Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Mesmo sem terminar carreira como desejava, Minotouro diz ter 'sensação de dever cumprido'
Foto: Reprodução / Getty Images

Rogério “Minotouro” realizou sua última luta da carreira do MMA no último dia 25 de julho e declarou que vai sentir falta dos duelos. Lutador profissional por quase 20 anos, Minotouro disse que vai precisar readaptar a rotina ja que nao tera mais a rotina de treinos de um competidor e diz que, apesar de não ter finalizado como desejava, está satisfeito com a história que fez no esporte.

 

“Vou sentir falta de tudo, é uma vida de dedicação. Faço isso desde 4 anos”, declarou o baiano. “[Sentirei falta] dessa questão de competição. Quando você tem competição, faz tudo para ela”, completou, em entrevista para o Combate.com.

 

“Eu tinha um treinador que falava o seguinte: o que você está comendo, vendo, fazendo, a hora de dormir, isso vai te ajudar no dia da competição? Então, tudo que fazia era para o dia da competição. Não tinha luta marcada, mas sabia que marcariam”, contou o lutador. “Quando você para, é como se tirasse o objetivo da sua vida, então agora é adequar esses objetivos para não ficar uma coisa vazia”, completou.

 

Sobre o fim das competições no MMA, Minotouro diz que está satisfeito com a carreira que fez e que vai se dedicar a partir de agora a equipe Team Nogueira, a rede de academia de lutas da família, ao lado do irmão Rodrigo Minotauro. 

 

“Essa é a situação que tenho agora, sensação de dever cumprido e agora é tentar focar em outros trabalhos. A carreira foi brilhante, tiveram coisas que não consegui fazer, mas também não posso ficar me lamentando. Agora é tocar para frente e pensar nas próximas gerações que a gente tem o poder de ajudar de alguma forma”, declarou.

 

Ele comentou ainda que não fez o encerramento da forma que queria, mas que ainda assim foi importante e histórico. “Queria que tivesse acontecido no Brasil, não foi na frente da torcida, mas foi em grande estilo na volta do esporte, dentro de um estúdio irado, tudo muito bem feito para que fosse uma noite especial”, admitiu.

 

A última luta de Rogério foi contra Maurício Shogun, que marcou o terceiro encontro entre os dois lutadores e também a terceira vitória do paranaense sobre o baiano. A disputa foi decidida pelos juízes e Minotouro ficou um pouco frustrado por ter pedido. 

 

“Como já tinha programado 2020 para fazer minha última luta, e sabendo que foi a última, fica a sensação de ter que sair com vitória. Tive a luta na mão, com o nocaute muito perto”, explicou. “O pessoal fala que foi polêmico, mas ao mesmo tempo não quero polemizar e dizer que fui injustiçado, porque não foi uma luta ruim, o Shogun é um casca grossa, um guerreiro”, completou. 

 

Aos 44 anos, Minotouro encerrou os dias no MMA com 33 lutas, tendo sido vitorioso em 23 delas e derrotado em dez. “Desses caras, o que fico mais feliz de lutar é o Shogun. (...) A gente provou que deu para fazer uma boa luta, que a gente está bem”, finalizou o lutador.

Histórico de Conteúdo