade absoluta à segurança e proteção dos atletas", disse o COI.
 

A Rússia vai receber este ano eventos importantes como o Mundial de Vôlei, entre agosto e setembro, e o Mundial de Piscina Curta, em dezembro. Tanto a FIVB quanto a Fina fizeram apenas comentários protocolares sobre o conflito, sem críticas duras à Rússia, e não se comprometeram a alterar seus calendários, ainda que não tenham descartado essa possibilidade. A de esqui já cancelou todo seu calendário de 2022 na Rússia.
 

O COI também pediu que nenhuma bandeira de Rússia ou Belarus seja exibida e nenhum hino russo ou bielo-russo seja tocado em eventos esportivos internacionais. Já há uma sanção do tipo imposta pela Agência Mundial Antidoping (Wada) para a Rússia, por conta do escândalo de doping, mas agora a punição seria política mesmo.
 

 

Histórico de Conteúdo