Sexta, 22 de Maio de 2020 - 14:30

Em live, ex-jogadores do Vitória relembram do triunfo marcante sobre o Vasco em 99

por Leandro Aragão

Em live, ex-jogadores do Vitória relembram do triunfo marcante sobre o Vasco em 99
Foto: Reprodução

O Vitória promoveu na noite desta quinta-feira (21) uma live no seu canal oficial no YouTube com ex-jogadores, os laterais Leandro e Rodrigo e o meia Fernando. O trio esteve em campo naquele triunfo marcante, de virada, sobre o Vasco por 5 a 4, no Barradão. O duelo, válido pelo primeiro jogo das quartas de final do Campeonato Brasileiro de 1999, será reprisado neste domingo (24), a partir das 15h30 na TV Bahia. 

 

Naquele jogo, Fernando marcou três gols, enquanto o meia Artur e o atacante Tuta anotaram os outros tentos do Leão, enquanto os atacantes Viola e Donizete balançaram as redes para os visitantes, cada um com dois. Do lado vascaíno estava o meia Ramon Menezes, cria da Toca do Leão, além de outros nomes de peso do futebol brasileiro como o goleiro Carlos Germano, os zagueiros Mauro Galvão e Odvan, o lateral Felipe, o volante Amaral e o meia Juninho Pernambucano. Enquanto Rubro-Negro baiano também contava com jogadores marcaram época como o goleiro Fábio Costa.

 

"Quero dizer que naquele dia a gente enfrentou um dos grandes clubes no cenário nacional que era o Vasco, com um grande treinador [Antônio Lopes] e com um grande elenco. Era uma equipe que havia sido campeã da Libertadores e eles tinham também o nosso reizinho, que era Ramon Menezes. O Vasco era um time a ser batido e pouco se acreditava na gente. Essa era a realidade. Achavam que seriam dois ou três jogos fáceis para o Vasco", pontuou Rodrigo. "Aqueles dois gols que tomamos no início de partida fez com que a gente reagisse tão rápido como nós tivemos. A gente era um grupo muito unido e jamais pensaríamos em ser derrotados em casa. A gente sabia que poderíamos dar o algo mais como aconteceu", completou.

 

Logo nos primeiros minutos, Viola fez 2 a 0 para o Vasco. Porém, o Leão virou com Artur Fernando e Tuta.

 

"Quando tomamos o primeiro gol, o segundo foi muito rápido. Lembro de Eloy botando a mão no rosto, uma cena rápida. E logo em seguida a gente reagiu. Nosso time era a cara do treinador, de jogo ofensivo. Nos olhamos e não acreditamos que tomamos o segundo gol, mas em seguida veio a reação. Se tivesse mais 10, 15 minutos o placar seria outro, porque o jogo todo foi assim, um gol atrás do outro. É um jogo que está marcado no torcedor, na história do clube. Foi um dia que o Vitória estava inspirado e conseguiu ganhar naquela tarde", comentou Fernando.

 

Só que Donizete desempatou no final do primeiro tempo. Na etapa complementar, Fernando recolocou o time baiano na frente, mas Donizete deixou tudo igual mais uma vez. Mas o meia rubro-negro marcou seu terceiro e o quinto da equipe em cobrança de pênalti.

 

"Nós éramos a zebra do campeonato. O time a ser batido era o Vasco. Tanto é que o Eurico Miranda deu uma suspensão no Edmundo achando que não precisava dele. O Edmundo não jogou os dois primeiros jogos, só o último. Só que a cidade parou. Eu, Leandro, nunca vi o Barradão tão lotado como naquele jogo. E nosso time sabia que dentro da nossa casa é muito forte. Nosso time era a zaga mais vazada. Nós sofríamos muito gol, mas fazíamos, confiávamos em nós mesmos", destacou Leandro.

 

O ex-lateral Leandro sugeriu que os jogadores do elenco atual do Vitória buscassem a história do clube. Ele destacou o temor dos adversários quando encaravam o Leão dentro do Barradão.

 

"Não gosto de fazer comparações, cada um na sua época, mas os jogadores atuais tinham que saber a história do Vitória, como é que era jogar no Barradão. Os caras tinham medo de jogar. O Rodrigo saiu da base e depois jogou contra o Vitória, como é que era difícil jogar contra no Barradão. A galera tinha medo de jogar. Tem que voltar a ter esse respeito", afirmou.

 

Naquele Brasileirão de 99, os confrontos das quartas de final eram disputados numa melhor de três partidas. Após a vitória por 5 a 4, o Leão ficou no empate com o Vasco em 2 a 2, em São Januário. A terceira partida também foi na casa do Cruzmaltino e ficou na igualdade em 1 a 1 garantindo o time baiano na semifinal.

Histórico de Conteúdo