Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Diretor da FBF explica sistema de registros de atletas no BID: 'Temos que orientar'
Foto: Glauber Guerra / Bahia Notícias

Diretor de registros da Federação Bahiana de Futebol (FBF), Felipe Quadros explicou, nesta quarta-feira (15), como funciona o processo para regularizar atletas no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (BID). 

 

Em entrevista ao programa BN Na Bola, da Rádio Salvador FM 92,3, apresentado por Emídio Pinto, Glauber Guerra e Ulisses Gama, ele destacou que o tempo de espera varia a cada caso. 

 

"Hoje, a CBF tem um sistema que funciona nacionalmente de registro de atletas. Para o atleta ser registrado, o clube anexa todos os documentos do atleta, busca pelo CPF, por onde consigo puxar todas as informações. A partir dessa informação, o clube sabe o que vai fazer com o atleta. Transferência internacional, nacional, primeiro contrato. E cada processo desse tem um prazo. Se o cara está na Nigéria e está sendo contratado por um clube brasileiro, tem que observar os prazos da janela, se tem o contrato ativo lá. Tudo isso demanda um prazo além da negociação. Para fazer esse processo, até ele sair no BID, existe um tempo. Tem atletas que podem ser registrados no dia, e outros que podem demorar até um mês. Tem que esperar às vezes a janela abrir. Temos a função de orientar nossos filiados e fazer um papel de parceria com os clubes. Mas existem essas barreiras, processos que demoram mais", resumiu. 

 

Atualmente, todo o futebol nacional tem um sistema eletrônico que avisa aos clubes quais atletas estão suspensos de determinado confronto. De acordo com Felipe, a FBF está em processo de implementação desse sistema. 

 

"Hoje existe a pré-escala. Eles [a CBF] fazem antes do jogo, 72 horas antes do jogo. Até 3 horas antes podem estar alterando. Nessa pré-escala já tem os atletas com alguma pendência e acusa quando ele vai escalar. Já funciona nas competições nacionais, e estamos implementando no campeonato da gente, mas é de obrigação dos clubes eles consultarem os atletas se têm alguma punição no tribunal, se tem aquele controle de cartão", pontuou. 

 

Recentemente, a Fifa anunciou alterações nas regras de transferências de jogadores. Contudo, Felipe explicou que, até o momento, elas só estão valendo para as Séries A e B do Brasileirão. As Séries C e D ainda não as implementaram. 

 

"Está sendo uma mudança que ocorre aos poucos.  São clubes das séries A e B. Hoje se encaixa para o Bahia, e não se aplica aos clubes das Séries C e D. Eles podem fazer contratações no período da competição, tem os prazos no regulamento. Vejo com bons olhos, até para ter o controle dessas transferências. Fica um processo organizado. Fica aqueles prazos ali, você vai ter que cumprir, quando a janela não está aberta só podem atletas que rescindiram antes do fechamento da janela em comum acordo", avaliou. 

Histórico de Conteúdo