Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 07 de Julho de 2014 - 08:00

Cantareira tem 25% de chance de recuperação no verão

por Fabio Leite

Cantareira tem 25% de chance de recuperação no verão
Foto: Luis Moura/ Estadão Conteúdo
Aguardada como a solução para a crise do Sistema Cantareira, a próxima temporada de chuvas não deve livrar o principal manancial paulista do estado crítico. Análise estatística feita pelo comitê que monitora a seca nos reservatórios revela que o sistema tem apenas 25% de chance de acumular entre dezembro e abril de 2015 uma quantidade de água (546 bilhões de litros) suficiente para repor o "volume morto" usado emergencialmente e ainda devolver ao Cantareira 37% da sua capacidade antes do próximo período de estiagem. Na última década, a única vez que o sistema iniciou a temporada sem chuvas (maio a setembro) com menos de 35% da capacidade foi justamente neste ano. No dia 1.º de maio, o nível do manancial estava em 10,5%, ou seja, três vezes e meia menor. Em 2004, por exemplo, ano da última crise do Cantareira, os reservatórios iniciaram o período com 35,5% do volume armazenado. Agora, contudo, além de a seca ser mais severa, o uso inédito de 182,5 bilhões de litros da reserva profunda das represas pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) deve retardar a recuperação do sistema. Segundo o levantamento feito pelo comitê anticrise, os cálculos mostram que a probabilidade de o Cantareira obter um saldo igual ou superior a 394 bilhões de litros entre dezembro e abril é de 50%, e sobe para 75% quando a quantidade acumulada nesses cinco meses cai para 219 bilhões de litros. Se as projeções mais pessimistas do comitê e da Sabesp se confirmarem, o "volume útil" do manancial acaba nesta semana e o "volume morto" entre outubro e novembro. Desta forma, no primeiro cenário, o sistema chegaria a maio de 2015 com cerca de 22% da capacidade normal e, no segundo, com apenas 4%.

Histórico de Conteúdo