Fortaleza entra em acordo para redução de salários e doa alimentos em meio a crise
Foto: Divulgação

Passando pela crise após a suspensão das competições, assim como outros clubes do país, o Fortaleza adotou a redução de salários em consenso com jogadores e dirigentes para ajudar nas despesas do clube. O acordo coletivo foi definido nesta sexta-feira (27) e o presidente da equipe cearense, Marcelo Paz, comentou que a medida é uma forma de conseguir cumprir os pagamentos em meio a situação. 

 

O salário referente ao mês de março, que será pago no início de abril, terá uma redução de 25% para os integrantes do Fortaleza, tanto jogadores, quanto dirigentes, comissão técnica e demais funcionários. “Depois da crise a gente devolve esse dinheiro para os jogadores. O salário de abril eles renunciaram 10% em definitivo. E mais 15% para pagar depois”, explicou o presidente do clube. No caso da diretoria, a renúncia definitiva dos salários durante a crise é de 15%.  

 

“É necessário fazer esses ajustes para que o clube possa honrar com seus compromissos”, declarou Marcelo Paz. “A nossa intenção é não demitir nenhum funcionário”, completou o presidente. 

 

Mas as ações que vêm sendo tomadas pelos dirigentes do Fortaleza não são apenas para manter o clube em meio a pandemia do coronavírus. Com as atividades suspensas, os alimentos que seriam usados nas refeições de atletas e comissão técnica, durante o período atual de treinos e concentração, foi doado para um hospital e uma casa de repouso em Fortaleza.  

 

O diretor administrativo do clube cearense, Gildo Ferreira, comentou que passar os mantimentos para quem tem mais necessidade é uma solução melhor que deixá-los guardados e sem previsão de consumo. “Decisão por conta da possibilidade dos alimentos terem avarias e ficar muito tempo em nosso estoque”, explicou. “Dessa forma, a gente pensou, de forma humana, a fazer essa doação a quem realmente precisa”, acrescentou o diretor. 

Histórico de Conteúdo