Jogadores do PSG criam tensão com CEO do clube por não aceitarem redução de salários
Foto: Reprodução / Instagram

O clima entre os jogadores e a presidência do Paris Saint-Germain é de tensão. Segundo o jornal francês L'Equipe, os atletas do time, que foi campeão da temporada no mês passado, permanecem resistentes aceitar a redução dos salários.

 

Desde abril, o clube vem tentando renegociar os pagamentos dos jogadores mas, de acordo com publicação do veículo, vários membros da equipe nem sequer entraram tiveram contato com o CEO do PSG, Nasser Al-Khelaifi.

 

A falta de comunicação entre o dirigente e os profissionais é justamente porque os atletas sabem que a conversa com o mandatário será para pedir novamente que eles aceitem a proposta de redução dos pagamentos. 

 

A atitude dos jogadores ignora petições da União Nacional dos Jogadores Profissionais, sindicato francês dos atletas da modalidade. 

 

Ainda segundo o L'Equipe, um dos nomes que mais discordam dos cortes no salário é o brasileiro Thiago Silva. A proposta do presidente do clube é que os jogadores aceitem não receber o valor referente às férias entre os dias 1 e 22 de junho. Atualmente, as perdas estimadas para o Paris Saint-Germain é de cerca de R$ 1,2 bilhão.


Com o campeonato nacional da França encerrado devido a pandemia do coronavírus, o PSG, que liderava a tabela com 12 pontos de vantagem, foi declarado campeão pela Liga de Futebol da França (LFP).

Histórico de Conteúdo