Atletas brasileiros estão sem treinar e se preocupam com data das Olimpíadas mantidas
Foto: Washington Alves/Exemplus/COB

O Comitê Olímpico Internacional (COI) permanece com as datas previstas para os Jogos de Tóquio 2020. Entretanto, com atletas do mundo inteiro tendo competições e treinos suspensos devido a pandemia do coronavirus, alguns deles estão se posicionando a favor do adiamento da competição. Os nadadores brasileiros Poliana Okimoto e Bruno Fratus são exemplos disso.

 

Bronze no Rio 2016, na modalidade maratona aquática 10km, Okimoto publicou em suas redes sociais o pedido de adiamento das Olimpíadas em respeito aos atletas que não podem dar continuidade aos treinos na situação atual que o mundo se encontra. “E desumano, injusto, imprudente realizar esses Jogos Olímpicos na data prevista”, declarou. 

 

Fratus, medalhista nas últimas três edições dos Campeonatos Mundiais de natação nos 50m livre, disse que manter o calendário previsto tira a tranquilidade. “Eu acho que é uma decisão completamente descabida e eu gostaria de acreditar que isso só não mudou ainda porque eles precisam de um pouco mais de tempo para se organizar. Esse seria um exemplo extremamente dramático de descaso com os atletas”, relatou o nadador. 

 

O brasileiro ainda ressaltou  que com a pandemia e os locais públicos inacessíveis, não está sendo possível dar continuidade aos treinos. “Muitas das piscinas fechadas, muitas das piscinas nas quais a gente treina aqui são públicas, muitas vezes municipais ou estaduais. Então essas foram as primeiras a serem fechadas para evitar aglomeração de pessoas”, comentou o nadador que mora atualmente nos Estados Unidos.

 

O COI emitiu nota esta semana, após reunião com federações internacionais, mantendo os JOgos para as dantas entre 24 de junho e 9 de agosto. A entidade diz que se preocupa com o bem estar dos envolvidos no evento, mas que não é o momento para decisões drásticas como adiamento ou cancelamento.

Histórico de Conteúdo