Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 04 de Outubro de 2021 - 07:30

Segurança e educação são calos petistas que ACM Neto já começa a explorar

por Fernando Duarte

Segurança e educação são calos petistas que ACM Neto já começa a explorar
Foto: Gilberto Jr./ Divulgação

Candidato ao governo da Bahia em 2022, ACM Neto não esconde que já definiu dois temas cruciais para a campanha do próximo ano: segurança e educação. O ex-prefeito de Salvador se apoia em índices pouco expressivos no enfrentamento à violência e o avanço a passos de tartaruga na área de educação ao longo de quase 16 anos do PT no poder para avançar na corrida eleitoral. E, até aqui, a resposta do governo é tímida por uma razão simples: não dá para mudar da noite para o dia um problema histórico.

 

A dificuldade mais antiga é a educação. Os últimos ciclos políticos avançaram muito pouco ou até retrocederam no investimento em infraestrutura e em qualidade do ensino público. Não é uma questão que começa com Jaques Wagner, em 2007, admitamos. Porém houve muito pouca evolução ao longo dos governos petistas. No último Ideb para o ensino médio disponível, 2019, a rede estadual marcou 3.2, quase 1 ponto abaixo da projeção do Inep, responsável pela prova. O ensino médio é, em tese, uma responsabilidade dos governos estaduais e, desde 2005, primeiro disponibilizado, evoluiu apenas 0.5. E esses números tendem a cair ainda mais com a pandemia, o que vai expor deveras as fragilidades do segmento.

 

Na segurança, os dados disponíveis nem precisam ser elencados para chamar atenção. A Bahia - bem como o Brasil - vive um conflito civil não declarado e tem perdido sucessivas batalhas para o enfrentamento às drogas. Os resultados são índices de mortes violentas comparadas a zonas de guerra e pouca perspectiva de melhoria em um curto espaço de tempo. E não, os governos petistas não são os únicos culpados por essa chaga social aberta. E não, Jair Bolsonaro está muito longe de resolver esse problema com a mágica do “vamos distribuir armas”. Não vai funcionar, mas falar disso não cabe aqui. Enquanto o tráfico de drogas for tratado como um problema exclusivo de segurança pública, dificilmente sairemos desse buraco em que nos encontramos. É um problema de saúde pública, mas também econômico e social...

 

Todavia, numa campanha eleitoral, pouco importa quem são os verdadeiros vilões ou culpados. Caso ACM Neto consiga construir uma narrativa que explicite a parcela de responsabilidade de Jaques Wagner e de Rui Costa para não resolver esses problemas crônicos, ele colherá dividendos políticos mais fáceis do que a defesa do legado dos petistas na Bahia. Como haverá um esforço para não nacionalizar as eleições da Bahia em 2022 por parte do ex-prefeito de Salvador, esses dois calos do PT ao longo dos últimos anos no estado serão explorados com afinco ao longo dos próximos meses.

 

Ninguém tem um modelo pronto para resolver essas dificuldades, porém simular que é possível fazer diferente talvez gere um resultado positivo para quem almeja chegar ao poder. Nem que para isso precise vestir a fantasia de salvador da pátria, algo que, convenhamos, os brasileiros votam com bastante frequência.

Histórico de Conteúdo