Adiar eleição pode não ser pauta primordial e viável, mas será um debate necessário
Ministro da Saúde, Henrique Mandetta defendeu adiamento | Foto: Marcos Corrêa/PR

Mesmo que seja uma minoria, um grupo de políticos influentes começa a ventilar a hipótese de adiamento das eleições para prefeito e vereador em 2020. A tese é rechaçada por operadores do Direito, a exemplo do vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Luiz Viana, porém, caso mantidas as perspectivas atuais da crise do novo coronavírus, a hipótese de adiar o pleito vai ganhar força. A discussão perpassa, inclusive, pela campanha para que o Fundo Eleitoral seja utilizado para o combate à Covid-19.

 

Como a mudança na legislação determinou que os recursos para as eleições venham desse fundo específico ou de doações de pessoas físicas, o eventual uso desse dinheiro para outro fim pode inviabilizar a realização do pleito em outubro. E, por mais que a população mantenha certo nível de ojeriza à classe política, não ter eleição é um problema maior do que fazê-la. Resta saber por quanto tempo essa crise com o novo coronavírus deve continuar.

 

O fundo eleitoral é uma questão tão delicada que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, preferiu tratar da redução dos salários de parlamentares e servidores ao invés de falar sobre o tema. Maia sabe que mexer com recursos políticos e eleitorais pode causar problemas a longo prazo. Então, é mais cômodo tratar do assunto de maneira tangencial e ver se a população esquece e para de fazer pressão.

 

De qualquer sorte, o coronavírus já alterou bastante o calendário eleitoral. O mês de março seria marcado, nos bastidores, pelas negociações para mudanças partidárias, especialmente de vereadores que buscam reeleição. O prazo final, mantidas as atuais datas, se encerra no começo de abril e a discussão está muito distante de ser um segundo plano. Eleição não deveria ser prioridade – e, por incrível que pareça, não está sendo tratada assim.

 

Apesar de muito incipiente, há um debate premente sobre a manutenção ou não de 4 de outubro para a realização do 1º turno de 2020. Parte dos políticos tem se manifestado publicamente para aguardar um pouco para discutir a questão. O limite, no entanto, ainda não é claro. Vai depender da evolução da pandemia da Covid-19 no Brasil. E, a tirar pelos prognósticos recentes, talvez adiar as eleições não seja apenas uma opção.

 

Este texto integra o comentário desta quinta-feira (26) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios Irecê Líder FM, Clube FM, RB FM, Valença FM e Alternativa FM Nazaré.

Histórico de Conteúdo